O governo chinês ajudou as big techs do país a crescer — agora quer freá-las

O governo chinês ajudou as big techs do país a crescer — agora quer freá-las

Por Rui Maciel | 16 de Setembro de 2021 às 08h45
Alveni Lisboa/Canaltech

Você pode acusar o governo chinês de um monte de coisas. Menos de falta de coerência. Isso porque tudo que ameace minimamente sua autoridade é colocado sob escrutínio, incluindo empresas gigantescas locais que ele mesma ajudou a crescer. Por anos, o poder público do país asiático — comandado pelo Partido Comunista (PC) — despejou centenas de bilhões de dólares em incentivos para startups e outras companhias de tecnologia, com o objetivo de fomentar um gigantesco ecossistema de inovação local, bem como criar gigantes do setor para disputar mercado, principalmente, com os EUA.

E a estratégia deu certo. Além de uma infinidade de startups, a China conta com algumas das maiores big techs do mundo, como Tencent, Alibaba, Baidu e a DiDi Chuxing (controladora da 99 aqui no Brasil). O problema é que muitas dessas companhias ficaram muito maior do que o desejado — pelo menos visão do governo chinês. Isso poderia pôr em risco o rígido controle que o "Partidão" tem sobre o país. Logo, a hora é de puxar o freio dessas empresas, e de forma nada sutil.

Alibaba puxou a "ala da regulação"

Uma das primeiras big techs a ter o freio de mão puxado foi a Alibaba. Tudo devido a um "sincericídio" de seu fundador e CEO, Jack Ma. Em outubro do ano passado, durante um fórum realizado em Xangai, ele atacou o sistema regulatório da China, em um discurso que o colocou em rota de colisão com autoridades do país. Na época, Ma afirmou "que o sistema regulatório chinês estava sufocando a inovação e devia ser reformado para fomentar o crescimento". Ma disse ainda que os bancos chineses operavam com uma mentalidade de “casa de penhores”. O detalhe: essas palavras foram ditas diante do establishment financeiro, regulatório e político do país asiático. Grande erro.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Por quê? Porque quem conhece o mínimo do modus operandi do governo chinês sabe que eles são bem generosos na hora de investir, mas não são exatamente receptivos com críticas. E isso vale até mesmo para magnatas do porte de Jack Ma.

Jack Ma: "sincericídio do fundador do Alibaba gerou um prejuízo de dezenas de bilhões de dólares para sua empresa (Imagem: JD Lasica/Wikimedia)


A partir do episódio, o império digital de Ma sofreu uma ofensiva regulatória tão pesada que fez com que o executivo sumisse da vista do público por meses. O governo chinês se concentrou nos negócios de Ma, incluindo o lançamento de uma investigação antitruste no Alibaba. Além disso, ordenaram que a Ant Group — a gigantesca fintech do grupo — tornasse seus empréstimos e outros negócios de financiamento ao consumidor mais transparentes e exigiram a criação de uma holding à parte para atender às exigências de abertura capital. Para completar, foram compilados relatórios, incluindo um sobre como a fintech havia usado produtos financeiros digitais como o Huabei, um serviço de cartão de crédito virtual, para incentivar os pobres e os jovens a acumularem dívidas.

Resultado: o Ant Group precisou suspender seu IPO, avaliado em US$ 37 bilhões e considerado o maior da história, dois dias antes da ansiosamente aguardada estreia nos mercados de Xangai e Hong Kong e Jack Ma deixou de adicionar, pelo menos, US$ 27 bilhões ao seu patrimônio líquido.

Para acalmar o governo chinês, bem como os acionistas, a Alibaba criou um plano de reestruturação que coloca todos os negócios da Ant Group em uma mesma holding, incluindo o setor de processamento de pagamentos e ofertas de tecnologia em áreas como blockchain e entrega de alimentos.

