Estranha rocha verde encontrada em Marte é estudada pelo rover Perseverance

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 06 de Abril de 2021 às 14h00
Reprodução/NASAPersevere/Twitter

O rover Perseverance pousou na Cratera Jezero, em Marte, em 18 de fevereiro, onde irá realizar estudos e buscas de possíveis sinais deixados por formas de vida que podem ter ocorrido em um passado distante. Enquanto aguarda o primeiro voo do helicóptero Ingenuity, os instrumentos do rover já estão em ação: recentemente, o explorador robótico encontrou uma rocha de cor esverdeada na superfície marciana, e está analisando-a com o instrumento SuperCam.

O Ingenuity, que foi liberado recentemente da “barriga” do rover, iria realizar sua primeira tentativa de voo no dia 8, mas o evento foi adiado para o dia 11 de abril. Então, enquanto aguarda o grande dia, o rover segue analisando algumas rochas que estão por perto, tanto que acabou encontrando essa de cor esverdeada e com algumas aberturas em sua estrutura. Segundo informações dos oficiais da NASA, a rocha mede cerca de 15 cm, apenas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

No perfil do rover Perseverance no Twitter, os oficiais levantaram algumas hipóteses sobre as origens da rocha: talvez ela seja algum pedaço de solo que foi levado para a região devido a um impacto, mas também existe a possibilidade de que seja um meteorito que caiu na superfície do planeta. Além disso, eles chamam a atenção para algumas marcas que podem ser vistas na rocha: “se você observar de perto, é possível observar uma fileira de marcas de laser, disparados para eu aprender mais”, explicaram como se fosse o próprio Perseverance escrevendo na rede social.

O laser faz parte do instrumento SuperCam, instalado na "cabeça" do rover. Esse instrumento é capaz de emitir raios laser em direção a rochas que estejam a até 7 metros de distância. Assim, cada disparo cria uma nuvem de rocha vaporizada, cuja composição é analisada pelas câmeras e espectrômetros do instrumento, que as examina para identificar compostos químicos, orgânicos e minerais. A primeira atividade do laser foi realizada em 2 de março com uma rocha que recebeu o nome de “Máaz”, que vem do da língua navajo e significa “Marte”.

Agora, os cientistas da missão esperam que, com o tempo, o laser ajude a fornecer mais informações sobre a composição da rocha misteriosa, o que poderá indicar se ela se formou ali mesmo, onde está atualmente, ou se foi transportada por algum outro processo. Caso tenha vindo de outra região do planeta, é possível que tenha sido levada até a cratera Jezero com a ação da água que antigamente correu pela superfície.

Fonte: Live Science

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.