Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Eletricidade poderia ser aplicada às nuvens para estimular a formação de chuvas

Por| Editado por Patricia Gnipper | 10 de Fevereiro de 2022 às 19h30

Link copiado!

Eberhard Grossgasteiger/Pexels
Eberhard Grossgasteiger/Pexels

Aplicar eletricidade em nuvens poderia ser um meio de se controlar as chuvas, segundo novo estudo liderado pela University of Reading. Os autores propõem eletrificar as gotículas de água suspensas na atmosfera com um drone para formar gotas com tamanho suficiente para que chova.

As nuvens são formadas por vapor de água, com inúmero gotículas suspensas no ar, mas só chove quando essas gotas atingem um tamanho e peso específicos. Naturalmente, gotículas com cargas opostas se unem e se tornam mais pesadas. O novo estudo, no entanto, defende que nem sempre essas características são necessárias para formar as gotas. A carga das gotículas pode ser a mesma, desde que uma delas tenha uma carga maior que a outra para elas se unirem.

Continua após a publicidade

Segundo os autores, as cargas passam a migrar uma para a outra. “O que leva a uma força atrativa que pode dominar se as gotas estiverem próximas umas das outras”, acrescentam.

Além disso, a quantidade de carga em uma gota pode mudar à medida que recebe íons de um campo elétrico próximo. O uso do campo elétrico só torna as gotas propensas à chuva em 5%, mas os autores dizem ser suficiente para estimular a precipitação.

Drones de chuva

Em 2021, a equipe pilotou “drones de chuva” em um local próximo a Dubai para testar se eles seriam capazes de “atrair” a chuva ao liberar íons positivos e negativos nas nuvens locais.

A tecnologia se baseia na semeadura de nuvens, um experimento datado da década de 1950. Os pesquisadores acreditam que o novo drone, através da adição de eletricidade, proporcionará um resultado misto de todas as tentativas anteriores. Anteriormente, a mesma equipe havia sugerido o uso de torres de chuva com mais de 10 metros de altura. Esta seria uma maneira mais permanente de estimular a precipitação.

Vale destacar que, desde 2017, a pesquisa é financiada pelos Emirados Árabes Unidos, uma região extremamente seca e que teme as projeções climáticas que preveem escassez de água em alguns lugares do mundo até o fim deste século.

A pesquisa foi apresentada na Proceedings on the Royal Society A.

Continua após a publicidade

Fonte: Proceedings on the Royal Society A, Via Futurism