Creepypastas: 5 lendas urbanas da internet para você não dormir nesse Halloween

Por Durval Ramos | 31 de Outubro de 2015 às 13h25

"Meu nome é Samara e tenho 13 anos. Ou teria, se ainda estivesse viva. Quando criança, caí de bicicleta em uma cerca de arame farpado na cidade de Cascavel, no Paraná, e fiquei por horas pedindo por ajuda. Um homem passou por mim e pedi que ele me tirasse dali e ele apenas riu e foi embora, me deixando para morrer. Na semana seguinte, sua casa pegou fogo. E o mesmo acontecerá caso você não compartilhe esse post para sete pessoas nesse fim de semana".

Todo mundo já se deparou com uma história assim. Seja por e-mail ou naquele grupo da família, essas correntes são bastante comuns e mostram bem como a internet é apaixonada por uma boa história. Ela nem precisa ser verdade, basta brincar nossa imaginação para que a abracemos. Quanto mais fácil compartilhá-la, melhor.

E claro que o terror seria um terreno fértil para isso. Afinal, o que pode ser mais instigante do que brincar com o sobrenatural e com as crenças das pessoas a partir de relatos que podem ou não ter acontecido de verdade? Devemos ou não acreditar nesses estranhos relatos?

Slenderman

Portanto, neste Halloween, apague as luzes e seja bem-vindo ao estranho mundo das "creepypastas". Se tiver coragem, é claro.

Além da imaginação

Você pode nunca ter ouvido esse termo, mas certamente já encontrou alguma dessas histórias por aí. Como a história da Samara que abre este texto, as creepypastas são esses estranhos relatos sobrenaturais que aparecem em fóruns, redes sociais e grupos de discussão internet afora. É a versão web da boa e velha lenda urbana.

A diferença é que, ao contrário daquele conto misterioso que seu tio jura que aconteceu com ele quando era mais novo, a coisa aqui é um pouco mais descontrolada. Sem a limitação do relato oral, a creepypasta se espalha com muito mais facilidade, já que basta um Ctrl+C e um Ctrl+V no texto para que ele seja passado adiante.

Creepypasta

E é exatamente daí que nasce o seu nome. O termo nasceu em meados dos anos 2000 no fórum 4chan, onde os usuários passaram a chamar essas histórias virais de "copypasta" em referência ao fato de que elas eram apenas copiadas e coladas de outros lugares. E, como o sobrenatural virou uma temática recorrente, o "copy" virou "creepy" (assustador).

Só que, como toda boa lenda urbana, as coisas não são tão simples assim. Como toda boa lenda urbana que se preze, esses relatos bizarros eram adaptados sempre que eram reproduzidos para se adequar à região e tornar tudo ainda mais crível. A própria Samara já caiu de bicicleta em Cascavel, Piracicaba, no interior de Minas e em tudo quanto é lugar que você pode imaginar. Cada conto aumenta um ponto, como dizem.

Essa capacidade de transformação das creepypastas deu a elas um caráter muito mais verossímil e ajudou a popularizar várias dessas histórias. Por mais absurdas que muitas fossem, havia vários pontos que davam força à hipótese de que aquilo é real. E é exatamente isso que faz com que elas fiquem ainda mais assustadoras.

Só que mais arrepiante ainda é ver como muitas delas viraram algo maior. Enquanto a grande maioria das creepypastas somem na mesma velocidade que apareceram, outras fogem do controle e assumem proporções que nem mesmo o seu criador imaginava. É aí que nasce a dúvida: será que ela são mesmo apenas uma brincadeira de internet ou tem algo mais por aí?

Slenderman

A creepypasta mais famosa dos últimos anos é, sem qualquer dúvida, o Slenderman. Você certamente já viu essa figura de corpo esguio, braços muito longos e sem rosto por aí. Recentemente, ele virou personagem de jogo e assustou muita gente em vídeos no YouTube.

O que pouca gente sabe é que o Slenderman surgiu dentro de um fórum. Em 2009, o site Something Awful criou uma pequena competição entre seus usuários, pedindo para que eles fizessem montagens brincando com a ideia do sobrenatural. E o vencedor foi Eric Knudsen, que colocou fotos de crianças sendo observadas por uma estranha criatura chamada de Slenderman. Nascia aí o mito.

