DirectX 12 Ultimate unificará gráficos de jogos para PC e console

Por Rafael Arbulu | 20 de Março de 2020 às 10h48
(Imagem: Divulgação/NVidia)

A GDC pode ter sido cancelada, mas as novidades pertinentes ao maior evento do mundo para a indústria de desenvolvimento de jogos seguem a todo vapor. Em apresentação para a imprensa nesta quinta-feira (19), a Nvidia mostrou o que planeja oferecer aos gamedevs no que tange à área gráfica para os jogos de 2020.

Entre diversas novidades, destacou-se o anúncio do suporte ao DirectX 12 Ultimate (DX12 Ultimate), o mais recente conjunto de APIs da Microsoft, à linha de placas de vídeo GeForce RTX. Os modelos dessa linha são, segundo a Nvidia, os mais indicados para entusiastas de algumas tendências bem em alta no setor, como ray tracing e outros nomes bem técnicos, como variable rate shading, mesh shader e sampler feedback. A própria Microsoft também promoveu uma conferência para falar do DX12 Ultimate.

Embora os nomes sejam bem pomposos, sua compreensão é relativamente simples: “A ideia é oferecer ao desenvolvedor o ganho de desempenho que ele sempre teve, mas sem sacrificar a qualidade de imagem”, explica Alexandre Ziebert, gerente de marketing técnico da Nvidia, em entrevista ao Canaltech. Segundo ele, os nomes acima contribuem para a criação de um ecossistema que facilita a vida do desenvolvedor na hora de criar a parte visual de um jogo.

(Imagem: Divulgação/NVidia)

Segundo as empresas, a tecnologia funciona ao trazer uma espécie de “unificação” entre os gráficos de jogos para PC e console. Basicamente, a ideia da Microsoft é que jogos em ambas as plataformas compartilhem do DX12 Ultimate a fim de simplificar o processo de desenvolvimento sem perder qualidade de imagem ou processamento.

“O Xbox One, por exemplo, tem três sistemas operacionais, cada um com sua finalidade. O Xbox Series X, em tese, tem o mesmo sistema de um PC, salvo pelas suas particularidades, mas a ideia é que o kernel seja o mesmo. Para a Microsoft, há uma importância de que isso seja unificado [entre Windows e consoles de mesa]. A grosso modo, isso permite que o desenvolvimento de jogos dentro do DX12 Ultimate siga o mesmo processo independente da plataforma, ao invés do que se vê hoje, onde cada um tem o seu próprio método de aplicação”, endossa Ziebert.

Ele ainda argumenta que, sob o mesmo guarda-chuva, dificuldades relacionadas à integração de recursos seriam minimizadas, quando não anuladas.

A ideia de unificação é uma que a própria Microsoft vem perseguindo há tempos: ultimamente, vemos uma mudança no discurso da empresa ao transformar o Windows 10 em uma plataforma de serviço (constantemente atualizada) ao invés de lançar uma nova versão do sistema operacional a cada grande atualização. No que tange aos consoles, a companhia de Redmond vem, dentro do possível, adotando a mesma premissa, aprimorando serviços de conectividade como o Xbox Game Pass. Essa ideia de “jogos como serviço” deve ditar os rumos da Microsoft em 2020.

E o DirectX 12 Ultimate também será padrão no Xbox Series X, o próximo console da Microsoft, previsto para ser lançado entre novembro e dezembro de 2020.

Wolfenstein Youngblood é um dos jogos que já usam a nova tecnologia em certas escalas

Mas o que a Nvidia tem a ver com isso? Segundo a apresentação da empresa, sua API proprietária para ray tracing (NVidia Optics) foi incorporada como padrão ao processo de ray tracing dentro do DX12 Ultimate.

A nova API da Microsoft é fundamentada nos quatro pilares essenciais que nomeamos acima. Todos eles trabalham em conjunto para assegurar que existe uma comunicação fluída entre hardware e software em ambas as plataformas. E com base nisso, Ziebert tomou um pouco do seu tempo para detalhar o que faz cada um dos pilares:

1. Ray Tracing

Começando pelo mais conhecido, o ray tracing é, resumidamente, o um recurso gráfico que permite a jogos e outros produtos audiovisuais reproduzirem efeitos e consequências de luz com alta fidelidade. “Pense em uma superfície que mostre o reflexo do personagem: o ray tracing faz isso de forma correta”. E isso vale para tudo, desde o reflexo de um personagem em uma superfície espelhada até a distorção irreal dessa imagem se o reflexo for, digamos, as curvas da lataria de um carro; até mesmo a sombra projetada por um obstáculo à luz. É o ray tracing que assegura que tudo isso seja representado fielmente.

