Com remasters e coleções antigas, Blizzard mostra que ainda vive de passado

Com remasters e coleções antigas, Blizzard mostra que ainda vive de passado

Por Wagner Wakka | 24 de Fevereiro de 2021 às 10h12

A Blizzard está fazendo 30 anos em 2021. A companhia é uma das mais tradicionais entre as desenvolvedoras de game, com uma história de sucesso de dar inveja a concorrentes. Muito por conta disso, a BlizzConline, evento para fãs da gigante, focou em olhar para o passado.

Grande parte das novidades apresentadas no evento não eram exatamente novas. A cerimônia de abertura começou com o anúncio do Arcade Collection, um pacote com três jogos clássicos da gigante relançados para plataformas recentes. A coleção comemorativa aos 30 anos da companhia traz Rock N 'Roll Racing, The Lost Vikings e Blackthorne.

Além disso, um dos destaques da BlizzConline foi o anúncio da remasterização de Diablo II. O game chega com novas texturas em 4K e melhorias sonoras, mantendo 70% da experiência original, de acordo com os desenvolvedores. A ideia é pegar na nostalgia dos fãs da franquia.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ainda com foco no passado, a Blizzard anunciou os planos para a chegada de Burning Crusade, expansão para World of Warcraft Classic. Trata-se da versão relançada do game para quem quer voltar para aquela experiência inicial do game original de 2004.

Fora essas revisitações a versões antigas de seus games, a Blizzard também falou sobre novidades de novas entradas para franquias já consagradas, entre elas Overwatch 2 e Diablo IV.

Ou seja, mais da metade da cerimônia de apresentação do evento, em que a empresa coloca os destaques de suas franquias, foi voltada a produtos já lançados, mas com roupagem moderna. O resto trouxe séries já bem fortalecidas entre os jogadores, mas com lançamentos só para depois de 2021. Nada completamente inédito.

Isso levanta a questão: o que novo de fato a Blizzard tem na manga para mostrar nos próximos dois anos? O Canaltech teve a oportunidade de participar de uma entrevista coletiva com J. Allen Brack e Allen Adham, respectivamente o presidente e cofundador da Blizzard.

Questionados sobre quando podemos esperar por novas propriedades intelectuais (IP), eles responderam: “Deixa eu falar um pouco sobre a nossa filosofia aqui. A primeira coisa que você precisa ter em mente é que a nossa segunda IP mais nova na Blizzard é, na verdade Diablo. Foram 18 anos entre a criação de Diablo 1 e a criação e anúncio de Overwatch. Ou seja, 18 anos para fazer uma nova IP. Isso é muito tempo”.

“Não posso dizer quando vamos anunciar isso [algo novo], mas sempre existe uma fruição em desenvolver coisas novas. Não posso dizer que temos algo para os próximos dois anos, mas é importante para nossa comunidade que estejamos sempre trabalhando e pensando em algo novo”, desviou o presidente da empresa.

O longo tempo de desenvolvimento para um novo jogo é uma das marcas da companhia. Contudo, a Blizzard é parte da Activision, companhia de capital aberto e que tem uma exigência por manter o ritmo de novos título e lucro.

Segundo relatório financeiro da Activision Blizzard apresentado no início de fevereiro, o braço Blizzard da companhia foi o menos rentável em 2020. O segmento faturou US$ 1,9 bilhões, em comparação com US$ 2,1 bilhões da King e US$ 3,9 bilhões da Acitvision.

Resultado financeiro da Activision Blizzard em 2021 (Foto: Divulgação/Activision)

Atualmente, também é o setor com menor número de usuários ativos, somando 29 milhões mensais. Segundo o relatório, o segmento se mantém principalmente pelo alto número de jogadores de World of Warcraft.

Apesar desses números, a companhia não parece pretender mudar a forma como desenvolve seus jogos. “Existe um prazer em desenvolver novas coisas e é isso que garantiu o sucesso da Blizzard pelos últimos 30 anos. Esse é o plano para os próximos 30 anos também, novos games, novas IPS. É o que vai nos tornar atrativos para os principais desenvolvedores do mundo”, disse Adham.

Ou seja, podemos esperar novidades da companhia, mas sem ansiedade. A gigante trabalha a seu tempo. Segundo Brack, não será preciso esperar mais 18 anos para que algo realmente novo apareça para a companhia, mas o futuro com uma nova IP ainda parece longe de se concretizar.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.