Publicidade

O mistério por trás da não-erupção do vulcão na Islândia

Por| Editado por Luciana Zaramela | 29 de Novembro de 2023 às 12h40

Link copiado!

Kate Haynes/Unsplash
Kate Haynes/Unsplash

As autoridades da Islândia estão em estado de alerta há mais de um mês por causa de uma possível e quase certa erupção vulcânica. A questão é que, até o momento, não se tem certeza de onde exatamente a lava será expelida, do impacto de destruição e nem do porquê de tanta demora, o que aumenta a aflição da população local.

Todo o mistério por trás da não-erupção, até o momento, do vulcão da Islândia começou no dia 25 de outubro, quando milhares de terremotos foram registrados na cidade de Grindavík, no sudoeste do país. São cerca de 80 km de distância da capital Reykjavik.

Com a escalada do movimento sísmico e a abertura de fendas na crosta terrestre, no dia 10 de novembro, os moradores que estavam em áreas de risco em Grindavík foram evacuados — a cidade abrigava cerca de 3 mil pessoas. Além disso, há risco de que a erupção atinja uma importante usina geotérmica local, a Svartsengi.

Continua após a publicidade

Risco de erupção na Islândia

Na última atualização divulgada na segunda-feira (27) pelo Gabinete de Meteorologia da Islândia (IMO), as autoridades consideravam que a erupção é "considerada provável", enquanto o fluxo de magma continuar.

A questão é que "os dados sísmicos e de deformação sugerem que o magma continua a se acumular abaixo da [usina] Svartsengi”, afirma o IMO. Neste cenário, a avaliação é que a erupção ocorra em algum lugar entre Hagafell e Sýlingarfell, dois pontos próximos da cidade islandesa.

Continua após a publicidade

Em paralelo, o número de terremotos está diminuindo. "A atividade sísmica tem estado relativamente estável nos últimos dias, com uma taxa diária de cerca de 500 terremotos”, pontua o gabinete.

Esta poderia ser uma boa notícia para os moradores locais, mas não é. Antes de uma erupção, é possível que ocorra uma redução nas atividades sísmicas, como ocorreu nas erupções anteriores do Fagradalsfjall — é o principal vulcão da região, mas não deve ser ele a entrar em erupção desta vez.

Onde começará a erupção?

Se olharmos para as últimas erupções do país, como as de 2021 e de 2022, todas ocorreram a partir do Fagradalsfjall. Inclusive, chegou-se a cogitar que este vulcão fosse o foco da possível erupção, mas parece não ser mais o caso. Segundo os especialistas, o que deve ocorrer é uma erupção fissural, também conhecida como fissura vulcânica.

Continua após a publicidade

Basicamente, a lava será expelida a partir de fissuras no solo, criadas pela pressão do magma no seu caminho para a superfície, enquanto causa rupturas na crosta. Então, a lava é vazada pelas fissuras, o que implica em baixa atividade explosiva na maioria das vezes. Por isso, só é possível estimar a área da possível erupção, mas não o local exato, já que não se trata de um vulcão tradicional.

Acompanhando o vulcão

Para monitorar a situação, os vulcanologistas usam diferentes instrumentos que medem as mudanças no solo conforme o magma se desloca. Inclusive, adaptaram um cabo de comunicação de fibra óptica para detectar terremotos em tempo real. Eles também instalaram sensores de gás para detectar dióxido de enxofre e outros gases que emergem do magma. Dessa forma, esperam evitar mais danos provocados pelo vulcão.

Fonte: Nature e IMO