Hugo Barra explica como a Xiaomi consegue vender produtos tão baratos

Por Redação | 19 de Janeiro de 2015 às 14h26
Tudo sobre

Xiaomi

A ótima combinação entre aparelhos de qualidade e preços atraentes levou a Xiaomi a conquistar o topo de vendas em diversos países. A empresa chinesa tem conseguido produzir smartphones de boa aparência e desempenho com um custo consideravelmente inferior aos seus concorrentes. Isso levou a companhia a vender 60 milhões de vendas no ano passado. Seu progresso foi visível no mercado chinês, onde desbancou a gigante Samsung e se tornou a terceira maior fabricante de celulares inteligentes do mundo.

Os elogiados aparelhos da Xiaomi normalmente são vendidos por cerca de US$ 300. O novo Mi Note Pro custa US$ 500, enquanto os dispositivos da família Redmi são vendidos por aproximadamente US$ 150. Para efeito de comparação, os iPhones da Apple são encontrados por mais de US$ 1 mil fora dos contratos com operadoras. Já os gadgets da Samsung, como o Galaxy Note, apresentam preços similares aos modelos da Maçã. Então, como a Xiaomi consegue manter preços tão abaixo da concorrência?

Há algumas teorias que são frequentemente levantadas. Uma delas inclui o fato da Xiaomi vender aparelhos a um custo inferior para poder ganhar dinheiro com outros serviços. Hugo Barra, vice-presidente de operações globais da empresa, concedeu uma entrevista ao TechCrunch, em Pequim, onde explicou quais algumas das táticas da Xiaomi para conseguir preços tão competitivos.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Barra disse que a Xiaomi é capaz de fazer concessões de preços, graças à combinação de um pequeno portfólio e um maior tempo médio de venda por aparelho. É importante saber que a Xiaomi continua a vender dispositivos mais antigos e versões otimizadas dos mesmos produtos a preços reduzidos, mesmo depois que a empresa libera modelos mais novos.

"Um produto que fica em venda por 18 a 24 meses passa por três ou quatro cortes de preços. O Mi2 e Mi2s são essencialmente o mesmo dispositivo, por exemplo", explicou Barra. "O Mi2 / Mi2s estavam à venda por 26 meses. O Redmi 1 foi lançado pela primeira vez em setembro de 2013, enquanto sua atualização, o Redmi 2, foi anunciado este mês, ou 16 meses mais tarde".

Barra também falou sobre os acordos com fornecedores de componentes. "A razão para fazermos estas reduções de preços é porque conseguimos negociar reduções de custos dos componentes ao longo do tempo, o que acaba nos deixando com uma margem maior do que nós gostaríamos de ter. Por isso, fazemos um corte nos preços. A grande maioria dos componentes [em nossos dispositivos] ainda são os mesmos. Neste caso, em termos de cadeia de suprimentos e componentes sourcing, estamos nos mesmos contratos de fornecimento do Redmi 1, o que significa que ainda estamos recebendo os mesmos descontos nos componentes", explicou.

O executivo ainda disse que a dinâmica é simples, mas o compromisso com os dispositivos de dois ou três anos não é apenas de fazer cortes. A Xiaomi mantém atualizações de software, peças de reposição e outros serviços que os clientes exigem. "Quanto mais focado no portfólio, mais eficiente podemos estar ao gerenciar estes custos", afirmou.

Há outros fatores que contribuem para a estrutura de custos. A Xiaomi mantém o foco no e-commerce, o que diminuiu os custos em vendas. Além disso, algumas lojas são próximas das fábricas na China, o que melhora a gestão de abastecimento e diminuiu os gastos com logística. A gestão de componentes e parcerias na cadeia de abastecimento são elementos cruciais.

A fabricante chinesa tem grandes planos para expansão para países fora da Ásia ainda este ano, o que tornará o seu modelo de preços e de cadeia de suprimentos mais importante do que nunca. Na maioria dos mercados em que atua, a Xiaomi vende o seus aparelhos utilizando apenas o meio online. Recentemente a fabricante começou a testar parcerias com operadoras fora da China para disponibilizar os aparelhos em lojas. Ela está fazendo experiências limitadas na Índia, Taiwan, Malásia e Singapura.

Barra ressaltou que mesmo com as dificuldades em operar nos mercados em que a maioria dos consumidores utilizam aparelhos pré-pagos, a Xiaomi esta procurando maneiras para expandir sua presença no varejo. A empresa já conseguiu vender mais de um milhão de dispositivos em seus cinco primeiros meses na Índia. Se a companhia conseguir melhorar a demanda por seus smartphones na Índia e em outros mercados emergentes, ela poderia aumentar consideravelmente os seus números em 2015.

No ano passado, a Xiaomi projetou que irá vender 100 milhões de aparelhos em 2015. A fabricante tem planos para começar suas atividades no Brasil. Se manter qualidade aliada a um preço competitivo, certamente fará sucesso no mercado brasileiro.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.