Moto G8 Plus: por que não vale mais a pena comprar?

Moto G8 Plus: por que não vale mais a pena comprar?

Por Felipe Junqueira | Editado por Léo Müller | 06 de Outubro de 2021 às 10h07
Matheus Argentoni

O Moto G8 Plus foi lançado no final de 2019 e, dois anos depois, já tem dois sucessores. Ainda assim, está na lista de celulares mais procurados atualmente, o que dá indícios de que não deixa de ser uma opção cogitada pelos consumidores.

Mas, por se tratar de um intermediário já com algum tempo no mercado, ele talvez não valha mais a pena hoje. Nos próximos parágrafos, eu vou explicar o motivo e indicar outros modelos que podem ser mais interessantes, pensando tanto no preço atual do celular Moto G8 Plus quanto em seu posicionamento de mercado quando foi lançado.

Prós

  • Desempenho satisfatório;
  • Boa duração de bateria;
  • Som estéreo;

Contras

  • Versão do Android defasada;
  • Brilho da tela baixo;
  • Câmera ultra-angular não tira fotos.

Moto G8 Plus: design e construção

Pouca coisa mudou em termos de design entre o lançamento do Moto G8 Plus e os dias atuais. O modelo foi um dos primeiros da marca a trocar o até então tradicional círculo central na traseira como módulo de câmeras por uma linha vertical no canto superior esquerdo. Seus sucessores trazem módulo retangular, em vez de uma fileira vertical única.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O leitor de impressão digital fica na tampa traseira, cujo acabamento é plástico, mesmo material da lateral. A frente é toda coberta pelo vidro que protege a tela, que inclusive ocupa boa parte da porção frontal do aparelho, com um pequeno recorte central em forma de gota na parte superior, para abrigar a câmera de selfies. O queixo na parte inferior possui tamanho considerável, como é normal em dispositivos com tela LCD, já que os conectores não podem ser "dobrados" para baixo da parte visível da tela.

  • Dimensões: 158,4 x 75,8 x 9,1 mm
  • Peso: 188 gramas

Por conta disso, as dimensões são bem razoáveis, considerando o tamanho da tela, que é de 6,3 polegadas. O celular ainda tem entrada para fone de ouvido e conector USB do tipo C para recarga e transferência de dados.

Moto G8 Plus: qualidade da tela

Motorola G8 Plus tem tela que ocupa grande parte da área frontal (Imagem: Felipe Junqueira/Canaltech)

O celular Moto G8 Plus foi um dos últimos intermediários lançados por menos de R$ 2.000 pela Motorola com resolução Full HD. O aparelho foi sucedido pelo Moto G9 Plus, que também tem boa densidade de pixels, mas já salta para uma categoria superior por conta da potência de seu processador.

O display do tipo IPS LCD tem 6,3 polegadas e uma boa quantidade de pixels, o que garante ótima nitidez às imagens. Mas, por conta do processador mais “de entrada” dentro das opções intermediárias, a fluidez acaba um pouco prejudicada, se você comparar com modelos mais recentes como o Moto G30, que tem potência semelhante e resolução HD.

O único ponto em que a tela realmente deixa a desejar é o brilho máximo, muito baixo para uso na rua, principalmente em dias ensolarados. Além disso, por ser tratar de um painel LCD, o preto fica em uma tonalidade bem escura de cinza, e não profundo como em telas OLED. Mas, no geral, dá para consumir conteúdo, inclusive vídeos, em um nível bastante satisfatório.

A tela do Moto G8 Plus tem 6,3 polegadas e ocupa pouco menos de 83% da porção frontal do dispositivo, com uma área de aproximadamente 99 cm². A proporção 19:9 é levemente mais larga que modelos mais recentes, que já adotam o 20:9 ou até mesmo o 20,5:9. Com 1080 x 2280 pixels de resolução, o display traz aproximadamente 400 ppp (pontos por pixels) de densidade.

Moto G8 Plus: configuração e desempenho

Design traseiro tem câmeras em fila vertical (Imagem: Canaltech)

Como eu já mencionei, o Moto G8 Plus tem processador similar ao Moto G30, além de repetir a quantidade de memória RAM, enquanto traz metade do armazenamento interno do modelo mais novo. E aí, por conta da resolução de tela maior, pode ser que alguns processos fiquem um pouco mais lentos, pois há mais pixels para carregar a cada atualização da tela.

Mas a plataforma Snapdragon 665 é ligeiramente mais potente que o Snapdragon 662 utilizado em modelos que sucederam o Moto G8 Plus. É um processador bom o bastante para rodar aplicativos e até alguns dos principais jogos da Play Store hoje em dia.

Ou seja, ao menos no que diz respeito ao desempenho, o Moto G8 Plus ainda é um ótimo celular para usar em 2021 e 2022. E os 64 GB de armazenamento só começaram a ser considerados o mínimo para um bom smartphone recentemente, apesar de muitos intermediários que hoje são considerados seu sucessor ou concorrentes destes já trazerem 128 GB.

