Sonda da ESA adota novos limites para buscar gases biomarcadores em Marte

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 20 de Julho de 2021 às 18h22
ESA/ATG

O orbitador Trace Gas Orbiter (TGO), da Agência Espacial Europeia (ESA), tem como objetivo primário a busca de biomarcadores em Marte, compostos que podem sinalizar a ocorrência de vida por lá. Um desses compostos é o metano, um gás que, na Terra, é produzido por processos biológicos ou por meio da atividade geológica — e, talvez, algo semelhante ocorra no Planeta Vermelho. Agora, a equipe da sonda decidiu estabelecer novos limites para a busca deste e outros gases, cujas discrepâncias na ocorrência vêm intrigando pesquisadores.

O grande mistério envolvendo o metano são as descobertas feitas por diferentes missões, que trouxeram resultados contraditórios sobre a presença do gás. Dados coletados pela Mars Express, da ESA, e rover Curiosity, da NASA, identificaram picos súbitos do gás na atmosfera de Marte, seguido de flutuações na quantidade em órbita e na superfície ao longo das estações do ano. Por outro lado, houve momentos em que não houve sinal do gás encontrado no planeta.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O rover Curiosity segue explorando a cratera Gale desde 2013, e detectou metano por lá (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/MSSS)

Na Terra, o metano ocorre a quase 2.000 partes por bilhão de volume (ppbv). Já em Marte, as missões em solo mostraram que o gás está presente de 0,2 a 30 ppbv, o que indicaria a presença de até 30 moléculas de metano a cada bilhão. Entretanto, dados da TGO reportados em 2019 não mostraram sinais do gás — e, se existisse, os cálculos mostraram que o metano estaria na concentração máxima de apenas 0,05 ppbv. Agora, após coletar dados por quase três anos terrestres, a equipe da TGO decidiu alterar o limite superior da detecção do gás para refinar as buscas.

Franck Montmessin, co-investigador principal do instrumento Principal do Atmospheric Chemistry Suite (ACS) e principal autor de três novos artigos sobre biomarcadores em Marte explicou a mudança. “Não encontramos nenhum sinal do gás, o que sugere que a quantidade de metano em Marte é, provavelmente, ainda menor do que as estimativas anteriores”, disse. Para completar, os instrumentos da TGO não encontraram o gás na cratera Gale, que é onde o rover Curiosity o detectou. Essa possível diferença pode estar relacionada à diferença entre as detecções em solo, feitas pelo rover, e na órbita, pela sonda.

Contudo, outras investigações da presença deste e de outros gases, feitas com outro instrumento da TGO, resultaram em novas perguntas. “Não encontramos nenhum sinal de metano em Marte, e estabelecemos um limite de 0,06 ppb”, explicou Elise Wright Knutsen, principal autora do artigo. Elise e seus colegas tentaram encontrar o metano, etano e etileno, compostos que ocorrem depois de o metano ser “separado” pela ação da luz solar e que são ótimas rastreadoras de possíveis atividades biológicas ou geológicas. “Também não detectamos nenhum dos dois e, portanto, definimos limites maiores para o etano e etileno”, disse ela. O orbitador também segue em busca da fosfina, que é produzida biologicamente na Terra e, por enquanto, não foi identificada em Marte.

Os novos limites adotados pela TGO na busca pelos gases (Imagem: Reprodução/ESA)

De qualquer forma, a busca por formas de vida — caso tenham existido — ou por assinaturas deixadas por elas deverá continuar. “Sejam detectados ou não, as descobertas dos biomarcadores são importantes para a compreensão de quais processos ocorrem, e quais não, na atmosfera marciana”, comentou Håkan Svedhem, cientista de projeto da TGO. “Será emocionante continuar trabalhando em colaboração com outras missões, como os rovers Curiosity e Rosalind Franklin”, conclui. Este último também faz parte da missão ExoMars, e será mais um aliado na busca por biomarcadores. O rover Rosalind Franklin já finalizou os primeiros testes, e tem lançamento estimado para 2022.

Os artigos com os resultados dos estudos foram publicados nas revistas Astronomy & Astrophysics e Icarus, e podem ser acessados clicando aqui, aqui e aqui.

Fonte: ESA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.