Publicidade

Por que o Rio Grande do Sul tem tantos eventos climáticos adversos?

Por| Editado por Luciana Zaramela | 14 de Maio de 2024 às 14h16

Link copiado!

Flickr/Governo do Rio Grande do Sul/Gustavo Mansur
Flickr/Governo do Rio Grande do Sul/Gustavo Mansur

Enchente. Tornado. Tremores de terra. O Rio Grande do Sul se depara com uma série de eventos climáticos extremos acontecendo de forma simultânea. Mas o que torna o estado tão suscetível a esses fenômenos? A resposta a essa pergunta é uma soma de fatores, que vão desde a geografia local às mudanças climáticas que afetam todo o planeta.

No domingo (12), um tornado se formou no município gaúcho de Gentil, no norte do estado, formado a partir de nuvens de tempestade associadas à umidade em diversos níveis da atmosfera

A passagem do tornado foi registrada em vídeo por moradores, e intensificou a preocupação que já se tinha sobre a situação do RS. A Defesa Civil publicou, na ocasião, que não houve registro de feridos.

Continua após a publicidade

Em paralelo, na segunda-feira (13), tremores de terra atingiram alguns bairros do município de Caxias do Sul. Enquanto alguns moradores relataram ter ouvido um grande barulho, outros sentiram a casa balançar.

O que acontece é que entre os meses de maio e junho, grande parte do país tem uma condição de tempo seco. No Sul, é diferente: a região é uma das únicas que recebe chuva. A região central do Brasil passa por um sistema de alta pressão intenso. No Sul, as frentes frias são barradas por essa área de alta pressão ao tentarem avançar para o Sudeste.

“Estamos no final do fenômeno El Niño, mas dessa vez a conjunção de três fatores foram determinantes: a passagem de uma frente fria é normal nesta época do ano na região. No entanto, desta vez ficou estacionária, devido a um bloqueio atmosférico no Brasil Central promovido por um sistema de alta pressão", explica o professor de geografia Alexandre Groth, da Plataforma Professor Ferretto.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

"No estado do Rio Grande tivemos um 'cavado' — sistema de baixa pressão para onde convergem os ventos — vindo umidade da Amazônia, pelo oeste, e do Oceano Atlântico, pelo leste”, completa.

Eventos climáticos extremos

Em relatório, o governo do Rio Grande do Sul mostra que o estado enfrentou dez eventos climáticos extremos em menos de um ano:

  • 15 de junho de 2023: Caraá e Maquiné
  • 13 de julho de 2023: Sede Nova
  • 2 a 6 de setembro de 2023: Vale do Taquari
  • 23 de setembro de 2023: Bagé
  • 26 a 29 de setembro de 2023: Rio Grande e Pelotas
  • 04 de outubro de 2023: São Borja, Itaqui, Uruguaiana
  • 03 de novembro de 2023: Barra do Rio Azul
  • 17 de novembro de 2023: Vale do Taquari, do Caí e Serra
  • 17 a 18 de janeiro de 2024: Vales
  • 26 de abril a 5 de maio de 2024: Centro, Vales, Serra
Continua após a publicidade

De acordo com Groth, esses eventos climáticos extremos devem acontecer com cada vez com mais frequência e intensidade.

Mudanças climáticas

Segundo o especialista, parte dessa estimativa se dá por conta das mudanças climáticas, que ele define como fenômenos complexos desencadeados pela interação de vários fatores, incluindo atividades humanas e processos naturais.

"Esse aumento da temperatura média do planeta está causando alterações nos padrões de precipitação e na ocorrência de eventos climáticos extremos, como secas prolongadas e ondas de calor intensas. É fundamental compreender e abordar esses padrões climáticos em evolução para mitigar seus impactos e promover a resiliência das comunidades afetadas", pondera.

Continua após a publicidade

Posicionamento geográfico

Mas vale notar que o posicionamento geográfico de Porto Alegre também é um dos fatores responsáveis por tornar a região mais suscetível a eventos climáticos. Isso porque a topografia da capital do RS envolve a mistura de planícies, planaltos e áreas montanhosas, e as planícies facilitam o acúmulo de água durante os períodos de chuva intensa.

O ponto de maior represamento das águas coincide com a maior densificação urbana, e ajuda a explicar as grandes enchentes que fazem parte da história do Lago Guaíba e de Porto Alegre.

Assim, uma junção de aspectos acaba tornando o Rio Grande do Sul suscetível a eventos climáticos extremos, como foi o caso do tornado, do tremor de terra e da enchente.

Continua após a publicidade

Fonte: Agência Brasil (1, 2)