Com dois foguetes em menos de 24 horas, China chega a 13 lançamentos neste ano

Com dois foguetes em menos de 24 horas, China chega a 13 lançamentos neste ano

Por Wyllian Torres | Editado por Rafael Rigues | 04 de Maio de 2022 às 16h45
CASC

Na semana passada, a China realizou dois lançamentos bem-sucedidos, colocando sete satélites de monitoramento terrestre em órbita da Terra. Com elas, o país alcança a marca de 13 lançamentos só este ano, seguindo seus planos de expandir a indústria espacial comercial.

Por volta 00h30 (horário de Brasília) da última sexta-feira (29), um foguete Long March 11H decolou a partir Espaçoporto Oriental da China, localizado em Haiyang, na costa oriental. O lançador transportou cinco pequenos satélites para compor a constelação Jilin 1, da Chang Guang Satellite Technology.

O Long March 11H na plataforma de lançamento no mar da costa oriental da China (Imagem: Reprodução/CASC)

Quatro deles são satélites de imagem óptica da classe Gaofen 03D, e o outro é o primeiro da nova geração de sensoriamento remoto Gaofen 04, segundo informou a China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC).

As imagens e vídeos de alta resolução serão usados pelo setor de silvicultura, agricultura e monitoramento dos oceanos, além de pesquisas de recursos ambientais e no planejamento urbano. Desde 2015, a China já lançou 40 satélites deste tipo, os quais têm o tamanho de um aparelho de micro-ondas.

O foguete Long March 11H, de 20,8 metros de altura, colocou os satélites em uma órbita polar a 535 km de altitude, com uma inclinação de 97,5° em relação ao equador. Este foguete, de quatro estágios, é dedicado a missões de pequeno porte.

Menos de 24 horas antes desse lançamento, às 01h11 (horário de Brasília) da quinta-feira (28) passada, a China lançou um foguete Long March 2C, com dois estágios e 43 metros de altura, a partir do Centro de Lançamento de Jiuquan, no noroeste do país.

Long March 2C decolando do Centro de lançamento de Jiuquan (Imagem: Reprodução/CASC)

Após o lançamento, o foguete em direção sul carregando dois satélites de imagem de alta resolução da China Siwei Surveying and Mapping Technology. Eles também foram colocados em uma órbita polar, a 490 km de altitude, com inclinação de 97,5° em relação ao equador. Esses satélites são conhecidos como SuperView Neo 1-01 e 1-02, e coletarão imagens ópticas com resolução de meio metro. Os dados coletados servirão para os mesmos propósitos dos satélites da constelação Jilin 1.

O rastreamento militar dos EUA catalogou nove objetos nesta missão, algo inesperado, já que deveria haver apenas três: os dois satélites e o primeiro estágio do foguete. Os objetos extras, podem ser lixo espacial ou cargas cuja identidade não foi revelada. De todo modo, os voos do Long March 2C e do Long March 11H marcaram, respectivamente, o 12º e o 13º lançamento da China em 2022.

Segundo a CAST, a China ainda planeja mais três lançamentos do Long March 11 neste ano a partir do Espaçoporto Oriental da China.

Fonte: Via Spaceflight Now

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.