Review tablet Ultra U10 | Preço alto e configuração abaixo do esperado

Por Amanda Abreu | Editado por Léo Müller | 24 de Janeiro de 2022 às 10h30
Ivo Meneghel Jr/ Canaltech

O Ultra U10 é o mais novo lançamento da Ultra no Brasil. Subsidiada pela Multilaser, a fabricante entra para o mercado de tablets, conhecido pela carência de boas opções disponíveis. Apesar disso, a versão que recebemos para testes tem configuração abaixo do esperado para os dias de hoje.

Com chipset defasado e de baixa performance, pouca memória RAM, tela muito reflexiva e preço bem elevado — R$ 1.500, aproximadamente —, ele fica para trás se considerarmos as outras opções que podemos adquirir aqui e deixa a dúvida do seu propósito frente a outros modelos.

Pude testá-lo por quase dois dias e venho trazer a minha opinião de uso sobre ele. Confira na nossa análise.

Tablet Ultra U10 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Prós

  • Leve
  • Bateria com boa autonomia
  • Acompanha case

Contras

  • Tela de baixa qualidade
  • Chipset defasado
  • Pouca memória RAM

Design e Construção

O tablet Ultra U10 tem design simples. Apesar da pintura que imita alumínio, o acabamento traseiro e lateral desse modelo é totalmente feito em plástico liso na cor cinza claro e escuro.

Ainda assim, posso afirmar que o material escolhido aparenta ter boa qualidade e durabilidade. Seu preço está em torno de R$ 1.500.

Compacto e leve, ele pesa pouco mais de 800 gramas e sua tela tem tamanho de 10,1 polegadas. Ficando no meio termo entre o pequeno e o grande, ele ainda é uma boa opção para carregar e levar com facilidade na mochila ou bolsa. Suas bordas seguem o padrão da maioria dos tablets vendidos no Brasil, o que considero um ponto positivo.

  • Peso: 810 gramas;
  • Largura: 17,2 cm;
  • Altura: 24,4 cm;
  • Comprimento: 0,96 cm.
USB-C fica posicionado na lateral do Ultra U10, no canto superior do aparelho (Imagem: Ivo/Canaltech)

Algo que eu também gostei bastante é o posicionamento das câmeras e botões, pensados pela fabricante para serem utilizados na orientação horizontal. Ao todo, temos os seguintes conectores e botões:

  • Entrada para chip de operadora (4G LTE);
  • Entrada para cartão de memória;
  • Entrada USB-C para recarga da bateria e transferência de arquivos;
  • Botão para bloqueio/desbloqueio;
  • Botão de aumento/diminuição de volume;
  • Duas saídas de áudio;
  • Entrada P2 para fones de ouvido.

Por fim, o U10 é acompanhado de uma case articulada disponibilizada dentro da caixa do produto. Ela ajuda a manter o corpo do tablet longe da poeira, respingos e riscos, além de ajudar na usabilidade durante todo o dia.

Tela

O U10 tem painel de 10,1 polegadas e resolução HD (1280 x 720). Ela tem qualidade mediana e brilho pouco suficiente para uso em ambientes externos, em que a luz natural interfere bastante na visualização. Os conteúdos também ficam ligeiramente borrados, trazendo o aspecto de imagem esticada aos ícones dos aplicativos.

Ela também é muito reflexiva, algo que incomoda bastante após algum tempo de uso. Assistir vídeos através do U10 cansa os olhos e tira a atenção sobre o que estamos vendo, principalmente por nos enxergarmos na tela durante todo o tempo.

As bordas seguem o padrão de outros concorrentes já consolidados no mercado brasileiro, como a Samsung e a Apple. Já tive a oportunidade de testar alguns modelos com baixo aproveitamento do painel e sabemos o quanto isso pode atrapalhar durante as atividades e tarefas realizadas.

A qualidade do painel acaba deixando as imagens com qualidade inferior em relação aos seus principais concorrentes (Imagem: Ivo/Canaltech)

Configuração e Desempenho

Os componentes utilizados na construção do tablet U10 são abaixo do esperado para qualquer tablet intermediário. Começando pela plataforma utilizada, o Unisoc SC9863A.