(Imagem: Divulgação/NVidia)

2. Variable Rate Shading (VRS)

Basicamente, é um recurso que faz com que o sistema priorize áreas de reprodução visual, reduzindo a qualidade propositalmente em áreas menos importantes para valorizar aquelas onde o jogador tende a prestar mais atenção. Segundo Ziebert, dentro da tecnologia da Nvidia existem tiers de VRS, com destaque para o segundo tier, que permite um ajuste mais fino de imagem, em duas atribuições específicas da empresa — Content Adaptative Shading (“voltado para imagens estáticas, por exemplo, uma mesa no cenário”) e Motion Adaptative Shading (“quando a câmera muda de visão e a imagem fica levemente embaçada, tal qual acontece com o olho humano”). “Ambos são combinados na renderização inteligente de ambos os objetos. Um jogo que já faz uso disso é Wolfenstein: Youngblood", explica o gerente.

(Imagem: Divulgação/NVidia)

3. Mesh shaders

“Dentro do pipeline gráfico nas APIs tradicionais da Nvidia, há anos você conta com unidades gráficas dedicadas a processarem geometria”, explica Ziebert, dizendo que isso pode ser enxergado, por exemplo, como triângulos que são incorporados ou deletados de uma imagem conforme a sua capacidade de vê-los. “Em nossa demo de Asteroids, isso foi bastante aplicado: imagine um asteróide... você vê a parte da frente, mas não a de trás, então não há necessidade de gastar desempenho com o que você não enxerga. Em compensação, aquilo à sua frente terá uma qualidade superior de imagem. Basicamente, você passa as coordenadas de um objeto para a GPU e ela traduz isso em imagem na tela. Nas versões atuais, esse recurso funciona como uma função dentro da GPU, sem interferência do processador, ou seja, ganho de desempenho e de qualidade de imagem”.

(Imagem: Divulgação/NVidia)

4. Sampler Feedback

Esse recurso assegura uma melhor qualidade visual ao mesmo tempo em que entrega um tempo de loading mais curto e menos engasgos de processamento, usado por desenvolvedores para fazer com que texturas sejam carregadas na tela apenas quando elas forem necessárias.

“A ideia disso é que [o sistema] possa, em vez de montar a imagem completa a cada frame, fazer isso com pedaços da imagem, salvando tudo como se fosse uma textura e, no quadro seguinte, reaproveitando essa textura”. Na apresentação da Nvidia, foi dado o exemplo de uma montanha. Ziebert se aprofundou nessa ideia: “em uma montanha, você vê os mesmos 20 ou 30 quadros, então isso não precisa ser feito e refeito 20 ou 30 vezes”. O executivo assegura que essas pequenas ações, provenientes da aplicação da inteligência artificial no sistema gráfico, trazem ganhos otimizados de performance sem afetar a qualidade da imagem.

Ziebert explica que, embora no Windows os ganhos não sejam tão significativos (mas igualmente notáveis e bem-vindos), é no Xbox Series X que isso vai se mostrar mais evidente: “estamos falando em ganhos dobrados ou triplicados em memória física e desempenho de SSD".

A Nvidia ainda coletou depoimentos de alguns profissionais de estúdios de desenvolvimento que já vêm experimentando com o DX12 Ultimate há algum tempo:

Marcus Wassmer, diretor de engenharia e gráficos da Epic Games

"O DX12 Ultimate traz o que há de mais recente em tecnologia de hardware gráfica com suporte aoray tracing, mesh shaders e variable rate shading. É o novo padrão para a próxima geração de jogos".

Anton Yudintsev, CEO da Gaijin Entertainment

"Ao investir nas funções gráficas da nova geração usando o DirectX 12 Ultimate, nós sabemos que nosso trabalho será beneficiado tanto no PC como nos consoles, e nossos jogos terão o visual que sempre sonhamos que tivessem".

Chris Larson, COO da Hi-Rez Studios

"O DirectX 12 Ultimate vai acelerar a adopção de função gráficas de ponta porque as plataformas de desenvolvimento não estão mais fragmentadas. Com ele, eu sei que posso adotar funções gráficas inovadores imediatamente, e que elas funcionarão no PC e nos jogos do Xbox. Já estamos experimentando com o DirectX Ultimate para o jogo Rogue Company, que será lançado ainda em 2020".

Koen Deetman, CEO e diretor de jogos da KeokeN Interactive

"Como um desenvolvedor, uma API única para OC e Xbox é uma bênção para meus negócios. Se meus programadores conhecem o DX12 Ultimate, eles são capazes de codificar tanto para PC como para console".

Mina Boström Nakicenovic, CTO da Paradox

"O DirectX 12 Ultimate vai acelerar a adoção de novas tecnologias e encolher ciclos de desenvolvimento. As ferramentas e amostras oferecidas pela Nvidia para o ray tracing são de uma classe superior, e o DirectX 12 Ultimate significa que elas agora beneficiam a versão do meu jogo para Xbox".

Mika Vehkala, director de tecnologia da Remedy Entertainment

"O DirectX 12 Ultimate será o acelerador da adoção de tecnologia gráfica de ponta nos videogames, simplesmente porque não existirá mais fragmentação de plataformas. Com o DirectX 12 Ultimate, nós vamos adotar funções visuais em múltiplas plataformas mais rápido do que nunca".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.