Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Destaque da NASA: grande aurora boreal está na foto astronômica do dia

Por| Editado por Patricia Gnipper | 17 de Novembro de 2023 às 12h56

Link copiado!

Dennis Lehtonen
Dennis Lehtonen

Nesta sexta-feira (17), a foto destacada pela NASA no site Astronomy Picture of the Day mostra uma grande aurora boreal que brilhou em Qeqertaq, na Groenlândia. O fenômeno foi visto no céu do vilarejo após uma tempestade geomagnética ocorrida no início do mês.

As auroras são formadas pelas interações entre as partículas solares e a atmosfera da Terra. Elas podem ter cores e formatos variados — a da imagem abaixo, por exemplo, lembra uma vasta cortina colorida no céu.

Continua após a publicidade

Elas acontecem quando as partículas eletricamente carregadas do Sol encontram o campo magnético terrestre, que as direciona para os polos. Ali, elas entram na atmosfera e interagem com diferentes gases, como nitrogênio, oxigênio e outros.

Já as cores das auroras variam de acordo com a altitude e com as moléculas. A cor mais comum deste fenômeno é o verde, que é produzido quando as partículas colidem com moléculas de oxigênio a até 300 km de altitude.

O que é tempestade geomagnética

Esta aurora ocorreu após uma tempestade geomagnética, nome dado à perturbação causada na magnetosfera da Terra. Ela acontece devido às variações no vento solar, que causam mudanças nas correntes, no plasma e nos campos da magnetosfera.

Continua após a publicidade

Normalmente, as maiores tempestades causadas por estas condições estão relacionadas às ejeções de massa coronal. Elas também são conhecidas pela sigla CME, e acontecem quando o Sol libera bilhões de toneladas de plasma. O material pode levar alguns dias para chegar à Terra, e tem potencial para causar fortes tempestades.

No momento, o Sol está ficando cada vez mais ativo enquanto segue ao máximo solar, o período de maior atividade em seu ciclo. Embora as nuvens de plasma formem auroras incríveis, elas são perigosas para as redes elétricas na Terra, de modo que cientistas monitoram estes fenômenos atentamente.

Fonte: APOD