Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Tempestades solares intensas geram auroras raramente vistas nos últimos 500 anos

Por| 18 de Maio de 2024 às 13h35

Link copiado!

NASA/Mara Johnson-Groh
NASA/Mara Johnson-Groh

Maio foi um mês de intensas tempestades solares, com erupções e ejeções de massa coronal lançando nuvens de partículas carregadas e campos magnéticos em direção à Terra. Foi a mais forte tempestade solar a atingir nosso planeta em duas décadas, com uma das mais fortes exibições de auroras boreais registradas nos últimos 500 anos.

De 3 a 9 de maio de 2024, o Solar Dynamics Observatory da NASA observou 82 erupções solares notáveis. Esses eventos vieram principalmente de duas regiões ativas do Sol chamadas AR 13663 e AR 13664. “Estaremos estudando este evento durante anos. Isso nos ajudará a testar os limites de nossos modelos e a compreensão das tempestades solares”,  disse Teresa Nieves-Chinchilla, diretora interina do Escritório de Análise do Clima Espacial Moon to Mars (M2M) da NASA.

As CMEs se agruparam em ondas que chegaram a velocidades de até 3 milhões de mph e atingiram a Terra a partir de 10 de maio, criando uma tempestade geomagnética de longa duração em pico de classificação G5. “Todas as CMEs chegaram em grande parte ao mesmo tempo, e as condições eram perfeitas para criar uma tempestade realmente histórica”, disse Elizabeth MacDonald, líder de ciência cidadã de heliofísica da NASA e cientista espacial do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland.

Continua após a publicidade

Quando a tempestade atingiu a Terra, auroras brilhantes puderam ser vistas em todo o mundo, até mesmo em latitudes excepcionalmente baixas, incluindo no sul dos Estados Unidos e no norte da Índia. 

As auroras mais fortes foram vistas na noite de 10 de maio e continuaram a iluminar o céu noturno durante todo o fim de semana. “As câmeras – mesmo as câmeras padrão de telefones celulares – são muito mais sensíveis às cores da aurora do que eram no passado. Ao coletar fotos de todo o mundo, temos uma grande oportunidade de aprender mais sobre as auroras por meio da ciência cidadã”, disse MacDonald.

Tempestade histórica

A partir da medida da força da tempestade geomagnética chamada índice de perturbação do tempo de tempestade, que remonta a 1957, o novo evento atingiu um nível semelhante às tempestades históricas de 1958 e 2003. Os relatos de auroras visíveis até 26 graus de latitude magnética possivelmente registraram os pontos mais baixos dos últimos 500 anos.

“É um pouco difícil avaliar as tempestades ao longo do tempo porque a nossa tecnologia está sempre a mudar”, disse Delores Knipp, professora investigadora no Departamento de Ciências de Engenharia Aeroespacial de Smead e investigadora associada sênior no Observatório de Alta Altitude NCAR, em Boulder, Colorado. “A visibilidade da aurora não é a medida perfeita, mas permite-nos comparar ao longo dos séculos.”

Boeing prevê lançamento no dia 25 de maio

Antes da tempestade, o Centro de Previsão do Clima Espacial da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, responsável pela previsão dos impactos das tempestades solares, enviou notificações aos operadores de redes elétricas e satélites comerciais para ajudá-los a mitigar potenciais impactos.

Continua após a publicidade

Esses alertas puderam preparar melhor as missões da NASA diante da tempestade, ajudando as espaçonaves a desligarem preventivamente instrumentos ou sistemas que pudessem ser danificados. O ICESat-2 da NASA – que estuda mantos de gelo polares – entrou em modo de segurança.

Essas análises aprofundadas sobre como os eventos solares influenciam a atmosfera superior da Terra são cruciais para acompanhar o impacto do clima nos satélites, nas missões tripuladas e na infraestrutura terrestre e espacial. 

Missões futuras, como a Geospace Dynamics Constellation (GDC) da NASA e o Dynamical Neutral Atmosphere-Ionosphere Coupling (DYNAMIC), serão capazes de ver e medir exatamente como a atmosfera da Terra responde aos influxos de energia que ocorrem durante tempestades solares como esta.

Continua após a publicidade

As equipes da NASA, Boeing e ULA (United Launch Alliance) precisarão de mais tempo para trabalhar nos processos de fechamento da espaçonave e na justificativa do voo antes de prosseguir com o lançamento do Boeing Crew Flight Test da agência. A meta agora é realizar o teste de voo que transporta os astronautas da NASA Butch Wilmore e Suni Williams para a Estação Espacial Internacional até as 14h09 (horário de Brasília) do dia 25 de maio.

O tempo adicional permite que as equipes avaliem melhor um pequeno vazamento de hélio no módulo de serviço da espaçonave Boeing Starliner. As equipes da Boeing estão trabalhando para desenvolver procedimentos operacionais para garantir que o sistema retenha capacidade de desempenho suficiente e redundância apropriada durante o voo.