O Snapdragon 665 tem um processador de oito núcleos que se dividem em quatro Kryo 260 Gold de 2 GHz e outros quatro Kryo 260 Silver de 1,8 GHz. A plataforma é construída em litografia de 11 nanômetros e possui uma GPU Adreno 610. São as mesmas características técnicas do Snapdragon 662, mas há diferenças em outros aspectos — lembre-se que o SoC, que acabou ficando conhecido como o “processador” do celular, é uma plataforma com vários componentes, incluindo ainda modems e processadores gráfico e neural, entre outros.

Bateria e sistema

Já no quesito bateria, o Moto G8 Plus fica atrás dos modelos mais recentes da linha Moto G. São 4.000 mAh de capacidade de carga, enquanto os dispositivos lançados depois já trazem 5.000 mAh, com uma garantia maior de durar até dois dias longe da tomada.

E, diferente de seu antecessor, o G8 Plus tem carregador de 15 W, uma potência considerada rápida ainda hoje em dia, mas bem menor do que os 27 W do Moto G7 Plus, e um pouco menos que os 20 W presentes em vários modelos mais recentes da linha, como o Moto G30.

Já o sistema operacional é o maior ponto fraco do modelo. A Motorola só prometeu uma atualização do Android 9, e o dispositivo realmente parou no Android 10, sem previsão para receber o 11. Não é uma defasagem muito grande, mas significa que o aparelho provavelmente vai parar de rodar o WhatsApp (entre outros apps) até dois anos antes de um Moto G mais novo.

Moto G8 Plus: conjunto fotográfico

Detalhe do conjunto triplo de câmeras, mais um sensor de foco a laser (Imagem: Canaltech)

Quando a Motorola lançou o Moto G8 Plus, os sensores fotográficos de alta resolução estavam começando a se tornar tendência. São 48 MP na câmera principal, 16 MP na super grande-angular — que, no entanto, só serve para gravar “vídeos de ação”, usando o celular em pé para captar em modo paisagem — e mais um sensor de profundidade de 5 MP. Na frente, selfies de 25 MP.

Tanto a câmera principal quanto a frontal usam uma tecnologia que a Motorola chama de Quad Pixel. Nada mais é do que uma junção de quatro pixels menores em um maior, para aumentar a sensibilidade à luz e entregar fotos mais claras e com menos ruídos. Com isso, o resultado final tem uma redução na resolução, e em vez de 48 MP ou 25 MP, as fotos ficam com 12 MP e 6 MP, respectivamente.

Na tela do celular, a nitidez é ótima, e dá para notar o ganho com a sensibilidade à luz em ambientes com luz um pouco reduzida. O aparelho ainda conta com o recurso Night Vision, para melhorar fotos noturnas.

A gravação de vídeos pode ser feita com resolução máxima 4K, mas apenas a câmera principal chega a esta resolução. A frontal e a ultra wide gravam em 1080p. Não houve muita mudança neste aspecto nos últimos dois anos, ao menos nos celulares intermediários.

Moto G8 Plus: vale a pena?

Conteúdo da caixa de um Moto G8 Plus novo (Imagem: Canaltech)

Em resumo, o Moto G8 Plus ainda é um bom celular mesmo dois anos depois de seu lançamento. Então, por que ele não vale mais a pena?

A questão aqui é o preço atual. Você encontra este aparelho na casa dos R$ 1.500, valor pelo qual já é possível encontrar o seu sucessor, o Moto G9 Plus, que já tem processador muito mais potente, mais espaço de armazenamento e conjunto de câmeras melhor, além de mais bateria. Outra opção seria o Galaxy M21s, da Samsung, ou mesmo o M31, que só tem uma câmera a mais e mais armazenamento que o “irmão”, e estão ambos na mesma faixa.

Antes de investir no Moto G8 Plus em vez de pensar em um intermediário mais atual, é bom lembrar que houve alguns avanços desde então que são importantes para garantir maior durabilidade ao celular. Como a capacidade de bateria e o armazenamento interno. Além disso, o modelo de 2019 da Motorola já está defasado na versão do sistema operacional e não será mais atualizado.

Pensando em modelos da mesma categoria do Moto G8 Plus quando de seu lançamento, você pode consultar o Moto G30 ou o Galaxy M32, que ainda por cima tem mais memória RAM, também.

Sendo assim, é mais interessante investir em um modelo mais novo, mesmo que não traga muito mais benefícios além de bateria e versão do Android. De qualquer forma, com a mesma quantia que você pagaria no Moto G8 Plus, dá para comprar um modelo mais potente.

Não custa nada dizer que, no caso de você já ter o Moto G8 Plus em mãos, não há razão para se preocupar: ele ainda é um aparelho excelente e não há motivo para pensar em trocar, especialmente se ele atende às suas necessidades. A ideia desta análise é pensar se vale a pena adquirir o modelo agora, zerado, no preço atual.

Confira o melhor preço para uma boa alternativa ao Moto G8 Plus:

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.