Leis que atingem em cheio as big techs chinesas

No dia 1º de setembro, o governo apertou ainda mais o cerco em cima das big techs do país. Foi nessa data que entrou em vigor a chamada Lei sobre a Segurança de Dados. Em teoria, ela cria uma série de regras rígidas para que os dados sigilosos do país mantenham-se protegidos. Mas, na prática, ela atinge em cheio empresas como a Tencent, a Didi e, de novo, o Alibaba.

A nova regulamentação cria medidas rígidas, quase draconianas, no que tange ao armazenamento e a utilização do fluxo de dados que criados a partir da China. Isso inclui, por exemplo, a saída dessas informações do país, que ficam totalmente restritas a território chinês. Além disso, ela define quais informações dizem respeito à segurança nacional — e isso vale também para o exterior, quando o governo considera haver risco para o país ou seus cidadãos.

Outro ponto é que tanto cidadãos, quanto organizações da China também estão impedidos de fornecer dados para autoridades estrangeiras, incluindo de segurança pública, sem o aval do governo.

Sede da Didi Chuxing: uma das big techs afetadas pelas novas leis chinesas (Imagem: Divulgação/Didi Chuxing)


A nova legislação prevê multas de até 10 milhões de yuans (cerca de R$ 8,2 milhões) às empresas que incorrem em crimes como vazamento de dados ou se falhar na identificação de compradores e vendedores.

Criada em 2017, as leis de cibersegurança chinesas também passaram por uma revisão. Agora, as empresas do país devem se adaptar a uma lista com dezenas de novas exigências e que abrangem não apenas a proteção de dados, mas também práticas antitruste e publicidade. Além disso, a supervisão dessa lei passa a ser supervisionada pela Autoridade da Segurança Pública de Pequim.

Leis acertam as big techs onde mais dói: no bolso

As novas leis que regulam o ambiente digital na China não apenas mostra como o governo do país quer frear o crescimento de poder descontrolado (bem como o risco de monopólios) das big techs locais, como também acerta onde mais dói nessas empresas: o bolso.

A restrição à saída de dados das empresas chinesas do país, por exemplo, trava a listagem dessas companhias em bolsas de valores no exterior. Em agosto último, a Autoridade de Segurança Cibernética da China apresentou (CAC) impôs diretrizes sobre o tratamento de dados sensíveis incluídos nos prospectos de IPOs das empresas chinesas. De forma prática, é essa entidade que decidirá quais informações entrarão nesses prospectos e quais ficarão de fora. Ela também criou regras sobre quais dados financeiros poderão ser divulgados aos investidores

Entre outras medidas, o governo chinês passou também a impor sanções às empresas paralelas criadas pelas big techs locais para conseguir entrar nas bolsas de outros países. Essa era uma prática usada para driblar as restrições que impediam a entrada de investidores estrangeiras em empresas consideradas sensíveis à segurança nacional. Agora, o escrutínio sobre esse método será bem maior.

Tencent: uma das principais empresas de games da China vem sofrendo com as novas leis locais (Imagem: Reprodução/Chris Yunker)


Por fim, no início de novembro deste ano, a Lei de Segurança de Dados Pessoais também entra em vigor na China e vai apertar de forma feroz o modo como as big techs do país manuseiam os dados de seus usuários e clientes. Isso inclui até mesmo informações financeiras e transferências de dados entre China continental e Hong Kong.

Com essa série de leis mais restritivas, as ações das gigantes na Bolsa passaram a sofrer, principalmente no exterior. Tencent e Alibaba viram seus papeis desvalorizarem mais de 30% na Nasdaq (bolsa das empresas de TI nos EUA) nos últimos seis meses. O mesmo aconteceu com a Didi (35%) e o Baidu (45%). A NetEase, cuja principal fonte de receita está no mercado de games também sofreu perdas recordes. Isso porque o governo chinês agora está regulando os dias e horários que os menores de 18 anos podem jogar videogames. Os jovens e crianças gamers só podem aproveitar os jogos entre 20h e 21h, às sextas-feiras, fins de semana e feriados.

Em resumo: o capitalismo da China funciona. Mas não pode "funcionar demais". O governo do país está aí para provar.

Com informações de South China Morning Post, The Wall Street Journal, Exame Invest

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.