Análise | Primeiro DLC de Immortals Fenyx Rising expande melhor elemento do game

Por Felipe Demartini | 02 de Fevereiro de 2021 às 10h11
Divulgação/Ubisoft

Immortals Fenyx Rising surgiu como uma grata surpresa no portfólio normalmente recheado de opções em mundo aberto entregue pela Ubisoft ano após ano. Lançado em dezembro, o game chamou a atenção em meio a séries consagradas por suas inspirações em clássicos absolutos e, também, por apresentar um tom diferente da seriedade e foco que tradicionalmente vemos em séries como Assassin’s Creed ou Watch Dogs.

A aventura original nos colocava em um mundo recheado de coisas a fazer, com uma jogabilidade leve e cheia de referências, onde os enigmas eram o principal destaque. E é justamente neles que a produtora foca em Um Novo Deus, primeira expansão de Immortals Fenyx Rising, que vem para tocar pouco na história, mas expandir o aspecto mais interessante da experiência original.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Na trama que justiça a adição, Fenyx é convocada pelos deuses para, quem sabe, ocupar um assento ao lado deles no Olimpo. Ela venceu os desafios impostos por Tifão e, agora, deve se provar mais uma vez para as próprias divindades, em uma série de desafios impostos por eles. Em troca, além do posto alto, também recebe itens, equipamentos e melhorias exclusivas da expansão.

Como o ensejo já indica, e vamos falar pouco sobre o enredo de forma a evitar os spoilers, essa é uma aventura que deve ser encarada apenas depois que o jogador já tiver finalizado a campanha principal — ou, pelo menos, esteja avançado nela. Isso se deve não apenas ao fato de que a trama serve como uma continuação direta dos eventos centrais de Immortals Fenyx Rising, mas também pelo fato de os desafios impostos pelos deuses exigirem conhecimento das mecânicas do título, assim como um bom uso de elementos obtidos ao longo da evolução da protagonista.

Expandindo o melhor

DLC Um Novo Deus, de Immortal Fenyx Rising, nos leva ao Olimpo para provar o valor da protagonista em novos desafios impostos pelas divindades (Captura de tela: Felipe Demartini/Canaltech)

Um Novo Deus é um conteúdo quase feito sob medida para quem curtiu os puzzles da história principal, mostrando, também, que a equipe da Ubisoft Quebec sabe muito bem o que cairia como ponto mais divertido do game para os jogadores. No extra, temos dungeons ainda maiores e mais complexas que as do jogo base, ocupando mais tempo do usuário na resolução de cada enigma e, também, exigindo que ele quebre mais a cabeça.

Isso também se traduz em mais puzzles envolvendo a física e o lançamento de objetos, além de novas combinações de habilidades conhecidas para permitir a navegação por um cenário flutuante. Um salto errado pode significar uma queda dos céus, sem o conforto do gramado verde da campanha original para que Fenyx possa se recuperar. Um pouco de energia perdida depois, porém, dá para começar tudo de novo.

Essa mudança de cenário, entretanto, deixa de lado o aspecto rico e cheio de atrações do original. Não estamos mais nas terras verdejantes onde enfrentamos Tifão, com o mapa um bocado vazio soando até estranho quando comparado com a profusão de elementos do cenário original. Novamente, há de se levar em conta que estamos falando de um DLC focado nos enigmas e masmorras, e quase que exclusivamente neles.

Conteúdo extra não é focado na história, expandindo os enigmas de Immortals Fenyx Rising e exigindo mais habilidade do jogador (Captura de tela: Felipe Demartini?Canaltech)

Os desafios propostos por cada um dos deuses do game original também carregam um pouco das características de cada um, além de terem sua aparência refletida nos próprios cenários. Chama a atenção o nível de dificuldade mais alto em relação ao título original, além do fato de, como já dito, as dungeons se estenderem por mais tempo e trazerem exigências maiores em relação ao Tártaro do game original, por exemplo.

Nesse sentido, há de se perceber uma progressão no nível de desafio, de uma forma que nem mesmo o game original fez de forma precisa. É possível iniciar pelo deus que quiser, bem como alternar entre eles a todo momento, mas as “fases”, se é que podemos chamar assim, são todas finalizáveis desde o primeiro momento, com o jogador não correndo o risco de navegar até um local para, ao chegar, descobrir que não pode cumprir a etapa por não ter as habilidades necessárias.

Ao mesmo tempo, não há tanto foco assim no combate e os jogadores que estiverem com os upgrades em dia tirarão de letra os encontros com inimigos que, também, não são um foco aqui. Ainda que os encontros com Cerberus e soldados dominados chame a atenção, eles aparecem apenas como uma variação rápida à navegação e uso de elementos ambientais para resolver puzzles.

Um Novo Deus não adiciona nada de essencialmente novo à fórmula de Immortals Fenyx Rising, ainda que conte com elementos de cenário não vistos no original, mas na realidade, não é como se pudéssemos efetivamente esperar por isso de um conteúdo dessa categoria. Com o DLC, a Ubisoft dá a sensação de estar preparando os motores — ou as asas, para nos mantermos no tema — para conteúdos mais substanciais; por enquanto, a ideia é expandir a força do título e entregar mais coisas para os jogadores fazerem.

Um Novo Deus traz novas formas de utilização para as habilidades de Immortals Fenyx Rising. Além do risco de spoilers, o ideal é que o jogador já tenha avançado na campanha principal antes de encarar os desafios do DLC (Captura de tela: Felipe Demartini/Canaltech)

Mais uma vez, o título da Ubisoft exige que o jogador entre no mundinho e compre a aventura, sem explorar as beiradas. A arquitetura aberta dos mapas de Um Novo Deus permite, às vezes, que o jogador simplesmente salte por cima de um desafio ou voe ao redor dele até a próxima etapa, algo que derrota o propósito de todo o conteúdo — essa possibilidade parece ter sido até mesmo pensada, já que, em dois momentos, Hermes deixa claro que Fenyx não deve trapacear, ainda que não exista nenhuma punição real caso ela faça isso.

Ainda assim, a adição surge como bem sucedida para um game que, por si só, já é cheio de coisas para serem feitas. Ao mudar os desafios de cenário e também alterar a forma como o jogador lida com eles, também garantindo novos equipamentos e elementos para a jogatina principal, a Ubisoft faz, ao mesmo tempo, um trabalho de expansão e preparação, já que mais está por vir.

Quem não quiser embarcar de cabeça na aventura pode ter uma prévia dela na versão base de Immortals Fenyx Rising, com uma missão na parte inferior do mapa servindo como introdução ao DLC, que pode ser comprado separadamente ou como parte do passe de temporada do título.

Um Novo Deus foi lançado no dia 28 de janeiro de 2021 em versões PC, PlayStation 5, Xbox Series X|S, Nintendo Switch, PS4 e Xbox One. No Canaltech, o DLC foi testado no PC, em cópia digital gentilmente cedida pela Ubisoft.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.