IBM apresenta primeiro chip do mundo produzido em 5 nanômetros

Por Redação | 06 de Junho de 2017 às 10h40

A IBM apresentou nesta semana o primeiro chip de 5 nanômetros do mercado. O componente foi desenvolvido em parceria com a Samsung e a GlobalFoundries e chama a atenção não apenas pelas características que se esperam dele, como poder e desempenho, mas pelo uso de uma nova tecnologia integrada à sua produção. O trio conseguiu superar uma barreira que a indústria como um todo encarava e conseguiu produzir uma peça menor do que os 7 nanômetros que era feito até então.

Até então, o processo de produção de chips — chamado de FinFET — não tinha como entregar algo abaixo desses 7 nm simplesmente por considerar impossível trabalhar em uma área tão pequena. No entanto, o trabalho da IBM em conjunto com essas outras empresas conseguiu driblar esse impedimento a partir de um pequeno truque. A partir do chamado GAAFET, a companhia voltou a trabalhar na redistribuição de seus transistores.

Até então, para conseguir chegar à marca dos 7 nm, a IBM fez um pequeno truque de abandonar a lógica 2D na organização desses componentes para passar a trabalhar com uma área tridimensional. No entanto, com o GAAFET, ela volta para o 2D ao mesmo tempo em que diminui a sua complexidade. Isso porque essa nova tecnologia utiliza a tecnologia EUV (Extreme Ultraviolet) de litografia, que usa um comprimento de onda muito curto que permite uma impressão de apenas 5 nanômetros.

O processo é tão incrível e abre tantas novas portas que a própria IBM já disse que é possível ir além e produzir chips ainda menores, podendo chegar a 3 nanômetros muito em breve.

Como isso afeta a minha vida?

Toda essa salada de letrinhas pode não dizer nada para o consumidor comum, mas a sua aplicação certamente vai ser sentida por todos em um futuro próximo. Essa redução no tamanho dos chips permite um aumento no desempenho de componentes básicos, como um processador. De acordo com os criadores desse colosso em miniatura, o novo chip apresenta desempenho até 40% maior do que os chips de 10 nanômetros. Além disso, eles consomem 75% menos energia. Isso significa, na prática, que o seu processador do futuro pode ser muito mais poderoso e econômico — o que é excelente para os dispositivos móveis, por exemplo.

Diante disso tudo, você deve estar se perguntando quando vai ver essa tecnologia chegando à sua casa. Infelizmente, não há a menor previsão para que isso aconteça, já que a própria IBM tem outras prioridades no momento — como otimizar a produção de chips de 7 nm baseados em silício-germânio. Somente depois disso é que ela vai pensar nos 5 nm.

Sendo bastante otimista, os chips de 7 nanômetros devem chegar ao mercado apenas em 2019 pelas mãos das parceiras da IBM, como a própria Samsung, AMD e Qualcomm. Se isso acontecer, os 5 nanômetros devem ser uma realidade apenas em 2021.

Via: Ars Technica

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.