Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Deslizamento de terra | O que causa e como evitar nas encostas?

Por| Editado por Patricia Gnipper | 22 de Fevereiro de 2023 às 15h24

Link copiado!

Imagem: Ministerio de Defensa del Perú/Wikimedia Commons
Imagem: Ministerio de Defensa del Perú/Wikimedia Commons

O Brasil não sofre com grandes terremotos ou tsunamis, mas isso não quer dizer que o país esteja livre de desastres naturais que envolvem a terra e a água. Além das próprias inundações e alagamentos pelo acúmulo das águas, a temporada de chuvas coloca inúmeras famílias em risco no território nacional pelos deslizamentos de terra em morros e encostas.

Os deslizamentos são um tipo de movimento de massa em que um bloco de solo que se desprende do restante. Esse fenômeno acontece naturalmente mesmo em áreas totalmente livres de qualquer interferência humana, mas ele é mais frequente e desastroso em locais com ocupação ou intervenção.

O que causa um deslizamento?

Continua após a publicidade

Durante as chuvas, o solo consegue absorver uma quantidade de água enquanto o restante escoa na superfície na forma de enxurrada. Quando todos os poros do solo estão preenchidos, se diz que ele está saturado: nesta condição, ele pode se tornar instável e se romper, dando início aos deslizamentos de terras em encostas.

Naturalmente, áreas de relevo acidentado e de solos mais rasos são mais propícias a deslizamentos. Isso porque o esse tipo de solo satura mais facilmente e o escoamento da água na superfície é mais veloz. Mas além disso, fatores humanos, como a remoção da vegetação — que ajuda a manter as partículas do solo unidas — e a construção nas encostas podem aumentar a ocorrência desses desastres.

Como evitar os deslizamentos

Em áreas não-ocupadas, deslizamentos não têm consequências mais graves do que a perda de algumas árvores. Em áreas urbanas, porém, esses fenômenos podem levar vidas e causar danos a casas, vias e infraestrutura. Com planejamento urbano, investimento em obras de engenharia e política habitacional adequada, é possível mitigar os impactos destes desastres.

Áreas com grave risco de deslizamento, idealmente, devem ser desocupadas e seus habitantes realocados. Alguns locais suscetíveis, mas de risco menor, podem seguir ocupados, mas exigem obras de engenharia, como a construção de muros de arrimo e uma melhor infraestrutura de drenagem. Além destas intervenções, manter as encostas com cobertura vegetal e evitar cortes no terreno também ajudam na prevenção dos desastres.