Publicidade

Vídeo mostra o rápido aumento do nível dos oceanos nas últimas décadas

Por| Editado por Patricia Gnipper | 22 de Junho de 2023 às 18h12

Link copiado!

NASA Scientific Visualization Studio
NASA Scientific Visualization Studio

O aumento do nível dos oceanos pode parecer um problema distante da realidade ou difícil de se dimensionar — o que significa, afinal, o mar com alguns centímetros a mais? Esse fato, porém, é algo que preocupa cientistas em todo o mundo. E como a NASA demonstra em uma nova animação, o fenômeno está acontecendo cada vez mais rápido.

O Estúdio de Visualização Científica da agência espacial norte-americana criou uma forma clara de ilustrar a questão. Através da perspectiva de uma portinhola de um barco, é possível ver o nível d’água subindo com o passar dos anos. O pequeno vídeo ilustra somente o aumento referente ao período entre 1993 e 2022, em que o oceano subiu, em média, 9,85 centímetros. Se o vídeo for rodado em uma tela de 85 polegadas, as dimensões ficam em proporção real.

Continua após a publicidade

Estes quase 10 centímetros em apenas três décadas representam uma taxa de aumento “sem precedentes a mais de 2.500 anos,” de acordo com a NASA. E o motivo para ele é inconfundível: as mudanças climáticas causadas pela humanidade.

O nível do mar aumenta graças a dois fatores. O primeiro é o próprio calor absorvido pelo oceano, que faz com que a água se expanda ligeiramente. O segundo é o derretimento de geleiras, principalmente as da Groenlândia e Antártida, mas também as no topo de montanhas. As taxas de derretimento ao redor do globo também estão alcançando velocidades assustadoras.

As consequências do aumento do nível dos mares serão drásticas nas regiões costeiras, podendo deixar cidades litorâneas — onde a maior parte da população global se encontra — debaixo d’água. Ecossistemas naturais nestas regiões e as espécies animais e vegetais que as habitam também estão ameaçadas.

Continua após a publicidade

Por fim, mesmo áreas mais distantes do mar podem ser afetadas. Ciclones e furacões passarão a atingir áreas que ainda não alcançam, impactando ainda mais pessoas.

Fonte: Nasa Scientific Visualization Studio via: IFL Science