United Launch Alliance não vai mais comercializar o histórico foguete Atlas V

United Launch Alliance não vai mais comercializar o histórico foguete Atlas V

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 26 de Agosto de 2021 às 19h30
United Launch Alliance

A United Launch Alliance (ULA) não mais comercializará seu foguete Atlas V e também não comprará mais os motores de fabricação russa até então utilizados neste que um dos veículos de lançamentos mais importantes para a história espacial dos EUA. A decisão da ULA, então, sinaliza o fim do potente motor russo RD-180, a principal fonte de receita para o programa espacial da Rússia nos últimos anos.

A ULA é um empreendimento em conjunto entre as empresas Boeing e Lockheed Martin, e ainda tem 29 missões restantes com o Atlas V — que incluem clientes comerciais, a Força Aérea dos EUA, a NASA e constelação de satélites de banda larga da Amazon, através do projeto Kuiper. O Atlas V deve se aposentar de vez em meados desta década, mas a ULA já prepara o novo foguete para ocupar seu lugar, chamado Vulcan.

(Imagem: Reprodução/ULA)

Lançado pela primeira vez em 2002, o Atlas V foi crucial para criar o quase monopólio da ULA nas missões de satélite de segurança nacional dos EUA e outras iniciativas de exploração espacial da NASA — como todas as missões robóticas para Marte. No entanto, quando os EUA sancionaram a Rússia por sua anexação da Crimeia, em 2014, o Congresso norte-americano ordenou que a Força Aérea encerrasse a dependência do Atlas V pelos motores russos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

De acordo com Tory Bruno, CEO da ULA, atualmente existem cerca de três ou quatro motores RD-180 instalados em foguetes Atlas V para as missões restantes, e os demais estão guardandos em um depósito. “Aceitamos a entrega antecipada, por assim dizer, do RD-180, então posso encerrar essa relação e não ficar dependente [da Rússia], porque foi isso que o Congresso nos pediu para fazer”, acrescenta Bruno. No total, os EUA adquiriram 122 motores RD-180, o que gerou alguns bilhões em receita para a Rússia. Sem a ULA como cliente, provavelmente a linha de produção destes motores chegará ao fim.

Em 2017, Igor Koramov, então diretor da agência espacial russa Roscosmos, disse que a agência recebeu alguns pedidos de países que queriam desenvolver seus lançadores e sua experiência no espaço com os motores RD-180, mas, até agora, nenhum cliente em potencial foi revelado. Além disso, o motor russo foi crucial para permitir que o Atlas V competisse com o Falcon 9, da SpaceX — um foguete reutilizável bem mais em conta que enfraqueceu o “monopólio” da ULA sobre os contratos de lançamentos do governo.

Foguete Vulcan (Imagem: Reprodução/United Launch Alliance)

À medida que a concorrência com a SpaceX aumentava, a ULA reduziu o preço das missões com o Atlas V de aproximadamente US$ 187 milhões para algo entre US$ 100 milhões — ainda bem acima do valor estabelecido com o foguete Falcon 9, fechado em US$ 62 milhões. Agora, a ULA e a SpaceX disputam os contratos lucrativos com o Pentágono. Só no ano passado, a Força Aérea concedeu alguns bilhões para as duas empresas para a realização de 30 a 35 missões entre 2022 e 2027 — desse total, a ULA ficou com 60% da carga de trabalho.

Com o fim do Atlas V, a ULA utilizará o seu foguete de próxima geração e de baixo custo, o Vulcan, munidos dos motores BE-4 já em desenvolvimento pela Blue Origin. A estreia do novo lançador deve acontecer até o fim de 2021 e início do próximo ano. Já teria acontecido se não fossem alguns problemas durante os testes com o novo motor — os quais já foram resolvidos, afirma Bruno. A Força Aérea ainda avalia se será necessário um “plano b”, caso os motores BE-4 demorem a ficar prontos.

Uma opção é transferir parte da carga de trabalho do Vulcan para a SpaceX, mas as autoridades optaram por esperar até o próximo ano para tomar alguma decisão definitiva. “Obviamente, estamos preocupados, mas estamos engajados com a ULA e eles estão fortemente engajados com a Blue Origin para trazê-la junto”, aponta Jason Cothern, subcomandante da unidade de aquisição de foguetes da Força Espacial. Apesar de cautelosos, acrescenta Cothern, estão todos otimistas de que os motores BE-4 fiquem prontos no prazo.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.