SpaceX envia mais cargas à ISS; conheça os experimentos científicos a bordo

SpaceX envia mais cargas à ISS; conheça os experimentos científicos a bordo

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 30 de Agosto de 2021 às 11h20
SpaceX

Por volta das 4h14 (horário de Brasília) deste domingo (29), a SpaceX lançou seu foguete Falcon 9, a partir do Centro Espacial Kennedy, da NASA — e, através de sua cápsula Dragon, a empresa lançou o 23° voo comercial de reabastecimento para a Estação Espacial Internacional (ISS) sob contrato da agência norte-americana. Além de alimentos frescos, a missão entregará uma série de experimentos científicos aos astronautas a bordo.

O lançamento deveria ter acontecido no último sábado, mas, por conta do mau tempo na região do centro espacial, o voo foi remarcado para o dia seguinte. O Falcon 9, com 65 metros de altura, disparou em direção à órbita da Terra carregando a cápsula Dragon em seu “nariz”. Os nove motores principais Merlin 1D, cada um consumindo querosene e propelentes de oxigênio líquido, impulsionaram o foguete.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Após uma trajetória iluminada pelo luar, o primeiro estágio do lançador foi desligado e separado para que, então, o segundo estágio do Falcon 9 concluísse o trabalho, colocando a Dragon em órbita. Depois, o primeiro estágio religou três de seus motores para realizar a manobra de retorno em direção a plataforma de pouso da SpaceX, A Shortfall Of Gravitas (ASOG), localizado a cerca de 300 km de Cabo Canaveral.

Esta é a quarta viagem ao espaço deste impulsionador Falcon 9, após missões realizadas em novembro do ano passado, em abril deste ano — neste, carregando astronautas — e, o mais recente, em junho, quando a nave transportou o satélite de transmissão de rádio SiriusXM. Cerca de 12 minutos após o lançamento, a Dragon se desdobrou do estágio superior e abriu o cone do “nariz”, revelando o mecanismo de atracação da nave para, então, aproximar-se da ISS.

O lançamento deste domingo marcou o 21º voo do Falcon 9 neste ano e o primeiro em quase dois meses. Isto porque a SpaceX manteve-se ocupada colocando mais satélites Starlink da empresa em órbita — as próximas missões Starlink, segundo Gwynne Shotwell, presidente e chefe de operações da SpaceX, retornarão em setembro. Agora, uma série de disparos com os propulsores da Dragon ajustarão o curso da nave até a ISS, realizando uma ancoragem guiada por volta das 12h00 (horário de Brasília) de hoje.

Experimentos científicos entregues à ISS

A Dragon entregará cerca de 2.207 kg de suprimentos e experimentos — como comida fresca e uma série de demonstrações de tecnologia e experimentos científicos. Entre eles, o pequeno braço robótico GITAI, projetado pela GITAI Japão Inc., que demonstrará a versatilidade e destreza do equipamento em condições de microgravidade.

Braço robótico GITAI (Imagem: Reprodução/GITAI Japan Inc)

O sucesso da tecnologia garantirá o apoio no desenvolvimento do trabalho robótico executado atualmente pela equipe a bordo da ISS, como tarefas de manutenção, montagem e fabricação enquanto em órbita — reduzindo custos e aumentando a segurança dos astronautas. O GITAI também tem aplicações em ambientes extremos aqui na Terra, como escavações em alto mar e manutenção de usinas nucleares. O experimento será conduzido no módulo Nanoracks Bishop Airlock da ISS.

O experimento MISSE-15-NASA analisará os efeitos do ambiente em órbita da Terra no desempenho e durabilidade de materiais e componente específicos para aplicações na exploração espacial. Nessa missão, os testes serão feitos com concreto, materiais de espaçonaves, compostos de fibra de vidro, células solares de película fina, materiais de proteção contra radiação, entre outros.

Já o experimento APEX-08, também da NASA, estudará o estresse das plantas cultivadas no espaço, incluindo alterações genéticas nelas. Além disso, a missão READI FP avaliará como a microgravidade e a radiação espacial afetam a geração de tecido ósseo dos astronautas e o potencial de protetores como antioxidantes.

Sistema implantável de entrega de medicamentos (NICE) (Imagem: Reprodução/Houston Methodist Research Institute)

A missão de reabastecimento também leva um pacote de experimentos chamado Faraday Research Facility, desenvolvido pela empresa ProXops, o qual será executado no laboratório EXPRESS da ISS. A instalação testará um sistema implantável de entrega de medicamentos, controlado remotamente, chamado Nanofluidic Implant Communication Experiment (NICE). Segundo a equipe, a tecnologia oferecerá uma alternativa às bombas de infusão (dispositivos médicos que entregam fluidos, como nutrientes e medicamentos) volumosas, usadas para o tratamento de doenças crônicas aqui na Terra.

Ainda, o experimento Retinal Diagnostics, patrocinado pela Agência Espacial Europeia (ESA), examinará se um pequeno dispositivo baseado em luz consegue captar imagens das retinas dos astronautas, para documentar a progressão de problemas de visão conhecidos como Space-Associated Neuro-Ocular Syndrome (SANS), que provoca o inchaço no disco óptico. A NASA também informa que dois experimentos educacionais serão realizados na estação espacial, incluindo a participação de escoteiros em solo.

A Dragon carrega também vários CubeSats que serão implantados roboticamente nas próximas semanas. A cápsula ficará ancorada na ISS por mais de um mês e, ao fim de sua missão, retornará à Terra com várias toneladas de carga, pousando na costa da Flórida.

Fonte: Spaceflight Now, NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.