Apesar de possuir oito núcleos, o desempenho entregue por ele não é suficiente para a maioria das atividades, mesmo que não tão pesadas.

Foi possível realizar a navegação básica sem grandes problemas. Tudo é fluído, sem travamentos ou reinicialização do sistema. Contudo, o maior problema que percebi foram com os apps instalados, em especial os games.

Cheguei a rodar alguns jogos leves e pesados para testar sua performance e acabei me decepcionando com os resultados que obtive. Gráficos mal renderizados, borrados e imagens tremidas foram os principais problemas que enxerguei. Apesar de conseguir executar os títulos, eles não estavam em sua melhor qualidade.

A tela também se tornava um problema durante o processo, já que as imagens reproduzidas através dela não eram suficientemente boas. Essas seriam questões compreensíveis caso o U10 fosse um tablet lançado há alguns anos, mas estamos falando de um modelo fabricado em 2021 e que deveria ter sido melhor pensado nessa parte.

A traseira do Ultra U10 é feita de plástico pintado, o que pode ser visto como um ponto negativo para os usuários (Imagem: Ivo/Canaltech)

Apesar da existência do app Google Kids Space, feito especialmente para as crianças, os 3 GB de memória RAM que o dispositivo oferece acabam sendo insuficientes para a execução de múltiplas tarefas. Principalmente se considerarmos que o Android 11 usado nesse modelo já utiliza quase a metade.

Os 64 GB de espaço de armazenamento são bons para usuários de entrada e intermediários, que utilizam o dispositivo como uma segunda opção, alternando entre ele e o principal. Não existem outras versões com espaço maior para aplicativos ou documentos importantes, então vale pensar na hora de adquirir o produto.

Para concluir os testes de desempenho, também utilizei o aplicativo “3D Mark” para a realização dos benchmarks no chipset, mas a incompatibilidade entre a plataforma e o app impossibilitou a coleta dos resultados. Concluindo, posso afirmar que a performance do U10 fica abaixo do esperado e necessário para boa parte das atividades.

Os botões de aumento/diminuição de volume, bloqueio/desbloqueio e conector do tipo P2 no Ultra U10 (Imagem: Ivo/Canaltech)

"A configuração do Ultra U10 é defasada para os apps atuais, já que eles exigem cada vez mais desempenho do chipset."

— Amanda Abreu

Câmera Traseira

Essa é uma das características do tablet que, na minha opinião, acaba perdendo seu propósito devido a má qualidade. A captura realizada é ruim, cheia de ruídos, cores apagadas e fora da tonalidade correta, além de a resolução bem ruim.

Mesmo em ambientes com luz natural, não foi possível fazer registros minimamente bons e que pudessem servir como lembrança, por exemplo. Tudo fica borrado e sem grandes destaques. Uma pena, já que a fabricante poderia ter dedicado mais atenção nessa parte.

Câmera Frontal

O sensor frontal tem 5 MP e segue as mesmas características que sua irmã. Imagens borradas, baixa definição e resolução, além de muitos ruídos visíveis. Mesmo em um ambiente com bastante luz, o U10 não conseguiu extrair seu melhor potencial. As videochamadas também sofrem com esse problema, infelizmente.

A sensação que tive ao testar essa função é de que estava lidando com sensores defasados, utilizados em aparelhos antigos.

Sistema de Som

O sistema de som do Ultra U10 é composto por duas saídas de áudio, ambas localizadas na parte inferior do tablet. Novamente, podemos enxergar um problema parecido com os outros que identifiquei nesse modelo, começando pela qualidade de som abaixo do esperado.

Apesar de o nível do volume ser alto, ele deixa a desejar quando usado em 100%. Eu sempre ouço a mesma seleção de músicas em todos os testes que faço na parte de áudio e uma das falhas mais aparentes do tablet é a inexistência de sons graves. Era impossível ouvir as batidas ou sons mais encorpados, mesmo encostando o aparelho próximo ao ouvido.

