AC Odyssey teria só Kassandra como jogável, mas Ubi vetou: “mulher não vende”

AC Odyssey teria só Kassandra como jogável, mas Ubi vetou: “mulher não vende”

Por Wagner Wakka | 22 de Julho de 2020 às 14h15
Ubisoft

Kassandra, uma das protagonistas de Assassin’s Creed Odyssey, era para ser a única personagem jogável do game. Contudo, o diretor criativo Serge Hascoët fez a equipe retroceder sob o argumento de que “mulher não vende”. A informação surgiu após uma série de entrevistas do jornalista da Bloomberg, Jason Schreier, sobre a cultura de assédio da Ubisoft, principalmente por conta da direção de Hascoët, que foi demitido após denúncias.

A informação é apenas uma da série de casos que o jornalista relata sobre os problemas da companhia. “Um dos detalhes que descobri quando escrevia esta matéria: os desenvolvedores de Assassin’s Creed Odyssey queriam que a Kassandra fosse a única protagonista jogável, mas o time de marketing e o diretor criativo Serge Hascoët não permitiram isso. 'Mulheres não vendem', disseram eles”, descreve Schreier em seu perfil no Twitter.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

No início do jogo, também é possível escolher jogar com Alexios, o protagonista masculino. A mudança será mantida para Assassin's Creed Valhalla, que será lançado ainda este ano com temática viking.

O relato foi reforçado por Jill Murray, ex-roteirista de Assassin’s Creed e Tomb Raider. Ela aponta que o time editorial informou que “o protagonista tinha que ser HOMEM BRANCO HETEROSSEXUAL ALPHA”.

Outra que fez coro às acusações foi Marie Jasmin, designer de UI-UX que trabalhou na Ubisoft e está atualmente na Bethesda. “Eu estava no estúdio de Montreal de Assassin’s Creed 2 ao 10 (Origins) e executivos da Ubisoft disseram que ‘mulheres não vendem’ TODAS AS VEZES. Eu estava no grupo que lutou com unhas e dentes para que Evie, e depois Kassandra, ao menos existissem. Soube que, antes disso, muitas tentativas foram perdidas”, publicou.

A reportagem completa está disponível no site da Bloomberg com outros relatos sobre casos de assédio da empresa. A Ubisoft negou o pedido de comentário para o veículo.

Fonte: Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.