Slender

Essas imagens logo se espalharam por outras páginas e mais gente começou a colocar a figura do Homem-Esguio em outras cenas, incluindo em vídeos. E a coisa começou a sair de controle de tal modo que pessoas que nunca tiveram contato com o meme começaram a falar sobre experiências com uma criatura semelhante a criada por Knudsen. E o pior: muitos anos antes da competição.

Eram relatos antigos sobre um estranho "homem alto com braços muito longos e sem rosto" que apareceu para esse pessoal quando eles eram crianças e que, por serem memórias aterrorizantes, muitos bloquearam essas lembranças e só voltaram a se recordar delas quando começaram a ver sobre isso na internet. Nos Estados Unidos, por exemplo, uma mulher ligou para uma rádio em que o creepypasta estava sendo discutido para dizer que ela viu aquele ser quando era criança e, no meio da entrevista, ela entrou em pânico e começou a chorar desesperada.

Slender

Como se não bastasse, muita gente começou a encontrar referências ao Slenderman ou mesmo ao Homem Alto em várias culturas ao longo do tempo, incluindo em pinturas rupestres aqui no Brasil. Além disso, outros vídeos com supostos relatos e aparições da criatura pipocaram em todo o YouTube e apenas deu mais força à lenda.

O caso mais assustador, porém, aconteceu no ano passado. Duas adolescentes de 12 anos tentaram assassinar uma garota na cidade americana de Waukesha com 19 facadas. Após terem sido presas, as meninas falaram que fizeram aquilo porque queriam impressionar o Slenderman.

Obedece a la morsa

Outra história bem antiga e que até hoje causa arrepios em muita gente é o estranho "Obedece a la morsa". Trata-se de um vídeo que ainda circula por fóruns e grupos em que temos uma edição completamente medonha misturada a imagens perturbadoras e um pano de fundo igualmente tenebroso.

E o mistério é o que faz essa creepypasta ainda ser bastante popular. Segundo a história que se conta, o vídeo abaixo estaria repleto de mensagens subliminares de uma organização satânica conhecida apenas como The Walrus. Mais do que isso, alegam ainda que quem vê o vídeo passa a sofrer com pesadelos bizarros, a enxergar vultos e até a ter estranhos casos de convulsões.

Contudo, verdade por trás do meme é ainda pior — mas por outro motivos. A lenda urbana utiliza cenas do documentário The Goddess Bunny, que conta a história de uma transexual norte-americana que sofre de poliomielite. Assim, a partir das cenas da dançarina, alguém fez uma edição completamente medonha e criou um pano de fundo igualmente assustador.

O fato é que, mesmo sabendo a verdade, é impossível não ficar arrepiado com o vídeo.

Suicide Mickey

Semelhante ao Obedece a la Morsa, outro vídeo que circula por aí com uma história medonha por trás é o Suicide Mickey, um suposto episódio do personagem da Disney que nunca foi liberado para o público por ser perturbador de mais. E, de fato, não há como não se incomodar com ele.

Trata-se de uma cena em que o personagem caminha com um semblante triste por uma rua ao som de uma trilha sonora bem estranha. Segundo a lenda, o desenho havia sido abandonado pela metade e ninguém deu muito valor para ele até que um funcionário da Disney decidiu digitalizá-lo. Ao fazer isso, ele percebeu que o desenho tinha nove minutos ao invés de apenas três como muitos imaginavam. E seria após a tela preta que estaria o verdadeiro segredo por trás da animação.

Quando a imagem retornava, a música dava lugar a gemidos e murmúrios — quase como se fosse alguém sofrendo e chorando muito. A própria imagem começava a se distorcer, até que um grito surgisse ao fundo à medida que o próprio Mickey começava a ficar desfigurado e algumas cores supostamente impossíveis de serem criadas com a tecnologia da época apareciam.

E é a partir disso que as coisas começam a ficar medonhas de verdade. A creepypasta afirma que tanto o técnico que descobriu o filme quanto um funcionário que deveria esconder aquilo se mataram pouco tempo depois de terem visto seu conteúdo.

