Celular vira garantia para pedir empréstimo; veja como funciona

Celular vira garantia para pedir empréstimo; veja como funciona

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 16 de Setembro de 2021 às 16h30
Reprodução/Yura Fresh/Unsplash

Algumas pessoas acabam se vendo na necessidade de recorrer a empréstimos em um período de crise financeira, mas nem sempre a pessoa têm bens suficientes para justificar o pedido. Nos últimos tempos, as empresas do setor passaram a sugerir o celular pessoal do cliente como garantia para ofertar empréstimo.

Segundo levantamento de julho da FinanZero, uma das companhias do ramo, o interesse de busca no Google por empréstimo com smartphones como garantia cresceu 400% de janeiro a julho deste ano, em relação ao mesmo período em 2020. A procura é justificável, pois quase todo brasileiro tem um smartphone hoje em dia: são 234 milhões deles, para ser mais exato, de acordo com a Fundação Getúlio Vargas. Portanto, quando a situação aperta, ele pode ser um item para ajudar a obter a grana extra.

Quem oferece o empréstimo?

A SuperSim fornece este serviço sob certas condições, como ser maior de 18 anos, ter conta corrente própria e ter um aparelho com acesso a internet. Ela empresta de forma independente, mas também com parceiras como o Serasa eCred ou a própria FinanZero. Nesta última, os requisitos aumentam um pouco: é necessário ter mais de 23 anos e comprovar renda mínima de um salário mínimo (R$ 1.045), além da conta no banco.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Quanto paga o empréstimo por celular?

Os valores obtidos no empréstimo também podem mudar. No Serasa eCred, vão de R$ 500 a R$ 2.500, com pagamento em até 12 vezes. A SuperSim paga de R$ 250 a R$ 2.500. Já a FinanZero e outra empresa, a Bom Pra Crédito, liberam valores bem mais altos, de R$ 10 mil ou mais, a depender da renda do cliente. De qualquer forma, o cliente sugere quanto quer e haverá uma análise da empresa para fechar a cotação.

Pode usar qualquer celular como garantia de empréstimo?

Não. Normalmente são celulares Android. Algumas empresas especificam mais ainda: apenas modelos da Samsung.

O que acontece com o celular?

A empresa que aprova o empréstimo pede para o cliente instalar um aplicativo próprio. Em caso de inadimplência, o celular ficará bloqueado, com acesso apenas a ligações de emergência. Após o pagamento da dívida da parcela, o celular é desbloqueado automaticamente.

Imagem: Julia M. Cameron/Pexels

Pessoas negativadas conseguem crédito?

Depende da empresa. Na Bom Pra Crédito, não é possível um cliente com dívida na praça obter o dinheiro. Já na Serasa ou FinanZero, sim. Mas vale lembrar: é importante você analisar sua situação financeira do momento para não se comprometer com uma dívida que não conseguirá pagar depois.

Quais são as taxas de juros do empréstimo com celular?

Também podem variar de acordo com os valores solicitados e a instituição financeira envolvida. Um exemplo: no Serasa, um empréstimo de R$5.000 tem taxa de juros de 3,23% ao mês em 18 parcelas mensais de R$ 380,55. O total a pagar ficará em R$ 6.849,90. Em casos extremos, podem superar os 600% ao ano.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.