Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Japão pousa lander SLIM na Lua, mas tem problemas com painéis solares

Por| Editado por Patricia Gnipper | 19 de Janeiro de 2024 às 13h21

Link copiado!

JAXA
JAXA

O lander SLIM (sigla ded Smart Lander for Investigating Moon), do Japão, desceu à Lua nesta sexta-feira (19) às 12h20, no horário de Brasília. A agência espacial japonesa JAXA não confirmou de forma imediata o pouso, levantando preocupações sobre o estado do lander; felizmente, cerca de duas horas depois, a JAXA declarou que o SLIM pousou com sucesso em nosso satélite natural. 

“A partir da telemetria, o que vemos é que o SLIM pousou”, afirmou um representante da JAXA durante uma transmissão ao vivo da missão. Apesar de tudo ter parecido correr bem durante a descida, levou algum tempo até a agência declarar a descida segura do lander.

Enquanto não foram divulgadas atualizações da JAXA, a rede Deep Space Network, da NASA, pareceu mostrar sinais do SLIM e do seu rover Lunar Excursion Vehicle 1 (LEV-1); em seguida, estações amadoras de rádio anunciaram a aquisição dos sinais do lander e do rover. 

Continua após a publicidade

Passadas duas horas do pouso, a JAXA confirmou o sucesso da alunissagem (nome dado a pousos na Lua) do SLIM. “Acreditamos que o pouso foi um sucesso”, afirmou um representante da agência. Mas nem tudo saiu como o esperado: os painéis solares do lander não estão gerando eletricidade, e por isso ele está funcionando somente com a energia de suas baterias.

Agora, as equipes da JAXA estão buscando formas de coletar a maior quantidade possível de dados durante o funcionamento do rover. Após o pouso, o SLIM liberou os rovers LEV-1 e LEV-2, que já se separaram dele e estão funcionando na superfície lunar. O SLIM deve passar o restante do dia lunar (o equivalente a cerca de 14 dias terrestres) trabalhando em objetivos científicos. 

O objetivo principal da missão era demonstrar uma tecnologia para pousos de alta precisão, permitindo que espaçonaves desçam a até 100 metros do local desejado — no caso, o lander deveria ficar a um ponto na borda da cratera Shioli, com 300 metros de diâmetro. 

Com o desfecho, o Japão se junta ao pequeno grupo de países que conseguiram descer espaçonaves à superfície lunar; até então, somente a antiga União Soviética, os Estados Unidos, a China e a Índia conseguiram este feito. 

Fonte: Via: Space.com