Apple Music é o preferido entre os mais jovens, segundo pesquisa

Por Redação | 11 de Setembro de 2017 às 10h40

Não é nenhuma novidade que a Apple é uma marca influente entre os jovens. E por conta disso, ela tem conseguido emplacar mais um serviço importante entre os usuários mais jovens, batendo a concorrência neste perfil demográfico. De acordo com uma pesquisa realizada pela consultoria Fluent, o Apple Music é o serviço de streaming de músicas mais popular entre os jovens da Geração Z e entre os Millennials.

Segundo a pesquisa, entre os usuários que possuem 35 anos ou mais, que estão fora dos dois primeiros grupos, apenas 5% deles pagariam pelo Apple Music, enquanto o Spotify possui a mesma parcela. Mas os números começam a fica mais positivos para o serviço de streaming da Apple entre os usuários mais novos.

Entre os Millennials, geração que engloba jovens adultos de 25 a 34 anos, o Apple Music conta com 14% da preferência, enquanto que o Spotify possui apenas 9%. Já entre os jovens da Geração Z, referente aos usuários de 18 a 24 anos, a preferência pelo serviço da Apple sobe para 19%, contra 14% do Spotify. Ainda que a diferença para o Spotify não seja muito grande, vale lembrar que a comparação foi feita levando em conta outros serviços, como o Pandora, o YouTube Red e o Google Play Music.

Os números apresentados pela Fluent revelam uma tendência grande de crescimento do Apple Music frente aos concorrentes, em um mercado americano onde a cada 10 usuários, 7 ouvem serviços de streaming através de planos gratuitos. Enquanto o Spotify atualmente é o líder no segmento com 60 milhões de assinantes, contra 27 milhões de assinantes do Apple Music, o serviço da Maçã parece ter público para assumir a liderança do setor em breve.

Os dados positivos referentes ao Apple Music podem ajudar a Apple a deixar de ser tão dependente do setor de hardware, que vem mostrando sinais de enfraquecimento nos últimos anos. Além disso, o serviço parece estar bem posicionado entre os jovens, que atravessam uma mudança de comportamento online constante e são cada vez menos fiéis às marcas. O Snapchat e o Instagram, por exemplo, se beneficiaram desta mudança, visto que eles têm sido os preferidos entre os adolescentes, enquanto que os mais velhos ainda preferem o Facebook.

Fonte: Fluent