Este cometa recém-descoberto pode se tornar visível a olho nu nos próximos meses

Por Daniele Cavalcante | 25 de Março de 2020 às 08h55

Cometas visíveis a olho nu são um dos espetáculos celestes que qualquer pessoa sem conhecimentos em astronomia pode apreciar. Mas também são eventos raros - o último cometa completamente visível, o Hale-Bopp, passou por nós riscando o céu noturno em 1997. Mas, se tivermos sorte, poderemos assistir a outra passagem incrível em breve.

Conhecido como ATLAS, ou C/2019 Y4, o cometa que pode se tornar visível na Terra foi descoberto em 28 de dezembro de 2019. Na época, ele estava bastante fraco, mas desde então seu brilho tem aumentado tão rapidamente que os astrônomos têm grandes expectativas de que ele nos ofereça um bom espetáculo.

Infelizmente, ainda não é possível prever se isso vai mesmo acontecer. Cometas têm uma natureza complicada, cada um tem suas próprias características únicas e, às vezes, é difícil saber como eles vão se comportar no futuro. Por isso, os astrônomos estão cautelosos ao falar sobre as possibilidades de que possamos ver o ATLAS no céu.

Quando o ATLAS foi visto pela primeira vez, ele estava na Ursa Maior e era um objeto perto da 20ª magnitude - ou seja, 398.000 vezes mais escuro que as estrelas que estão no limite da visibilidade a olho nu. Naquela época, estava a 433 milhões de quilômetros do Sol. No entanto, em maio, essa distância será reduzida para 37,8 milhões de quilômetros e, com isso, deverá ter magnitude aumentada o suficiente para se tornar bem visível em telescópios pequenos.

Trajetória do cometa ATLAS no céu com marcadores de 7 dias.

Em 17 de março, o ATLAS já tinha magnitude 8,5, quase a mesma de Netuno, ultrapassando mais de 600 vezes o brilho previsto. A magnitude típica para um objeto começar a ser visto a olho nu é a de número 6, mas se o ATLAS continuar nesse ritmo, há chances de que ele se torne um objeto incrivelmente brilhante até o final de maio. Ele poderia rivalizar até mesmo com Vênus, o segundo objeto mais brilhante no céu depois da Lua.

Mesmo assim, os astrônomos ainda não podem garantir nada. Outros cometas no passado já apresentaram grandes chances de se tornarem espetaculares no céu noturno e acabaram não cumprindo as expectativas. Na verdade, alguns astrônomos simplesmente não sabem o que dizer sobre o futuro do ATLAS, ainda mais depois que seu brilho diminuiu um pouco nas últimas semanas.

"Devemos esperar que a taxa de aumento diminua novamente", disse Carl Hergenrother, um observador de cometas no Arizona. "É aqui que fica complicado prever o quão brilhante será". No momento, o ATLAS está no oeste da Ursa Maior e mudará para os limites de Camelopardalis, a Girafa, onde permanecerá até o mês de abril. Resta esperar para saber como ficará sua luminosidade até maio.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.