Novo cometa P1 NEOWISE se aproxima do Sol e poderá ser visto em alguns países

Por Daniele Cavalcante | 16 de Outubro de 2020 às 11h53
Ivan Vagner/Roscosmos/NASA

Um cometa recém descoberto está se aproximando do Sol, e pode ser que possamos vê-lo com um par de binóculos. Não será tão incrível quanto o C/2020 F3 NEOWISE, que encantou nossos olhos durante o mês de julho, mas é sempre empolgante encontrar um novo objeto cósmico dessa categoria. Infelizmente, o cometa deve aparecer no céu noturno apenas para os habitantes do Hemisfério Norte, enquanto por aqui, no Sul, ele surgirá no horizonte acompanhando o nascer do Sol.

De acordo com as observações, o novo cometa C/2020 P1 NEOWISE está ativo e brilhando acima das expectativas. O nome é parecido com o do cometa que vimos anteriormente porque ambos foram descobertos pelo instrumento Near-Earth Object Wide-field Infrared Survey Explorer — daí a sigla “NEOWISE”. Para simplificar, vamos chamar o novo cometa de P1 NEOWISE. Este é o 16º cometa descoberto por este instrumento, até o momento.

O objeto foi flagrado pelo telescópio em 2 de agosto de 2020 e a previsão é que ele se torne relativamente visível para nós, aqui da Terra, no final de outubro e início de novembro. Sua magnitude é de +10, ou seja, não pode ser visto a olho nu, mas será possível encontrá-lo no céu noturno com um par de binóculos com lentes 7x50 mm (muito comum entre os que estão começando a fazer observações astronômica). Pode ser que ele ganhe mais brilho no dia 17 de outubro, chegando a +4,6, o que é semelhante ao brilho de uma estrela como Acubens (Alpha Cancri).

Órbita do cometa P1 NEOWISE (Imagem: Reprodução/NASA/JLP)

Será uma visão decepcionante para os que esperam ver algo bem definido como vimos no caso do F3 NEOWISE. Este novo objeto é pequeno e viaja no Sistema Solar interno rumo ao Sol, ou seja, ainda está se afastando da Terra para dar a volta em nossa estrela antes de voltar para a parte mais externa do Sistema Solar. Sua órbita é hiperbólica e oval, o que significa que ele deve demorar alguns milhares — talvez milhões — de anos para completar uma volta ao redor da nossa estrela. Em outras palavras, esta é a única chance que temos de vê-lo.

Contudo, vale ressaltar que este cometa não será muito visível no hemisfério Sul, pelo menos no mês de outubro. Em meados de novembro, ele poderá aparecer no horizonte entre as 5h e 6h da manhã, antes do nascer do Sol. Dependendo da localização e condições climáticas, pode ser que você consiga vê-lo com um par de binóculos neste horário. Entretanto, a partir do dia 10 de novembro, ele deverá voltar à magnitude +10, o que o torna mais difícil de detectá-lo sem instrumentos mais refinados, e até essa data o cometa aparecerá junto ao Sol para nós, o que tornará a observação inviável.

Fonte: Universe Today

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.