Nesse caso, ao contrário dos anteriores, não há qualquer menção à verdade por trás de sua origem. É algo que simplesmente apareceu e ainda circula por aí.

Jeff, The Killer

Essa creepypasta é outra capaz de fazer até mesmo os mais corajosos se mexer desconfortáveis na cadeira. A diferença é que basta uma única imagem para você sentir aquele ruim no estômago e aquele gelado percorrer a sua espinha. Afinal, quem consegue ficar tranquilo diante de um sorriso desses?

Jeff the Killer

E a verdade é que ninguém sabe ao certo qual a história certa dessa lenda. O uso mais comum do meme é em histórias em que Jeff aparece no quarto das pessoas quando elas estão dormindo. Com esse seu rosto completamente distorcido, sorriso medonho e um olhar fixo em sua vítima, ele fica sempre embaixo ou atrás da cama observando sua presa. E, quando é notado, ele apenas sussurra "Vá Dormir", como se esperasse por aquele momento para atacar.

Mas há relatos também de que Jeff foi um garoto que teve o rosto queimado em uma briga quando criança e, depois disso enlouqueceu. Outra versão afirma que ele teve seu rosto desfigurado por causa de ácido e, por já ter uma tendência violenta, surtou e decidiu que iria matar qualquer pessoa que encontrasse pela frente.

Jeff the Killer

Por fim, há a versão que muita gente considera ser a verdade por trás de Jeff, The Killer. Segundo o site Know Your Meme, a imagem de Jeff sorrindo seria, na verdade, uma versão alterada de uma foto de Katy Robinson publicada no 4chan em 2008. Segundo a página, a jovem teria se suicidado após ser vítima de bullying no fórum. Essa história nunca foi confirmada.

O cartucho amaldiçoado de Zelda

Nem só de criaturas sobrenaturais e outras bizarrices consiste essa lista. O último caso de creepypasta é um que você já deve ter encontrado por aí é sobre o cartucho amaldiçoado de The Legend of Zelda: Majora's Mask. O game para Nintendo 64 já é o título mais estranho da série, mas os eventos em torno dele são ainda mais bizarros.

A história surgiu no 4chan (onde mais seria?) após um usuário contar que ganhou a fita de um estranho senhor. O cartucho não tinha nenhuma imagem, apenas a palavra "Majora" escrita sobre o papel. O homem que lhe entregou o presente disse que o game pertencia a uma criança que não morava mais ali. Quando colocou no video game, viu que já existia um save no nome de "Ben". Ele decidiu mater e iniciou um novo jogo.

Quando tentou realizar um glitch famoso na época, o usuário afirmava que Link era levado para o alto da Clock Tower e, de lá, não conseguiu fazer mais nada. Então, ele decidiu devolver o cartucho, mas descobriu que o homem tinha ido embora e, ao conversar com vizinhos, soube que o tal Ben era uma criança que tinha se acidentado e ninguém mais sabia sobre ele.

Quando voltou para casa e tentou jogar de novo, a coisa ficou ainda mais estranha. O console começou a resetar sem explicação e, a cada nova tentativa, aparecia um nome diferente nos saves. Em vez de Ben e Link, o game listava os usuários YOURTURN, DROWNED e MATT.

Para piorar, os bugs começaram a ficar mais frequentes, incluindo NPCs que apareciam de repente, gritos eram ouvidos e algumas músicas começavam a ser tocadas de trás pra frente — que todo mundo sabe ser o método mais popular de o demônio se comunicar. De repente, diálogos estranhos aparecendo na tela, como se o cartucho estivesse falando com o jogador. "BEN está ficando solitário..." e "Você não deveria ter feito aquilo" foram apenas algumas das mensagens que foram exibidas na tela.

Zelda amaldiçoado

Em seu relato no 4chan, o usuário diz que começou a se sentir deprimido, principalmente após saber que o tal Ben havia morrido afogado e, de alguma maneira, sua alma estava ligada àquele cartucho. Assim, o novo dono decidiu nunca mais encostar na fita, embora tenha afirmado sentir a presença do garoto morto sempre o observando.

Fontes: Assombrado, Know Your Meme, Mundo Freak

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.