6 dicas para aumentar a segurança no seu iPhone

6 dicas para aumentar a segurança no seu iPhone

Por Thiago Furquim | Editado por Bruno Salutes | 29 de Maio de 2021 às 18h00
Imagem: itscroma/Envato Elements

O quesito segurança é um dos pontos fortes e ainda grande diferencial do iPhone em relação aos seus concorrentes. O acesso biométrico, por exemplo, carrega o pioneirismo da Apple em lançar o desbloqueio pela digital, com o Touch ID, e o reconhecimento facial mais seguro do mercado de smartphones, o Face ID. O primor pela segurança também abrange o software, visto que o iOS não permite ser acessado sem a autenticação pelo ID Apple, ainda que formatado, e possui um controle rígido do que pode ser instalado e personalizado no sistema.

Do mesmo modo, cabe destacar ainda outros recursos do iOS, como o aplicativo nativo para rastreamento dos seus dispositivos, o Buscar. Com ele, você pode saber precisamente a última localização de aparelhos cadastrados no iCloud, ou AirTags, e compartilhar facilmente esses dados com familiares. Não raramente, muitos casos de iPhones recuperados são noticiados na mídia.

Outros pontos positivos são a autenticação por dois fatores, uma cada extra de proteção; as Chaves do iCloud, que gera senhas fortes e armazena para que você não precise anotá-las em lugar algum; e o Pedir ao App para Não Rastrear, ou App Tracking Transparency, que obriga os desenvolvedores a rastrear dados do usuário apenas com a sua permissão.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

No entanto, cabe destacar que o arsenal de segurança que citamos acima também é passível de falhas ou problemas de vulnerabilidade, por culpa ou não do usuário. Pensando nisso, elaboramos uma lista com seis dicas para garantir a segurança do seu iPhone como um todo e impedir que qualquer um veja suas informações.

1. Use uma senha alfanumérica personalizada

O código de acesso ao iPhone é a primeira barreira que você pode impor para impedir que outrem tenha acesso ao seu dispositivo. Atualmente, ao definir o Touch ID ou Face ID, o iOS exige a criação de um código de seis dígitos numéricos. Para incrementar ainda mais a segurança e dificultar a ação de pessoas mal-intencionadas, você também pode definir uma senha alfanumérica maior que seis campos e sem comprimento fixo.

Para alterar o padrão do código, basta acessar o aplicativo Ajustes, rolar a tela e tocar em "Touch ID/Face ID e Código". Nessa tela, procure a opção "Alterar código" e toque sobre ela. Feito isso, o iOS pedirá para você definir que tipo de código deseja criar; escolha o modelo alfanumérico e forneça a senha de acesso ao seu iPhone.

Adicione um código alfanumérico para aumentar a segurança de desbloqueio do iPhone - Captura de tela: Thiago Furquim (Canaltech)

Embora essa senha seja pouco utilizada, já que o desbloqueio da tela e outros recursos são autenticados pela biometria facial ou digital, vale lembrar que você não pode esquecer a senha para situações em que o iOS exige apenas o código para desbloquear determinadas funcionalidades.

Dica: ainda na seção "Touch ID/Face ID e Código", role a tela para baixo e ative a opção "Apagar Dados". Essa função apaga todos os dados do iPhone após 10 digitações incorretas do código. Mesmo com os dados apagados, só é possível acessar o dispositivo através do ID Apple que o dispositivo foi registrado.

Proteja seu iPhone apagando os dados se alguém tentar muitas vezes adivinhar o código de bloqueio - Captura de tela: Thiago Furquim (Canaltech)


2. Desative a Siri e a Central de Controle na tela bloqueada

Apesar do código de acesso ter bastante sucesso para impedir a ação de pessoas mal-intencionadas, os mais experientes conseguirão se aproveitar do recurso padrão da tela de bloqueio para acessar informações pessoais pela Siri e impedir rastreio pela Central de Controle.

A Siri, em primeiro lugar, pode acabar sendo mais prestativa do que deveria e entregar informações pessoais a quem encontrar seu iPhone perdido. Para evitar que esse tipo de coisa aconteça, o ideal é desabilitar o uso da Siri a partir da tela bloqueada.

Para fazer isso, acesse o aplicativo Ajustes e toque em "Touch ID/Face ID e Código". Nessa tela, busque pela seção "Permitir acesso quando bloqueado" e perceba que a opção Siri está com a chave ativada - desative-a para limar o funcionamento da assistente pessoal na tela bloqueada.

A Central de Controle é outro recurso que pessoas não-autorizadas podem acessar o seu iPhone. Por ela, é possível ativar da tela bloqueada o "Modo Avião" para que não possa ser rastreado pelo app Buscar. Essa artimanha, no entanto, só funcionará caso você deixe habilitada a possibilidade de acessar a ferramenta com o iPhone bloqueado.

