iOS 14.5 permite reconhecimento facial com máscara, mas com alguns poréns

iOS 14.5 permite reconhecimento facial com máscara, mas com alguns poréns

Por Igor Almenara | 08 de Fevereiro de 2021 às 14h00
Reprodução: Omid Armin/Unsplash

A pandemia introduziu um grande problema para o Face ID dos mais recentes iPhones: o uso de máscaras. Felizmente, a Apple lançou uma atualização no programa Beta para usuários do iOS 14.5 e WatchOS 7.4 que pode mitigar o problema e viabilizar a autenticação de identidade mesmo com o acessório — mas ainda com contrapontos significativos e somente para donos de Apple Watches.

Apple lança beta do iOS 14.5 e finalmente inaugura o App Tracking Transparency
Atualize já! Apple corrige três brechas graves no iOS 14.4 e iPadOS 14.4
A Apple quer a sua opinião: afinal, o Face ID é útil ou não?

Quando a recomendação do uso de máscaras em ambientes públicos tomou o mundo, a Apple tinha um problema nas mãos. O Face ID dos iPhones, embora eficientes, não conseguiam lidar com a presença do acessório para identificar o rosto do portador autorizado. A obstrução que oculta nariz, boca e outros traços do rosto impedia que os sensores infravermelhos e a câmera reconhecessem o dono do aparelho e exigia a inserção da senha para desbloqueio.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Desde então, a solução dessa deficiência se tornou uma demanda dos consumidores e o primeiro recurso relacionado chegou ao iOS 14.5 e WatchOS 7.4. Ainda exclusivo para alguns usuários do programa Beta do sistema operacional, a alternativa permite que o Face ID identifique o portador mesmo de máscara. Para isso, o usuário deve ter um Apple Watch desbloqueado no pulso (ou próximo do celular) e voltar a câmera do iPhone para seu rosto, enquadrando-o completamente. Depois de alguns segundos, o celular deve identificar o portador e avisá-lo da autenticação por meio de vibrações.

(Imagem: Vjeran Pavic/The Verge)

A autenticação com uso de máscara funciona apenas para desbloqueio de tela, mas não é capaz de autorizar o uso em aplicativos como a App Store ou compras pagas com o Apple Pay, ainda exigindo a aplicação do código numérico.

Ainda que limitado, a correção oficial é melhor que a solução adotada anteriormente. Para contorná-la, o dono do dispositivo precisava adaptar a segurança do aparelho com a adição do rosto de máscara em "Aparência alternativa" no menu de configurações do iOS. O processo exigia a cobertura do rosto em locais específicos ao longo do escaneamento e podia não ser uma opção muito segura.

Para conferir a novidade, é necessário estar com o dispositivo atualizado e tentar a sorte nas vagas do programa Apple Beta Software Program. Se aprovado, o dispositivo receberá pacotes direto do acesso antecipado, contudo, fique atento: as versões disponibilizadas no Beta público também podem apresentar mau funcionamento, bugs e até outros problemas mais graves. Inscreva-se no programa ciente de que adotará uma versão instável do sistema.

As novidades do iOS 14.5

Junto aos primeiros avanços para autenticação de segurança com uso de máscara, o iOS 14.5 finalmente introduziu o App Tracking Transparency (ATT) para o público. A ferramenta, que virou pólvora para disputas tensas entre a Apple e o Facebook, é uma alteração nas políticas de privacidade de iPhones.

Na prática, a alteração estará presente na utilização de cada aplicativo. Ao acessar um app novo que precisa coletar parte dos seus dados para qualquer fim, o iOS 14.5 notificará o usuário com uma janela especial para autorizá-lo. O mecanismo se parece muito com as ferramentas de autorização para partes do celular, como acesso às câmeras, memória interna e outros recursos, mas a transparência imposta pela Maçã incomodou desenvolvedores.

Por enquanto, não há previsão para a chegada do Face ID aprimorado para a distribuição pública do iOS 14.5. Desde que a ferramenta apresente um comportamento consistente, é provável que não demore a chegar nos demais celulares.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.