SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Como as mudanças climáticas contribuem para a formação de tornados severos?

Por| Editado por Patricia Gnipper | 14 de Dezembro de 2021 às 19h30

Link copiado!

NASA/NOAA
NASA/NOAA

Cientistas climáticos buscam compreender como as mudanças climáticas têm contribuído para a formação de tempestades severas, como os tornados. E uma nova pesquisa liderada pela Central Michigan University avaliou como o aumento da temperatura global pode criar condições favoráveis para fenômenos meteorológicos mais intensos e menos previsíveis.

Avaliar a real dimensão das mudanças climáticas é uma tarefa bem difícil, pois são muitas as variáveis em jogo. Ainda assim, pesquisas baseadas em modelos climáticos ajudam a entender alguns fatores que tornam fenômenos como os tornados mais perigosos.

Continua após a publicidade

Os modelos consideram dados de diversas naturezas do sistema terrestre, como a quantidade de energia do Sol que alcança a superfície terrestre e como a Terra reage a isso ano a ano, estação por estação. As projeções climáticas funcionam como um zoom que aproxima parte da paisagem do observador.

O professor associado de meteorologia John Allen, da Central Michigan University, explicou que, por exemplo, o zoom permite visualizar uma floresta, mas não distinguir árvore de outra. Nos modelos climáticos, os tornados são tão difíceis de se ver como uma árvore em meio a uma densa floresta.

Fatores que contribuem para a formação de tornados

Como é difícil detectar tornados em modelos, os cientistas climáticos se concentram nos fatores em larga escala que contribuem para sua formação.

Continua após a publicidade

Allen destacou três ingredientes principais. O primeiro é a energia do ar quente e úmida que cria fortes corrente de vento convectivas. Em seguida, a mudança da velocidade e direção dos ventos, conhecido como cisalhamento do vento, que alimenta as tempestades. Já o terceiro, mais difícil de identificar, são os dias muito quentes ou frentes frias que podem ser um verdadeiro gatilho para tais fenômenos.

Segundo o professor Allen, os modelos climáticas para os EUA indicam uma probabilidade geral de que tais ingredientes aumentem até o final deste século. O principal motivo é que com o aumento das temperaturas, mais calor e umidade fornecem a energia necessária.

Além disso, o aumento da temperatura global tem produzindo mudanças significativas nas estações do ano, provocando tornados nos EUA quando é quase inverno — o que, até então, era raro. E a tendência é que o mesmo ocorra no outono e início da primavera.

Continua após a publicidade

Frequência e intensidade

Estudos recentes têm modelado as alterações com base na frequência das tempestades severas. Evidências das últimas décadas apontam para condições mais favoráveis para fenômenos mais intensos em estações mais frias, enquanto indicam uma menor intensidade no verão.

No entanto, determinar a formação de tornados é mais complicado, porque apenas uma pequena fração das tempestades que surgem desses ambientes favoráveis evoluem para um tornado. John Allen e sua equipe também avaliaram a relação do aumento da temperatura global com o fenômeno.

Continua após a publicidade

Para cada 1 °C de temperatura a mais nos EUA, estima-se um aumento de 14 a 25% dos ambientes favoráveis na primavera, outono e inverno — tendência que também aparece em latitudes mais altas. A conta é simples: altas temperaturas resultam em mais energia para tempestades severas.

Ainda assim, Allen disse ser difícil atrelar um único tornado às mudanças climáticas, uma vez que este fenômeno corresponde a condições locais e não necessariamente globais. De todo modo, são muitos os sinais que apontam para um futuro mais tempestivo.

Fonte: The Conversation