FAA torna mais rígidos os critérios para conceder "asas" de astronauta

FAA torna mais rígidos os critérios para conceder "asas" de astronauta

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 22 de Julho de 2021 às 22h00
Reprodução/VirginGalactic/Twitter

Nesta terça-feira (20), o Escritório de Transportes Espaciais Comerciais da Federal Aviation Administration (FAA), entidade encarregada da regulamentação de voos nos Estados Unidos, emitiu uma solicitação de atualização dos critérios para a FAA fornecer insígnias de asas de astronauta para quem voar em veículo comerciais. Essa é a primeira mudança realizada desde o início do programa, inaugurado em 2004, e torna mais rígidos os critérios para os tripulantes desses voos receberem as asas.

Segundo informações da instituição, o programa das insígnias foi criado com o objetivo de reconhecer membros da tripulação que colocaram em prática a missão da FAA, de promover a segurança dos veículos criados para transportar humanos. “Agora, a FAA mudou o foco para reconhecer a tripulação do voo que demonstrasse atividades essenciais para a segurança pública, ou contribuíram para a segurança do voo espacial tripulado, entre outros critérios”, explicaram em um comunicado.

Assim, a FAA considera que a mudança alinha-se ao papel de proteção da segurança pública durante operações espaciais comerciais. Com isso, a FAA irá fornecer a insígnia para tripulantes de lançamentos comerciais que atendam os requisitos do regulamento federal para a qualificação e treinamento da tripulação, e que voarem em missões licenciadas ou em lançamentos autorizados a alcançar a altitude mínima de 80 km.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Trajetória dos voos realizados pela Virgin Galactic, que alcançam pouco mais de 80 km de altitude (Imagem: Reprodução/Virgin Galactic/Twitter)

Além disso, a solicitação também exige que os tripulantes tenham demonstrado “atividades durante o voo que foram essenciais para a segurança pública ou tenham contribuído para a segurança do voo espacial tripulado”. Essa última parte é uma novidade em relação a versões anteriores do regulamento — em junho do ano passado, a FAA exigia que, para a tripulação receber as asas, deviam estar em um voo licenciado pela entidade, que alcançasse altitude mínima de 80 km e que deveriam cumprir requisitos de qualificação e treinamento da tripulação.

A movimentação para essa mudança acontece após os voos recentes da Virgin Galactic e Blue Origin, que levantaram discussões sobre se, afinal, seriam considerados elegíveis para receber as insígnias da instituição e se realmente levariam seus tripulantes ao espaço. O primeiro, realizado pela empresa de Richard Branson, levou seis tripulantes a bordo do avião VSS Unity — e, segundo a empresa, a tripulação estava avaliando o hardware da cabine ou conduzindo experimentos para demonstrar as possibilidades de pesquisa orbital. Assim, eles não estavam, necessariamente, apoiando a segurança pública ou dos voos espaciais tripulados conforme exigido pelas novas regras.

Já o voo da Blue Origin, realizado nesta semana, levou quatro tripulantes a bordo do foguete autônomo New Shepard, composto por cápsula e propulsor. Como o sistema foi projetado para ser controlado do solo, nenhum deles operou a espaçonave e, portanto, provavelmente não deverão atender aos critérios exigidos para receberem as asas de astronautas comerciais da FAA. Apesar de nenhuma das empresas parecerem atender os critérios, a solicitação permite que a FAA emita asas “honorárias”, destinadas especialmente para os “indivíduos que demonstraram contribuições extraordinárias ou serviços benéficos para a indústria de voos espaciais comerciais tripulados”.

Vale lembrar que essas insígnias não têm significado legal e nem conferem privilégios a quem as porta — na verdade, elas foram estabelecidas pela entidade como parte da missão de incentivar, facilitar e promover o transporte espacial comercial, sendo também um reflexo das asas de astronauta concedidas pela NASA e pelo Departamento de Defesa a quem voa acima de 80 km de altitude. A Blue Origin e a Virgin Galactic têm insígnias próprias, concedidas àqueles que voaram em seus respectivos veículos.

Fonte: SpaceNews

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.