Vale a pena comprar iPad Air usado?

Vale a pena comprar iPad Air usado?

Por Amanda Abreu | Editado por Léo Müller | 13 de Maio de 2022 às 13h45
Divulgação - Apple

O iPad Air (2022) acaba de ser lançado em sua mais nova versão, equipado com o chipset Apple M1, um dos mais potentes da categoria. Desbancando outros modelos da própria gigante de Cupertino, ele é uma das opções voltadas para usuários intermediários/avançados que precisam de um tablet com boa configuração, sem renunciar a tela grande e possibilidade de uso de acessórios — tais como as canetas touch e capas com teclado, por exemplo.

Porém, todos nós sabemos que, quando falamos sobre os produtos da Apple, falamos também sobre uma outra questão muito importante: o preço. Apesar de os aparelhos da marca serem notoriamente conhecidos pela qualidade de construção e outros pontos, ele também acaba sendo caro e fora da realidade para boa parte da população brasileira.

Sendo assim, uma opção interessante pode ser a compra de modelos antigos de iPad Air já usados. Todavia, será que vale a pena? É o que tentaremos responder nesse artigo.

iPad Air: detalhes e características

Antes de adentrarmos no assunto, é necessário conhecer as principais diferenças e características que o iPad Air entrega em relação a seus irmãos. Como o próprio nome já diz, este é um tablet focado em ser mais fino e mais leve que os outros disponíveis no catálogo da Maçã.

Além disso, essa versão é focada para usuários intermediários e avançados que preferem e precisam de telas maiores e suporte a acessórios, tais como a Apple Pencil (ou canetas touch de outras marcas) e teclados com capa tipo o “Smart Keyboard Folio”.

Pela primeira vez, o último iPad Air lançado conta com o chipset Apple M1, um dos mais poderosos da fabricante, que antes era utilizado somente em outros produtos da marca — tais como Macbook Pro e Macbook Air.

Outra diferença notável no design fica na parte das bordas, que são mais finas e menores, além de o corpo ser um pouco maior que o de um iPad convencional. Por fim, podemos dizer que o iPad Air tem como proposta ser um tablet equilibrado, com preço mais convidativo e focado para estudantes ou profissionais que trabalham com design e atividades parecidas.

iPad Air 5 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Sistema operacional atualizado

Um dos principais diferenciais da Apple é a atenção oferecida aos produtos da marca mesmo após algum tempo. Não é incomum ouvir de usuários que seus iPads estão recebendo as atualizações mais recentes, mesmo em caso de aparelhos lançados há muitos anos.

Esse é um dos pontos mais positivos da Maçã, já que seus iPhones e iPads sempre possuem suporte aos aplicativos mais recentes, além das atualizações de segurança garantirem que os dispositivos sempre estarão seguros e protegidos de boa parte das ameaças existentes.

Naturalmente, isso não quer dizer que os tablets sempre continuarão com a mesma rapidez e responsividade de sistema, até mesmo porque os componentes ficam defasados com o passar do tempo e os apps exigem cada vez mais memória RAM e performance para trabalharem dentro dos padrões, mas, ao menos, é garantido que o sistema sempre estará pronto para o que a App Store oferece.

iPadOS 15 é a versão mais nova do sistema operacional da Apple (Imagem: Reprodução/Apple)

Longevidade da bateria

As baterias dos últimos iPads lançados demonstram a preocupação da fabricante com essa parte, já que sua autonomia entrega muitas horas de uso sem a necessidade de recarga constante dos aparelhos. Isso faz com que a durabilidade dela seja superior, garantindo sua saúde e capacidade por mais tempo.

Apesar de não parecer, essa é outra grande vantagem desses tablets, já que o desgaste da bateria ocorre em um ritmo bem mais lento que o comum.

Explicando de forma resumida, cada carga que damos em nossos aparelhos faz com que ela perca ciclos de duração. Cada ciclo é contabilizado de 0 a 100%, logo, toda vez que a bateria passa por esse processo, esse desgaste ocorre naturalmente.

Já que sua capacidade é maior, além de o chipset e sistema operacional serem otimizados para essa parte, a longevidade da bateria é superior a outros dispositivos semelhantes, tornando atrativo a opção da compra de um iPad Air, mesmo que antigo e usado.

iPad Air 4 (Imagem: Reprodução/Apple)

Preços mais convidativos

Um dos principais motivos que dificultam a compra de um iPad novo, de forma geral, é o preço. Para se ter noção, o novo iPad Air (2022) está na faixa dos R$ 6.800 na versão de 64 GB, aproximadamente. Já quando falamos da versão anterior, encontramos os novos com os mesmos 64 GB de espaço interno por R$ 4.000, valores esses bem salgados.

Porém, em uma pesquisa rápida pela internet, encontrei o mesmo iPad Air 4 usado por R$ 2.100, um preço muito mais interessante e convidativo por um produto relativamente novo. Já o iPad Air 3 usado, foi possível achá-lo por R$ 1.600. Logo, desde que sejam tomadas as devidas precauções, é relativamente fácil encontrar versões usadas dos iPads Air sendo vendidas por valores mais equilibrados.

Apple iPad Air (Imagem: fancycrave1/Pixabay)

E aí, vale a pena comprar um iPad Air usado?

Ao final de tudo, posso afirmar que sim, com toda a certeza vale a pena comprar um iPad Air usado. Apesar de não ser um produto novo (desde que esteja em boas condições de uso), é um aparelho que continuará atendendo ao usuário durante muito tempo sem problemas consideráveis na usabilidade e performance.

A compatibilidade com acessórios muito úteis — tais como as canetas touch e capas com teclado —, além de uma tela grande e de boa qualidade, os iPads Air são tablets que focam na portabilidade e versatilidade ao mesmo tempo. É feito para a pessoa que não quer abrir mão de alguns pontos que o iPad Pro tem a oferecer, por um preço mais interessante e dentro do que cabe no bolso.

Seguindo as recomendações e comprando de um vendedor seguro e recomendado, é uma excelente opção a se fazer para ter em mãos um dos tablets mais poderosos do mercado.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.