As vozes são razoáveis e conseguem ser reproduzidas sem grandes problemas, bem como os sons de alta frequência. Entendo que dispositivos desse tipo não tem como objetivo serem os melhores na parte de áudio, mas acredito que uma atenção maior não faria mal algum.

Bateria e Carregamento

A bateria é um dos poucos pontos positivos que encontramos no U10. Conforme eu disse em outras análises, o mercado de tablets brasileiro carece de boas opções, além de ser pouco explorado pelas marcas no geral.

Não é muito comum encontrar modelos que tenham bateria com boa autonomia, por exemplo, já que as poucas fabricantes que se preocupam com essa questão, praticamente monopolizam os modelos à venda.

Porém, uma das poucas características que impressiona no Ultra é a duração da bateria, mesmo na utilização intensa. Aqui no Canaltech, nós sempre realizamos os testes através do aplicativo Netflix.

A autonomia de bateria é um dos pontos altos do tablet Ultra U10 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Nele, colocamos alguma série ou filme para reproduzir por três horas ininterruptas e, ao final do período, registramos o percentual usado pelo dispositivo. Foram consumidos 28% do total, entregando quase 11 horas de uso, um excelente percentual.

O padrão de carregamento é do tipo USB-C, utilizado na grande maioria dos dispositivos, o que considero um ponto muito positivo desse modelo. No geral, os 6.000 mAh são suficientes para um dia inteiro de uso moderado a intenso, sem nenhum problema.

"A autonomia de bateria do Ultra U10 é excelente e garante muitas horas de uso ininterruptas."

— Amanda Abreu

Concorrentes Diretos

Entre todas as opções disponíveis no Brasil, um dos modelos mais semelhantes em configuração é o Samsung Galaxy Tab A7 10,4 (2020). Começando pelo tamanho da tela, o U10 tem 10,1’’ enquanto o Tab A7 tem 10,4’’. A principal diferença entre elas é a qualidade do painel utilizado, já que as imagens do modelo da Samsung são mais nítidas e possuem cores mais fiéis.

Enquanto o Ultra conta com a versão de 64 GB de armazenamento com 3 GB de memória RAM, o tablet da gigante sul-coreana tem versões com 32 / 64 GB de espaço interno e 3 GB de memória RAM.

O conjunto de lentes também é melhor no A7 10,4, mas, ainda assim, servem somente para fotos triviais. A frontal tem 5 MP e a traseira 8 MP. Apesar de simples, fazem registros modestos e suficientes para o uso do dia a dia.

A plataforma usada no Tab A7 é o Snapdragon 662, mais potente e eficiente que o Unisoc SC9863A presente no U10. Por fim, a bateria de 7.040 mAh disponibilizada no modelo da Samsung garante exatamente a mesma quantidade de horas de uso que seu concorrente, em torno de 10 horas.

O preço aproximado do Samsung Galaxy Tab 10,4 (2020) é de R$ 1.350 no mercado brasileiro.

Conclusão

Posso afirmar que o Ultra U10, apesar de possuir navegação fluída, é um tablet difícil de recomendar. Por mais que não trave durante essa parte, os problemas logo começam a aparecer quando falamos de aplicativos e jogos mais pesados.

Durante os testes, percebi que os gráficos eram mal renderizados, ficando com traços muito grossos e acabamento muito abaixo do esperado. Era possível notar as imagens borradas e com baixa qualidade, já que o chipset presente não dá conta de atividades mais complexas.

Tablet Ultra U10 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Usuários com perfil de uso básico podem se dar bem com esse modelo, mas o preço acaba sendo um dos principais motivos para que eu não recomende a compra, já que por R$ 1.500 encontramos outros dispositivos mais robustos como o próprio Tab A7 citado mais acima.

Por fim, posso afirmar que as configurações e desempenho do U10 estão abaixo da expectativa e usabilidade, ficando atrás de modelos com desempenho e preço melhores.