Qual é a velocidade máxima de um avião comercial?

Qual é a velocidade máxima de um avião comercial?

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 16 de Dezembro de 2021 às 08h30
Boeing

É fato que os aviões facilitam muito a nossa vida no deslocamento para lugares longínquos. Partindo de São Paulo, é possível chegar a locais como Roma, Paris e Lisboa em pouco mais de 10 horas, algo inimaginável e incomparável quando pensamos em meios de transporte como carros, trens e até navios. Isso tudo é possível, claro, graças às altíssimas velocidades alcançadas por esses gigantes de aço.

Atualmente, o avião comercial mais rápido em atividade é o Airbus A330Neo, uma versão mais moderna de um dos modelos de maior sucesso da fabricante europeia. O A330Neo tem maior envergadura em relação ao seu modelo base, com pouco mais de 3 metros de diferença. Além disso, suas winglets, aquelas pequenas curvaturas nas pontas das asas, são personalizáveis e podem aferir um comprimento um pouco maior.

Seu principal diferencial em comparação com o modelo base, porém, está no consumo de combustível (14% menor) e na velocidade, superior graças aos modernos motores Rolls-Royce Trent 7000. Segundo dados da Airbus, a velocidade máxima dessa aeronave é de 1.061 km/h, apenas 10 km/h a mais do que o Boeing 787 Dreamliner, considerado por muitos especialistas a aeronave mais eficiente do planeta. Esse valor é o maior já registrado de modo oficial, embora seja muito difícil de determinar se outras aeronaves conseguiram superar.

Saudades do Concorde?

Entretanto, se é para falarmos de velocidade na aviação comercial, o icônico supersônico Concorde não pode faltar nesta matéria. Graças aos seus motores de pós-combustão, ele é capaz de voar a duas vezes a velocidade do som, atingindo 2.179 km/h.

Com isso, o Concorde fazia a rota Paris-Rio de Janeiro, com uma pequena escala em Dakar, no Senegal, em apenas seis horas, metade do tempo que jato comercial comum leva atualmente. Além disso, graças à sua fuselagem e motorização ultrapotente, o modelo anglo-francês era capaz de voar a uma altitude de 18.300 metros, ou 60 mil pés, o suficiente para ver a curvatura da Terra.

O icônico Concorde impressionava pelo visual diferenciado e pela velocidade que atingia: 2.179 km/h (Imagem: Adrian Meredith, concordephotos.com)

Entretanto, devido ao alto custo operacional e passagens que cobravam justamente o proporcional para mantê-lo funcionando, o Concorde foi aposentado em 7 de novembro de 2001.

O que está por vir?

Algumas empresas estão trabalhando para o retorno triunfal dos aviões supersônicos e hipersônicos. O modelo mais famoso em produção é o Overture, desenvolvido pela Boom Supersonics, que já teve algumas encomendas pela United Airlines. Para exemplificar a capacidade dessa aeronave, a promessa é que voos entre Nova York e Londres sejam feitos em apenas 3 horas e meia graças à velocidade máxima de 2.100 km/h.

Overture é uma das apostas do mercado para a retomada dos aviões comerciais supersônicos (Imagem: Divulgação/Boom Supersonics)

Além de rápído, o Overture também será eficiente e bem menos poluente do que o Concorde. A Boom projetou o Overture para ser 100% neutro em carbono desde seu primeiro voo, que ainda vai acontecer — em caráter experimental — até 2026. Além disso, a cabine e o serviço prometem ser mais confortáveis e menos custosos, acessíveis a mais pessoas pelo mundo, já que o Concorde, justamente por seus elevados gastos operacionais, tinha a presença majoritária de passageiros mais abonados.

Além da Boom Supersonics, outras empresas trabalham em aviões supersônicos, como a Lockheed Martin, que, em parceria com a NASA, está desenvolvendo o supersônico silencioso X-59.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.