Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Elon Musk quer criar os primeiros robôs sencientes do mundo

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 25 de Janeiro de 2022 às 12h09

Link copiado!

Reprodução/Tesla
Reprodução/Tesla

No AI DAY 2021, a Tesla apresentou o Dojo, seu mais recente supercomputador para treinar redes neurais, além de anunciar planos para construir o Tesla Bot, também conhecido como Optimus, um robô humanóide de propósito geral. Desta vez, Elon Musk revelou que planeja envolver sua empresa na criação dos primeiros robôs sencientes (capazes de ter sensações e sentimentos de forma consciente) do mundo.

O anúncio pode parecer assustador, visto que os robôs terão um certo nível de autonomia, mas o CEO ressaltou que tem uma solução para evitar que as máquinas virem um problema através do controle "descentralizado" dos Tesla Bots. As novas declarações são uma surpresa dadas as advertências anteriores de Musk sobre a criação de máquinas com inteligência artificial.

Em um tweet, Musk afirmou que o Optimus poderá desempenhar um papel no desenvolvimento da Inteligência Artificial Geral (AGI, na sigla em inglês), o que se refere à fase em que a tecnologia corresponde ou supera a capacidade intelectual humana.

Continua após a publicidade

Com a declaração, é possível imaginar que os engenheiros e pesquisadores responsáveis pelo desenvolvimento de IA da Tesla estão próximos de tornar a inteligência artificial senciente uma realidade, além de desenvolver carros cada vez mais eficientes e inteligentes.

Não se sabe ao certo quando o Optimus e a nova tecnologia serão lançados, mas uma grande parte dos cientistas e especialistas no assunto acredita que a AGI ainda está longe de ser alcançada, enquanto outros acreditam que a chegada da tecnologia é inevitável.

Riscos da IA

Segundo os especialistas, os riscos que a inteligência artificial traz não são exatamente aqueles dos filmes com robôs revoltados criando consciência própria e dominando o mundo, mas eles estão relacionados a um objetivo que os humanos especificam mal. A utilização da IA para divulgar fake news, manipular o discurso público, tornar carros autônomos em armas, a criação de algoritmos treinados com tendências preconceituosas são alguns dos exemplos.

É importante que as empresas trabalhem o tema com bastante cautela e especifiquem os objetivos da IA com muita precisão, sempre pensando nas possíveis consequências e aprimorando o processo aprendizagem de máquina, um ramo da IA baseado no conceito de que sistemas podem aprender com dados, identificar padrões e tomar decisões com o mínimo de intervenção humana.

Fonte: Futurism