Brasileiro cria termostato pessoal que funciona como ar-condicionado de pulso

Brasileiro cria termostato pessoal que funciona como ar-condicionado de pulso

Por Gustavo Minari | Editado por Douglas Ciriaco | 29 de Julho de 2021 às 18h38
Reprodução/Apse Tecnologia

Que tal ter um ar-condicionado de pulso capaz de esfriar em dias quentes ou aquecer o seu corpo no inverno com um simples apertar de botões? O termostato pessoal é um projeto do empresário brasileiro Ranieri Silvestre, que teve a ideia do dispositivo ainda aos 16 anos, quando ainda cursava o ensino médio em uma escola pública de Suzano, região metropolitana de São Paulo.

A Apser é uma pulseira que promete manter o conforto térmico corporal por meio de ondas de frio e calor transmitidas pelo vestível em contato com a pele. Esse sistema consegue alterar a percepção de temperatura em tempo real, permitindo o controle constante das sensações em ambientes quentes ou gelados.

“A temperatura é algo muito pessoal, o que acaba influenciando diretamente nossas emoções no dia a dia", comenta Silvestri. "Esta tecnologia proporciona um bem-estar de forma geral, por meio da personalização da temperatura individual, algo impossível nos smartwatches e smartbands atuais."

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O gadget pode ser usado como um smartwatch ou smartband (Imagem: Reprodução/Apse Tecnologia)

Como funciona

Um componente termoelétrico produz ondas controladas de calor e de frio enviadas diretamente para o pulso do usuário. Essa região possui termorreceptores sensíveis às mudanças de temperatura externa que se comunicam com o resto do corpo por meio do sistema nervoso, fazendo com que o estímulo nessa faixa de pele gere o conforto térmico.

A Apser estimula a região do pulso para dar conforto térmico ao corpo todo (Imagem: Reprodução/Apse Tecnologia)

O efeito criado pela pulseira emula as sensações físicas causadas no cérebro quando uma pessoa segura uma caneca de chá quente em um ambiente mais frio ou quando uma bolsa com água gelada é colocada sobre a testa de um atleta para aliviar o calor do corpo todo, permitindo que a percepção térmica seja alterada instantaneamente e de forma progressiva.

Tecnologia

O sistema utilizado na pulseira não requer o congelamento ou aquecimento de água, gel ou qualquer outro fluido para funcionar. Uma carga de bateria dura entre 15 e 50 ciclos de atuação, dependendo da intensidade do uso. Já a transmissão das ondas de frio e calor em pulsos alternados impede que a pele se acostume com a temperatura durante longos períodos.

Aplicativo possui modos pré-definidos para duração do estímulo térmico (Imagem: Reprodução/Apse Tecnologia)

Com um aplicativo próprio, é possível selecionar modos pré-definidos de funcionamento, como a duração do estímulo, tipos e intensidades de ondas de frio ou calor que serão transmitidas pela pulseira após uma atividade física intensa ou ao entrar em um ambiente que gere algum desconforto térmico, por exemplo.

Por enquanto, a startup responsável pelo projeto estuda uma forma viável para fabricar o produto em escala comercial. O lançamento da pulseira deve ser feito em março ou abril de 2022 por meio de financiamento coletivo, com preço estimado em R$ 800. Detalhes sobre cores, versões e interação com outros dispositivos móveis ainda não foram divulgados.

Segundo Silvestre, quando a pulseira chegar ao mercado, ela poderá ajudar mulheres grávidas ou na menopausa ou qualquer pessoa com calor ou frio crônicos na busca por bem-estar térmico — e tudo ao alcance de um botão.

Fonte: Apse Tecnologia

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.