Nokia confirma que está negociando a compra de ativos da Alcatel-Lucent

Por Redação | 14 de Abril de 2015 às 16h00

A Nokia confirmou nesta terça-feira (14) que está em negociações avançadas para comprar parte da empresa francesa de telecomunicações Alcatel-Lucent. Citando a recente "especulação da mídia", a empresa finlandesa disse que as discussões estão relacionadas a uma potencial fusão, que assumiria "a forma de uma oferta pública de troca da Nokia pela Alcatel-Lucent".

A negociação ainda pode sofrer interferências do governo francês, uma vez que ele deve tentar proteger empregos no setor de tecnologia.

O rumor sobre a negociação ganhou força na última segunda-feira (13), quando a Bloomberg divulgou um relatório sobre o caso. A especulação foi o suficiente para elevar as ações da Alcatel-Lucent em quase 11% no final do dia. Os papéis da francesa abriram o pregão da Nasdaq com elevação de 1,7%, que dispararam logo após a notícia e atingiram pico de 10,8% no meio da tarde. As ações da empresa fecharam o pregão valendo US$ 4,35. Por outro lado, as ações da Nokia recuaram 6,24% na Bolsa de Helsinque.

Com a venda da sua divisão de celulares para a Microsoft, a Nokia tem ainda três negócios restantes: sua divisão de equipamentos de rede, seu serviço de mapas Here e um negócio de tecnologia avançada – divisão que possui participações substanciais nas patentes da Nokia.

A Alcatel-Lucent oferece conexão de banda larga para redes fixas, móveis e convergentes, além de fornecer soluções para a entrega de serviços de comunicação de voz, dados e vídeo para usuários finais, empresas e operadoras de serviços. Mas o interesse da Nokia está voltado para o negócio wireless da francesa, que vendeu US$ 5 bilhões em 2014. Isso poderia acirrar a competição da empresa com a Ericsson, com quem compete diretamente no mercado de redes, mas essa informação ainda não foi confirmada pelas empresas.

A Nokia é especialista em banda larga móvel, e sua fusão com a Alcatel-Lucent, uma empresa com força no mercado de redes fixas, faz muito sentido. Com o passar do tempo, as redes móveis e fixas têm se tornado cada vez mais integradas, e não ser uma especialista na área pode trazer desvantagens para a Nokia.

Apesar da forte presença dos smartphones e tablets colocar os holofotes sobre as redes móveis, as redes de banda larga fixas ainda são necessárias para fornecer conteúdos de vídeo em alta resolução e suportar o tráfego backhaul, responsável por fazer a ligação entre o núcleo da operadora e redes Wi-Fi. De qualquer forma, a união das duas empresas pode trazer benefícios interessantes para os consumidores finais.

Fonte: Re/code / TIInside
Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.