Virgin Galactic inaugura turismo espacial com Richard Branson a bordo

Virgin Galactic inaugura turismo espacial com Richard Branson a bordo

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 12 de Julho de 2021 às 11h23
Virgin Galactic

A Virgin Galactic acaba de dar um grande passo para começar a oferecer voos espaciais comerciais a turistas. Neste domingo (11), Richard Branson, fundador da empresa, se juntou a outros cinco tripulantes para a 22º missão suborbital da empresa. O teste de voo foi um sucesso e, além de levar Branson ao espaço antes de seu rival Jeff Bezos, mostrou também que o avião espacial VSS Unity está preparado para levar futuros turistas ao espaço.

Este foi o quarto voo tripulado já feito pela Virgin Galactic, mas o primeiro a levar uma tripulação completa, composta por dois pilotos e quatro especialistas de missão. Além de Branson, estavam a bordo Beth Moses (instrutora-chefe de astronautas), Colin Bennet (principal engenheiro de operações) e, por fim, Sirisha Bandla (vice-presidente da empresa). Por fim, os pilotos Dave Mackay e Mike Masucci completaram a equipe.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A missão foi lançada das instalações do espaçoporto de America, no Novo México, às 11h40 (horário de Brasília). A nave VMS Eve, um avião WhiteKnightTwo, foi subindo até alcançar a altitude de aproximadamente 13 km; após realizar algumas verificações de segurança, o avião liberou a nave VSS Unity, que seguiu rumo ao espaço, e então Mackay e Masucci, pilotos já veteranos de voos anteriores da empresa, ativaram o motor e a guiaram por uma trajetória quase vertical.

A VSS Unity foi acelerada até chegar a uma velocidade quase três vezes maior que a do som, seguindo em uma trajetória balística. Os tripulantes puderam flutuar pela cabine por cerca de quatro minutos, aproveitando também para admirar uma bela visão da Terra,1 à altitude de cerca de 86 km. “Para todos vocês aí embaixo, eu era uma criança que olhava para as estrelas”, disse Branson em uma publicação no Twitter. “Agora, sou um adulto em uma nave espacial, junto de muitos outros adultos maravilhosos, olhando para baixo e vendo a nossa linda Terra”.

Já ao fim do voo, os pilotos guiaram a nave de volta para a Terra em uma trajetória em espiral. Mike Moses, presidente de voos espaciais e segurança na Virgin Galactic, ficou bastante satisfeito com os resultados preliminares da missão: “vimos os dados, fizemos uma rápida verificação de engenharia e a nave parece excelente, sem problemas”, comentou. Os dados serão analisados mais detalhadamente para que, depois, a empresa possa definir as próximas atividades de seu cronograma.

Como serão os próximos passos?

Este voo tinha, como objetivo principal, o aprimoramento da experiência dos futuros astronautas privados que viajarem com a Virgin Galactic. Para isso, a tripulação teve algumas tarefas a cumprir durante a missão, como a verificação de como a cabine fica quando estiver totalmente tripulada, como experimentos científicos podem ser realizados durante o voo, entre outros.

O avião SpaceShipTwo, junto da nave VSS Unity (Imagem: Reprodução/Virgin Galactic)

Em comunicado, Branson comentou que a missão da empresa é tornar o espaço mais acessível a todos, e que estava honrado em testar a experiência dos clientes: “até hoje, vemos o espaço a partir do olhar dos pioneiros espaciais do passado. Agora, quero que os astronautas de amanhã olhem para frente e façam seus sonhos virar realidade”, finalizou. Fundada em 2004, a Virgin Galactic guarda alguns acidentes fatais em seu histórico, mas desenvolveu sistemas de segurança, e vem realizando testes de voo bastante robustos.

Ainda há mais alguns voos de testes a serem realizados neste ano, mas a empresa parece estar cada vez mais próxima de cumprir o objetivo de começar a oferecer voos comerciais para levar seus clientes ao espaço a partir do ano que vem — questão que, aliás, levantou alguma controvérsia. É que os voos da Virgin Orbit chegam a aproximadamente 86 km de altitude, algo que a Blue Origin, empresa rival, não considera como um voo espacial propriamente dito.

O exército dos Estados Unidos, Federal Aviation Administration (FAA) e NASA estabelecem que o espaço começa aos 80 km de altitude, mas, por outro lado, a Linha de Kárman define que o espaço começa somente aos 100 km. De qualquer forma, os tripulantes conseguiram suas insígnias de asas de astronautas — Bandla, Branson e Bennett, que tiveram suas primeiras experiências espaciais neste fim de semana, conseguiram insígnias especiais da Virgin Galactic, que mostram um pequeno ícone do SpaceShipTwo.

Fonte: Virgin Galactic, Space.com (1, 2), Spaceflight Now

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.