Setembro de 2020 atingiu recordes de temperaturas altas em todo o planeta

Setembro de 2020 atingiu recordes de temperaturas altas em todo o planeta

Por Natalie Rosa | 16 de Outubro de 2020 às 18h40

O mês de setembro trouxe temperaturas altas para todo o Brasil, mas o aquecimento não foi registrado somente por aqui. Neste ano de 2020, o planeta vem enfrentando recordes extremos de incêndios florestais, que trazem como consequência temperaturas elevadas, e o mês ficou registrado também como o setembro mais quente dos últimos 30 anos, desde que os recordes começaram a ser registrados.

Em comparação com o mesmo período do ano passado, setembro deste ano esteve 0,05 °C mais quente que 2019, que também já sustentava um recorde. Embora muitos países tenham sentido um aumento nas temperaturas, o aquecimento foi bastante alarmante em regiões da América do Sul, Austrália, na costa do norte da Sibéria e no Oriente Médio.

Imagem: Reprodução/Gerd Altmann/Pixabay

Mas aumento das temperaturas não aconteceu somente em setembro. Em junho, por exemplo, uma cidade da Sibéria atingiu a temperatura recorde de 38 °C, sendo a maior já registrada acima do Círculo Ártico. O inverno e a primavera na região foram mais quentes que o normal, apresentando temperaturas de cerca de 10 °C acima do comum no mês de maio. Em agosto, o Vale da Morte, deserto da Califórnia, chegou a atingir 54,4 °C, sendo a maior temperatura já registrada em mais de um ano, além de também ter sido a mais alta do mundo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Também neste ano, as queimadas da Califórnia quebraram recordes de destruição, com mais de 1,6 milhão de hectares afetados. Desde 1950, os incêndios no estado norte-americano só vêm aumentando, ano após ano. Setembro registrou ainda o recorde de menor quantidade de gelo marinho no mundo, com a sua extensão reduzindo consideravelmente nas últimas décadas.

As informações são do Climate Change Service, que faz parte do programa Copernicus, da União Europeia, coletadas a partir de um conjunto de dados chamado ERA5.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.