NASA divulga foto que parece mostrar um arco-íris no céu marciano. Será?

Por Wyllian Torres | 05 de Abril de 2021 às 21h20
NASA/JPL-Caltech
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

Em novo registro feito pelo rover Perseverance, o Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), da NASA, publicou uma imagem do que parece ser um arco-íris no céu marciano. No entanto, um fenômeno como esse não deveria existir em Marte, pois a fina atmosfera do planeta não possui nuvens carregadas de gotas d’água para permitir que o fenômeno aconteça. O registrado foi feito pela câmera HazCams, a bordo do robô.

Aqui na Terra, a formação de um arco-íris é possível graças à presença de água no nosso planeta, especialmente na atmosfera. Quando os raios solares atingem as gotas d’água suspensas no ar, eles são refratados. A luz do Sol, a qual carrega em si todas as cores que são visíveis aos nossos olhos e, ao atingir essas gotas, se dispersa; ou seja, a onda de luz se divide nas cores que a compõem. O resultado disso é a faixa colorida conhecida como arco-íris.

Um suposto arco-íris no céu de Marte, registrado pela câmera traseira do rover Perseverance (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

Como a atmosfera marciana não apresenta chuva, o suposto arco-íris registrado em Marte não se explica da maneira como conhecemos o fenômeno aqui na Terra. Alguns especialistas dizem que pode ser um “arco de poeira”, que refletiria a luz solar no lugar das gotas de água. Outra possibilidade também seria a refração da luz causada por elementos presentes na própria lente da HazCams do Perseverance.

Mas o suposto arco-íris também poderia ser explicado pela presença de “icebow” na atmosfera de Marte. Basicamente, são nuvens que se formam com partículas de água congelada, como já foi observado durante a missão Pathfinder, da NASA, no final da década de 1990. Segundo Alastair Gunn, radioastrônomo na Jodrell Bank Centre for Astrophysics, outros mundos no Sistema Solar também poderiam formar arco-íris — como a lua Titã, de Saturno, que possui gotas de metano líquido em sua atmosfera. No entanto, a pouca luz solar reduz bastante as possibilidades.

Fonte: Futurism

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.