"Superlua" parece ter sido encontrada em outro sistema estelar

"Superlua" parece ter sido encontrada em outro sistema estelar

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 13 de Janeiro de 2022 às 15h10
Helena Valenzuela Widerström

Uma segunda candidata a superlua foi descoberta. Chamada Kepler-1708 b-i, o satélite natural fica na órbita de um exoplaneta do tamanho de Júpiter, a cerca de 5.500 anos-luz de nós. A descoberta foi feita por David Kipping, da Columbia University, junto de seus colegas e, se for confirmada, poderá significar que a ocorrência de exoluas é tão comum no universo quanto a de exoplanetas.

A possível nova exolua foi encontrada na órbita de Kepler-1708b, um exoplaneta um pouco menor que Júpiter. Até o momento, as evidências sugerem que a lua tem, aproximadamente, 2,6 vezes o tamanho da Terra, e parece ser gasosa. Ela é um pouco menor que a possível lua de tamanho de Netuno, encontrada por Kipping e seus colegas, na órbita do exoplaneta Kepler-1625b.

A mais nova candidata foi revelada em meio a dados coletados pelo já aposentado telescópio espacial Kepler, que operou durante anos em busca de exoplanetas. Para isso, o Kepler observava pequenas diminuições na luz das estrelas, que podiam ser causadas por planetas. Em meio aos dados, o exoplaneta 1Kepler-1708b era o único que mostrava algo correspondente ao sinal de uma exolua.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

As exoluas são objetos fascinantes para os astrônomos por um motivo parecido pelo qual os exoplanetas o são: além de terem o potencial de revelar como e onde a vida pode ter surgido no universo, elas têm características curiosas próprias, e podem ajudar em estudos sobre como se formaram, se podem abrigar vida e se têm papel na habitabilidade de seus planetas.

A candidata a "super" exolua

A candidata a superlua foi encontrada na órbita de Kepler 1708b, um exoplaneta localizado a cerca de 5.500 anos-luz da Terra, na direção das constelações do Cisne e da Lira, e é cerca de 30% menor que aquela encontrada anteriormente por Kipping e seus colegas. Segundo os autores, as duas candidatas a superluas são feitas de gás acumulado pelos efeitos gravitacionais vindos de suas enormes dimensões.

Representação da candidata a exolua e seu planeta; se a descoberta for confirmada, é possível que estes satélites naturais sejam tão comuns quanto exoplanetas (Imagem: Reprodução/Helena Valenzuela Widerström)

Se este realmente for o caso, é possível que as duas tenham começado suas vidas como planetas, mas acabaram atraídas para a órbita de mundos ainda maiores, como é o caso de Kepler-1625b e 1708b. Kipping observa que, embora já existam algumas dezenas de milhares de candidatos a exoplanetas identificados, encontrar exoluas é algo ainda mais desafiador. Agora, observações futuras com outros telescópios espaciais devem ser realizadas para verificar a descoberta após alguns anos — basta lembrar que a primeira exolua identificada por Kipping é alvo de debates até hoje.

Eric Agol, professor de astronomia da Universidade de Washington, tem dúvidas sobre o sinal realmente indicar uma lua. ”Pode ser apenas uma flutuação nos dados, tanto por ruídos da estrela quanto pelos instrumentos”, sugeriu ele. Por outro lado, outros estão otimistas. “Isso é ciência pura: encontramos um objeto intrigantes, fizemos uma previsão e ou a confirmamos, ou descartamos com observações futuras”, propôs o astrônomo Michael Hippke.

De qualquer forma, ainda será preciso aguardar novos dados sobre a mais nova candidata a exolua. Kipping considera que a espera valerá a pena, e compara a situação ao ceticismo que recebeu a ideia da existência de exoplanetas. “Estes planetas são algo alienígena em comparação com o nosso sistema, mas revolucionaram o nosso entendimento de como sistemas planetários se formam”, concluiu.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Astronomy.

Fonte: Nature Astronomy; Via: Columbia NewsEurekalert

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.