Sonda Europa Clipper está pronta para receber seus instrumentos científicos

Sonda Europa Clipper está pronta para receber seus instrumentos científicos

Por Wyllian Torres | Editado por Rafael Rigues | 08 de Junho de 2022 às 15h30
NASA/JPL-Caltech/Johns Hopkins APL/Ed Whitman

O corpo principal da sonda Europa Clipper, da NASA, acaba de chegar ao Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), conforme informado pela equipe do projeto nesta terça-feira (7). Até 2024 a sonda terminará de ser montada e passará por uma série de testes antes de ser lançada para estudar a lua gelada de Júpiter, Europa.

Com 3 metros de altura e 1,5 metros de largura, o corpo da sonda é formado por um cilindro de alumínio ao qual são integrados subsistemas como componentes eletrônicos, rádios, tubulação para gerenciamento térmico, cabos e propulsão. A Europa Clipper será a maior sonda já desenvolvida pela NASA para uma missão planetária.

Quando os equipamentos desdobráveis forem instalados e seus painéis solares forem abertos, a sonda terá o tamanho de uma quadra de basquete (28 metros de comprimento). “É um momento emocionante para toda a equipe do projeto e um grande marco”, disse Jordan Evans, gerente da missão no JPL.

O lançametno da Europa Clipper está previsto para outubro de 2024. Ela deverá realizar 50 sobrevoos de Europa, lua de Júpiter que, segundo os cientistas, abriga um oceano subterrâneo com duas vezes mais água que todos os oceanos da Terra. Além disso, este oceano pode ter as condições ideais para sustentar a vida como a conhecemos.

Para isto, a sonda estará equipada com nove instrumentos científicos para coletar dados sobre a atmosfera, superfície e o interior de Europa. Com estas informações, os cientistas poderão medir a profundidade e a salinidade do oceano, bem como a espessura da crosta de gelo e possíveis plumas que podem conter água.

Montando a Europa Clipper

Em março deste ano, as equipes do JPL começaram a fase da missão conhecida como operações de montagem, teste e lançamento. O primeiro instrumento a chegar foi o espectrógrafo ultravioleta Europa-UVS. Depois, foi a vez do instrumento de imagem de emissão térmica, o E-THEMIS.

Corpo principal da Europa Clipper chegando ao JPL, no sul da Califórnia (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/Johns Hopkins APL/Ed Whitman)

O E-THEMIS, desenvolvido por uma equipe da Arizona State University, é uma câmera infravermelha sofisticada capaz de mapear as temperaturas de Europa. Assim, os cientistas coletarão pistas sobre atividades geológicas da lua, incluindo as regiões que podem abrigar água líquida próximo à superfície.

Acredita-se que até o final do ano a maior parte do sistema de voo e dos instrumentos científicos estejam integrados. Tom Magner, gerente do projeto no Laboratório de Física Aplicada (APL) da Universidade Johns Hopkins, disse que o desenvolvimento do sistema de voo contou com a participação de centenas de engenheiros e técnicos.

A estrutura principal da sonda, na verdade, é formada por dois cilindros de alumínio empilhados, com furos onde a carga da nave será parafusada: módulo de radiofrequência, monitores de radiação, eletrônica de propulsão, conversores de energia e toda a fiação.

Conceito artístico da sonda Europa Clipper sobrevoando a lua Europa, de Júiter (Imagem: Reprodução/NASA)

O subsistema de radiofrequência alimentará oito antenas, incluindo uma de alto ganho com 3 metros de largura. Toda a fiação da sonda, chamada chicote, pesa 68 kg e, se fosse esticada, teria 640 metros de comprimento. A sonda também receberá um "cofre" que protegerá os eletrônicos da radiação de Júpiter.

No interior do corpo principal estarão dois tanques: um para combustível e outra para oxidante — além da tubulação que conduzirá estas substâncias para 24 motores, onde serão combinados para realizar a reação química e produzir empuxo para as manobras da sonda.

Os motores serão usados para grandes manobras quando a sonda estiver próxima a Júpiter e também para manobras menores, como ajustes de curso e posição durante os sobrevoos da lua gelada. Após seu lançamento, a Europa Clipper fará uma viagem de seis anos (2,9 bilhões de km) até Júpiter e começará seus estudos por volta de 2031.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.