Brasileiros fotografam cometa recém-descoberto — e se aproximando da Terra!

Por Patrícia Gnipper | 03 de Maio de 2020 às 12h00
Gerald Rhemann

Nada de admirar o cometa ATLAS no céu do mês de maio, como se previa até pouco tempo atrás. Afinal, em meados de abril ele acabou se despedaçando à medida que se aproximava do Sol — e logo depois o telescópio espacial Hubble nos mostrou que ele se dividiu em vários outros pedaços. Mas a boa notícia é que ainda temos um cometa para chamar de nosso neste mês que se inicia agora: o C/2020 F8, ou SWAN.

O SWAN foi descoberto no dia 11 de abril por um astrônomo amador chamado Michael Mattiazzo, quando ele estava observando dados recentes do Solar and Heliospheric Observatory (SOHO), observatório espacial da NASA e da ESA lançado em 1995 com a missão de estudar o Sol. Entre esses dados, estavam imagens tiradas no dia 25 de março através da câmera do instrumento Solar Wind Anisotropies (SWAN) — por isso, o cometa ganhou tal apelido. Mattiazzo, por sinal, já descobriu oito cometas desde 2004, analisando imagens desta mesma câmera do SOHO.

O mais incrível dessa história é que o instrumento SWAN não foi projetado para fotografar cometas — ele foi projetado para detectar hidrogênio. Só que o cometa C/2020 F8 está lançando uma quantidade bastante significativa de hidrogênio (na forma de gelo de água) e, então, foi detectado pelo SOHO.

O cometa SWAN é muito brilhante, já podendo ser visto daqui da Terra por meio de telescópios e até mesmo com binóculos 15x70. Espera-se que ele fique visível a olho nu nas próximas semanas, talvez no início de junho, de acordo com o que indicam modelos de computador. Por isso, muitos já estão elegendo o SWAN como o melhor cometa para se observar em 2020. Por sinal, uma belíssima foto dele foi destaque no site Astronomy Picture of the Day na última semana, mostrando sua inesperadamente longa cauda azulada:

(Foto: Gerald Rhemann)

Sua origem é o Sistema Solar externo e, apesar de ser novidade para nós, ele parece ser bastante antigo. Simulações do Space.com mostram que o SWAN já estaria viajando ao redor do Sol por 25 milhões de anos.

O objeto fará sua máxima aproximação com a Terra no dia 13 de maio, quando estará a 83,3 milhões de quilômetros de nós — pense que a Lua está a uma distância média de 384.400 km da Terra; ou seja, apesar de o SWAN fazer sua máxima aproximação conosco neste mês, ele ainda assim está longe o suficiente para não representar perigo. Segundo o Universe Today, ele apresentará brilho máximo no dia 17 de maio, enquanto o Space.com diz que isso só acontecerá na última semana do mês. É bastante difícil de prever o brilho de cometas de maneira exata, mas, de qualquer forma, o que sabemos de fato é que o SWAN está por perto, e já brilhante o suficiente para ser observado — mesmo que ainda não a olho nu. Depois disso, ele atingirá seu ponto mais próximo do Sol no dia 27 de maio (64,4 milhões de km de distância).

Vale ressaltar, no entanto, que não se pode garantir que o SWAN fique mesmo visível a olho nu. Afinal, assim como o ATLAS, ele parece ser relativamente pequeno — e o trágico destino daquele outro cometa, que apareceria para nós neste mês, nós já sabemos. Por isso, por enquanto nos contentamos com registros que estão fazendo do SWAN por aí com equipamentos especiais para a observação.

Fotos do cometa SWAN

Veja, abaixo, fotos do cometa SWAN tiradas por brasileiros nos últimos dias, postadas em grupos de astrofotografia nas redes sociais:

(Foto: Carlos Aparecido Domingues/Observatório Estrela do Sul - Cas Astronomia Sarandi)
(Foto: Eduardo Oliveira)
(Foto: Gabriel Zaparolli)
(Foto: Gabriel Zaparolli)
(Foto: Luiz R. Silveira)
(GIF: Luiz R. Silveira)
(GIF: Tiago Domezi)

*Com informações de Forbes, Space.com e Universe Today.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.