Paulo Bernardo: cobraremos mais impostos de Google, Apple, Netflix e Facebook

Por Redação | 22 de Agosto de 2013 às 14h50
Tudo sobre

Apple

Empresas de internet estrangeiras que atuam no Brasil (como Google, Facebook, Apple e Netflix) terão que pagar mais impostos em breve. O governo já solicitou que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e a Agência Nacional do Cinema (Ancine) desenvolvam um novo modelo de tributação para essas companhias.

A medida foi adotada pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, para tornar a tributação dessas empresas mais justa. O ministro alega que elas vendem serviços e publicidade no Brasil, mas fazem parte da cobrança no exterior, deixando de recolher tributos no país.

Bernardo exemplifica a situação dizendo que cerca de 25% do preço de um pacote de TV por assinatura corresponde a impostos. "Suponha dois supermercados na esquina, um paga imposto e o outro não. Esse que paga vai quebrar. O desequilíbrio é brutal. As atividades são semelhantes e têm de ser tratadas igualmente", explicou o ministro à Folha de S.Paulo.

Assista Agora: Nunca mais contrate funcionários para sua empresa! Comece o ano em uma realidade completamente diferente!

Ainda não é possível saber como será o recolhimento e quais impostos incidirão sobre as empresas internacionais. Assim que a Ancine e a Anatel criarem o novo modelo de tributação, ele será remetido à Receita Federal, a encarregada da cobrança.

O Google discordou das afirmações do ministro e se manifestou por meio de um comunicado à imprensa, dizendo que recolhe "todos os impostos que são devidos no Brasil, assim como em todos os outros países" nos quais opera. O gigante da web diz ainda que pagou mais de R$ 540 milhões em tributos às "diversas esferas do governo brasileiro" no ano passado.

Além da questão tributária, as empresas podem ter que alterar também seu conteúdo, pois Bernardo cogitou também a possibilidade de fazer uma mesma exigência que já é aplicada para as empresas de TV por assinatura: exibição obrigatória de conteúdo nacional. Ele alega que Google, Apple e Netflix oferecem serviços parecidos com os da TV por assinatura, portanto seria justo equiparar as exigências.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.