No menu "Touch ID/Face ID e Código", desative também a Central de Controle na tela bloqueada para que pessoas mal-intencionadas não consigam por seu dispositivo em Modo Avião e bloquear o uso do Buscar.

Desative a Siri e a Central de Controle da tela bloqueada para ter maior segurança do iPhone - Captura de tela: Thiago Furquim (Canaltech)

As demais opções também podem ser atraentes para quem tem uma preocupação maior com privacidade e segurança. Por exemplo, desativar o "Wallet" fará com que você obrigatoriamente tenha que desbloquear o iPhone para fazer pagamentos usando o Apple Pay, assim como "Retornar Ligações Perdidas" apenas é possível com o reconhecimento biométrico.

3. Evite utilizar WI-FI público

A tentação de chegar a um lugar público e pedir de imediato a senha do WI-FI é bastante comum. A princípio, acessar a rede de conexão à internet alheia não parece oferecer nenhum risco, porém, estudos já mostraram que existem muitos perigos a cerca do tema, já que outros usuários mal-intencionados podem ter acesso ao tráfego de sua rede.

Mesmo os certificados de conexões e acessos a sites criptografados serem excelentes fatores de segurança, é possível que uma rede desconhecida redirecione você a um site phishing, semelhante a um portal de rede social ou de banco, por exemplo, e roube os dados facilmente. Por isso, evite acessar redes de locais públicos, principalmente se não tiver senha, e dê preferência aos dados móveis

Opte por redes WI-FI confiáveis - Captura de tela: Thiago Furquim (Canaltech)

4. Seja cuidadoso com uso de VPNs

Os acessos via VPN, ou Virtual Private Network, tem se tornado cada vez mais popular e existem vários aplicativos na App Store que disponibilizam o recurso de forma acessível. A função do VPN é, basicamente, acessar sites que restringem uso em determinados países, proteger intranets empresariais para uso exclusivo de funcionários, evitar rastreamento, entre outros.

Apesar dos benefícios, manter acesso pela VPN pode causar consequências semelhantes ao se de conectar por uma rede WI-FI pública. Isso acontece porque o servidor da ferramenta também pode ter acesso ao seu tráfego, e muitas podem se aproveitar disso para capturar seu dados.

Tenha bastante cuidado com o seu uso e certifique-se da reputação de empresas que oferecem o VPN. Além disso, se você já tiver qualquer app relacionado no seu dispositivo, fique atento para ver se o seu iPhone se conectou automaticamente ao VPN sem autorização. Caso aconteça, desinstale o aplicativo imediatamente.

Verifique a reputação dos apps disponíveis na App Store - Captura de tela: Thiago Furquim (Canaltech)

5. Não instale apps fora da App Store

Seria bastante óbvio aconselhar que você não deve fazer jailbreak no iPhone. A famosa ferramenta de desbloqueio do sistema de segurança do iOS libera recursos que dificilmente serão vistas um dia em algum smartphone Apple, como personalizações iguais às permitidas pelo Android e instalação de aplicativos fora da App Store.

No entanto, já está se tornando muito comum instalar aplicativos sideload, ou apps que rodam no ambiente fechado do iOS mas estão fora da App Store. Geralmente esses apps estão relacionados à pirataria, sendo os mais famosos emuladores de videogame e streamings. É improvável eles estejam em conformidade com as regras de segurança exigidas pela Apple e, ainda que não precise do jailbreak no aparelho, podem causar danos como baixar um malware no iPhone, capturar dados de cartão de crédito ou substituir apps autênticos para roubar informações pessoais.

Cuidado com perfis que instalam apps fora da App Store - Captura de tela: Thiago Furquim (Canaltech)

Sempre utilize a App Store como referência exclusiva para baixar aplicativos. Como dissemos, as regras exigentes da Apple tornam o seu ambiente seguro e excluem a necessidade de instalar antivírus no smartphone.

6. Ative a autenticação em dois fatores

Por fim, caso o hacker tenha transposto todas as barreiras e medidas de precaução, o último recurso será impedi-lo com a autenticação em dois fatores. Com ela ativada, você poderá proteger todas as suas informações, pagamentos, fotos e arquivos armazenados no iCloud, já que o malfeitor teria que ter em mãos outro dispositivo seu para fornecer a segunda senha exigida no ato do acesso.

Mantenha o acesso à sua conta e seus dispositivos Apple seguros com a autenticação de dois fatores - Captura de tela: Thiago Furquim (Canaltech)

Já falamos sobre como ativar a autenticação em dois fatores para contas da Apple e você confere como fazê-lo aqui.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.