Publicidade

Ouça "Now and Then", nova música dos Beatles criada com ajuda da IA

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 03 de Novembro de 2023 às 12h26

Link copiado!

Nick Fewings/Unsplash
Nick Fewings/Unsplash

Ferramentas de IA e aprendizado de máquina permitiram que os Beatles lançassem uma nova música com participação dos membros da formação original, mesmo após as mortes de John Lennon e George Harrison. A canção “Now and Then” foi criada a partir de uma demo de baixa qualidade deixada por Lennon e que por anos parecia difícil de ser reutilizada e já está disponível nas plataformas digitais.

A evolução da tecnologia possibilitou a recuperação da antiga gravação, com o isolamento da voz de Lennon e a separação da faixa de piano. A partir desse material, Paul McCartney e Ringo Starr produziram novos arranjos de baixo e bateria para chegar ao resultado lançado nesta semana ao público.

IA + Beatles

Continua após a publicidade

Foi a produção do documentário Get Back, dirigido por Peter Jackson e lançado em 2021 no Disney+, que possibilitou a retomada dos trabalhos com a antiga demo de Lennon. A equipe de Jackson desenvolveu a tecnologia necessária para separar os trechos de áudio e dividir os componentes musicais.

A ferramenta permitiu isolar e limpar a voz de Lennon dos ruídos da gravação para ser utilizada na canção com o acréscimo de outros instrumentos. A IA não gerou conteúdo novo ou artificial com a voz do cantor, apenas recuperou o antigo material, o que reduz possíveis implicações éticas sobre uso de IA e deepfakes para gerar conteúdo novos de artistas já falecidos. Na prática, a tecnologia apenas refinou o conteúdo pré-existente, sem interferir de maneira incisiva.

Com a expansão das IAs neste ano, McCartney e Starr perceberam que a tecnologia oferecia a oportunidade de concluir “Now and Then” do jeito que gostariam e honrando o legado e a memória de seus companheiros de banda. "Digamos que eu tivesse a chance de perguntar ao John 'Ei, John, você gostaria que nós finalizássemos esta última canção sua?' Eu digo a você, eu sei que a resposta teira sido 'Com certeza!' Ele teria amado", disse McCartney em um minidocumentário sobre a canção.

Filho de John Lennon e da artista japonesa Yoko Ono, Sean Ono Lennon também garante que seu pai teria aprovado a canção. "Meu pai teria amado porque ele nunca teve problema em experimentar o uso da tecnologia nas gravações", comentou.

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Now and then

Além da voz e do piano da antiga demo de Lennon, a versão lançada ao público reaproveita também o trabalho realizado na canção por Harrison nos anos 1990. Com a adição de novos arranjos criados por Starr e McCartney, a versão que chega ao público pode ser considerada uma música legítima dos Beatles — ainda que com uma “nota” de inteligência artificial.

O resultado da obra você pode conferir abaixo:

Continua após a publicidade

Inéditas pós-Beatles

Esta não foi a primeira vez que os Beatles trabalharam em “novas” canções após o fim da banda. Em 1995, Paul McCartney, Ringo Starr e George Harrison produziram faixas especiais para a coleção Anthology a partir de gravações demo de Lennon. O trio finalizou duas músicas naquela ocasião: “Free as a Bird” e “Real Love”.

No entanto, os artistas não conseguiram completar uma versão para “Now and Then” devida às limitações técnicas da época. A canção ficou de fora da coleção e parecia destinada a nunca ser conhecida do público. 

Continua após a publicidade

“Na gravação de John, o piano era um pouco difícil de ouvir. E naquela época não tínhamos a tecnologia para fazer a separação de áudio”, contou McCartney no minidoc (assista acima).

A dúvida sobre a sua eventual finalização aumentou com a morte de George Harrison, em 2001, mas, ao que tudo indica, a qualidade alcançada graças à ajuda da inteligência artificial convenceu os beatles remanescentes de que era hora de levar o material à sua imensidão de fãs.