Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Perseverance encontra novas evidências de antigo lago em Marte

Por| Editado por Luciana Zaramela | 30 de Janeiro de 2024 às 08h18

Link copiado!

NASA/JPL-Caltech/ASU
NASA/JPL-Caltech/ASU

Uma pesquisa publicada na Science Advances confirmou que a cratera Jezero em Marte, explorada pelo Perseverance, já foi preenchida por água. Isso significa que as amostras coletadas pelo rover podem conter vestígios de vida marciana antiga.

Escolhida pela NASA como local de pesquisa do Perseverance, a Jezero é uma cratera de impacto localizada ao norte do equador marciano. Suspeitava-se que, no passado distante, a região era um lago capaz de abrigar formas microscópicas de vida.

Para investigar o local, o instrumento RIMFAX do rover usou ondas de radar em intervalos de 10 centímetros, permitindo a medição de pulsos refletidos a partir de 20 metros abaixo da superfície. Assim, os cientistas puderam “ver” a base dos sedimentos acumulados em dois períodos distintos.

Continua após a publicidade

As imagens de radar mostram sedimentos regulares e horizontais, semelhantes aos depositados em lagos terrestres, confirmando a existência de sedimentos lacustres — que podem ser compostos por areia e material orgânico.

Um segundo período de deposição sedimentar ocorreu na cratera quando as flutuações no nível do lago permitiram que as águas depositassem um delta mais amplo, devido à erosão perto da foz do rio, cujo delta também foi detectado na região.

Os dois períodos correspondem a eras geológicas, potencialmente separadas por milhões de anos ou mais. “As mudanças que vemos preservadas no registo rochoso são impulsionadas por mudanças em grande escala no ambiente marciano”, disse David Paige, principal autor do artigo.

Com as descobertas, os cientistas esperam ainda mais ansiosamente pela campanha Mars Sample Return, que visa trazer à Terra amostras do solo de Jazero. Caso a vida microbiana tenha existido em algum momento dos períodos correspondentes às camadas sedimentares detectadas, é possível que as evidências sejam encontradas nessas amostras.

Fonte: Science Advances, UCLA