Publicidade

Tomate perdido por astronauta da NASA é encontrado após 8 meses

Por| Editado por Patricia Gnipper | 12 de Dezembro de 2023 às 10h48

Link copiado!

NASA
NASA
Tudo sobre NASA

Um mistério espacial inusitado acaba de chegar ao fim. Um tomate produzido em um experimento na Estação Espacial Internacional (ISS) desapareceu há oito meses, e o astronauta Francisco “Frank” Rubio, da NASA, era o principal suspeito de ter devorado a fruta. Agora, o caso foi resolvido: os tripulantes da ISS encontraram o que restou do tomate.

Rubio voltou para a Terra em setembro após passar 371 dias no espaço, quebrando o recorde estadia mais longa em órbita para um astronauta norte-americano. Em uma entrevista após seu retorno, Rubio lamentou a perda do tomate produzido durante um experimento de cultivo na ISS, desenhado para ajudar os cientistas a saberem mais sobre como manter a alimentação de astronautas durante missões longas.

O tomate era da variedade Red Robin e media apenas 2,5 cm de diâmetro. Ele foi colhido em março durante o experimento Veg-05, e cada astronauta na estação recebeu pacotes com amostras dos frutos — menos Rubio, porque o dele flutuou para longe antes que pudesse experimentá-lo. “Estava confiante de que o selei onde deveria, mas quando voltei, ele tinha desaparecido”, explicou ele a repórteres.

Continua após a publicidade

Felizmente, o mistério foi resolvido. “Nosso bom amigo Frank Rubio, que [já] voltou para casa, foi culpado por um tempo por ter comido o tomate”, brincou Jasmin Moghbeli, astronauta da NASA que está na ISS no momento. “Mas podemos exonerá-lo, encontramos o tomate”. Ela não detalhou onde o tomate foi encontrado ou qual era seu estado.

Como a umidade na estação é bem baixa, o tomate provavelmente se desidratou e ficou irreconhecível. Desaparecimentos à parte, Rubio declarou durante uma entrevista à NASA neste ano que estudar o crescimento do tomate foi um dos seus projetos científicos favoritos na ISS. “Eu amo trabalhar com aquela pequena planta e vê-la crescer e se desenvolver”, disse.

Continua após a publicidade

Fonte: The Guardian