Publicidade

Meteoro 40 vezes mais rápido que avião é registrado em SC e SP

Por| Editado por Patricia Gnipper | 07 de Dezembro de 2023 às 15h56

Link copiado!

Jocimar Justino de Souza
Jocimar Justino de Souza

Um meteoro brilhou no céu de Santa Catarina no início da madrugada de quinta-feira (7). A passagem do objeto também foi visível em São Paulo, sendo registrada por uma das câmeras da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (BRAMON).

O fenômeno ocorreu por volta das 2h47. Jocimar Justino, responsável pela estação de monitoramento em Monte Castelo, em Santa Catarina, conseguiu registrar a passagem do meteoro, que apareceu na direção sul e seguiu ao norte.

As imagens obtidas por ele foram combinadas àquelas capturadas pela estação em São Paulo, operada por Sérgio Mazzi. Desta forma, eles estimam que o meteoro se movia a cerca de 50 mil km/h.

Continua após a publicidade

Para comparação, os aviões comerciais voam a velocidades de 850 km/h a 920 km/h, de modo que o meteoro era mais de 40 vezes mais rápido que uma aeronave do tipo. Já o avião comercial mais rápido do mundo é o Airbus A330Neo, que alcança velocidade de até 1.061 km/h.

“De maneira geral, esses meteoros mais longos, como esse que durou cerca de 10 segundos, são um pouco mais raros de se registrar nas câmeras”, explicou Jocimar ao Canaltech. “Geralmente, não duram mais que 4 segundos”, acrescentou.

Ele ressaltou que o estudo de meteoros pode contribuir para a identificação de novos cometas ou asteroides. “Isso pode ajudar a identificar a órbita desses objetos maiores, que talvez, em um futuro distante, possam causar problemas por aqui”, finalizou.

Continua após a publicidade

O que são meteoros?

Também chamados de estrelas cadentes, os meteoros são rochas espaciais que atravessaram a atmosfera da Terra e foram queimadas pelo atrito com o ar. As luzes que o processo gera, como as do vídeo acima, não vêm da rocha, mas sim do brilho do ar aquecido.

Ao longo de sua órbita ao redor do Sol, a Terra encontra algumas vezes por ano nuvens de pedacinhos deixados por cometas. Quando estes fragmentos rochosos atravessam a atmosfera, eles formam as chuvas de meteoros.