Apple permitirá que empresas russas instalem seus apps no iPhone vendido no país

Apple permitirá que empresas russas instalem seus apps no iPhone vendido no país

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 16 de Março de 2021 às 16h35

A Apple vai autorizar que o governo russo defina quais aplicativos virão pré-instalados nos iPhone, iPads e possivelmente outros dispositivos da empresa no futuro. A novidade é fruto de lei russa que deve começar a vigorar em abril e obriga a empresa a mostrar uma caixa de diálogo durante a configuração inicial do aparelho.

A lista de aplicativos foi fornecida pelo Kremlin no início deste ano e inclui produtos da Yandex, Mail.ru, Kaspersky Lab e outras grandes empresas russas de internet e mídia. São navegadores, redes sociais, antivírus, serviços de mensagens, clientes de e-mail, carteiras virtuais e outros apps desenvolvidos no país. Os aplicativos virão marcados como padrão, mas os usuários poderão selecionar individualmente os que não quiserem ter em seus celulares.

iPhone russo virá com apps locais de fábrica  (Imagem: Reprodução/MakeUseOf)

A legislação russa também exige que a gigante da tecnologia ofereça aos clientes a possibilidade de deletar qualquer tipo de app, inclusive os que virão embarcados no dispositivo e desenvolvidos pela própria Apple. A existência dessas telas no iOS foi descoberta pelo site 9to5Mac em novembro do ano passado, mas ainda não se sabia onde seria aplicada.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Apple não permite modificações no iOS

Obviamente, a decisão do governo não agradou nada a empresa. A Apple já havia ameaçado deixar o país se a lei entrasse em vigor, mas voltou atrás. Apesar de ser um mercado ainda pequeno para a Maçã, a Rússia ocupou a terceira posição no ranking de crescimento de vendas de iPhone em 2020.

Apple não permite modificações no iOS (Imagem: Reprodução/Unsplash)

Não é de hoje que fabricante se recusa a permitir que operadoras ou redes varejistas possam modificar o seu sistema operacional. Segundo a companhia, o objetivo disto é para não interferir na experiência dos usuários de seus aparelhos. Isto é justamente o oposto da política praticada pelo Android, que autoriza os fabricantes a modificarem a interface do usuário com visual próprio e apps específicos.

Fonte: Vedomosti; 9toMAC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.