Musk diz que Rússia está no caminho certo investindo em foguetes reutilizáveis

Por Danielle Cassita | 08 de Outubro de 2020 às 13h40
Roscosmos

A Roscosmos, agência espacial russa, parece ter acertado na decisão de desenvolver seu foguete reutilizável, que será alimentado por metano — pelo menos, é o que indica um tuíte publicado por Elon Musk, CEO da SpaceX, que descreve o projeto como um passo na direção certa.

Na publicação na rede social, ele recomendou que o país siga o objetivo de um veículo completamente reutilizável até 2026, que é quando deverá ocorrer o lançamento do foguete Amur. O tuíte de Musk aparece em um momento em que a capacidade de um foguete ser reutilizável é a principal tendência na indústria espacial, que tem o objetivo de reduzir custos de lançamentos.

Ao mencionar a capacidade completa de reutilização, ele poderia estar se referindo não a somente primeiros estágios de foguetes que são utilizados várias vezes, mas também a outros componentes. Por exemplo, a SpaceX tenta preservar o “nariz” de seus foguetes, embora não seja possível fazer isso sempre. Recentemente, a Roscosmos assinou um contrato para desenvolver o design do conceito do foguete espacial Amur-SPG junto da empresa Progress Rocket Space Centre, que foi também a responsável pelo desenvolvimento do famoso veículo Soyuz. Até pouco tempo, este veículo representava a única forma de transportar astronautas e cosmonautas para a Estação Espacial internacional, algo que agora começa a ser substituído com a nave Crew Dragon, da SpaceX e, em um futuro próximo, também com a nave Starliner, da Boeing.

Se tudo correr bem, o novo veículo de lançamento russo deverá ser capaz de realizar até dez voos, sendo lançado no espaçoporto Vostochny. O desenvolvimento do foguete reutilizável não deverá custar mais que U$ 880 milhões, enquanto o preço do serviço de lançamento deverá ficar por volta dos U$ 22 milhões, de acordo com informações da Roscosmos para o portal TASS. Assim, em seu lançamento programado para 2026, o foguete deverá levar até 12,5 toneladas de cargas úteis.

Fonte: SpaceDaily, TASS

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.