Atraso na criação de trajes espaciais pode impedir pouso humano na Lua em 2024

Atraso na criação de trajes espaciais pode impedir pouso humano na Lua em 2024

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 10 de Agosto de 2021 às 16h20
NASA

Um relatório geral de um inspetor trouxe um alerta para os planos da NASA relacionados aos futuros pousos tripulados na Lua. O desenvolvimento dos novos trajes espaciais para os astronautas da agência espacial sofrerá um atraso de quase dois anos, o que prejudicará o possível pouso estimado para 2024, por meio do programa Artemis. Este novo atraso se soma a outros desafios que a NASA já enfrenta, que vão desde o desenvolvimento do lander lunar que será usado pelos astronautas até o lançamento do foguete Space Launch System.

O programa Artemis é a iniciativa através da qual a NASA tentará levar astronautas novamente à superfície lunar — lembrando que a última vez que astronautas norte-americanos estiveram em nosso satélite natural foi em 1972. Não é de hoje que o prazo ousado para o pouso é considerado pouco viável, algo que já foi reforçado pela equipe do governo do presidente Joe Biden, mas a data foi mantida pela NASA — mesmo com Bill Nelson, administrador da agência espacial, levantando a possibilidade de atrasos acontecerem.

Por meio do programa Artemis, a NASA deverá levar a primeira mulher e a primeira pessoa negra para a superfície lunar (Imagem: Reprodução/NASA/Twitter)

Segundo uma auditoria do Office of Inspector General, da NASA, os custos dos novos trajes espaciais deverão ficar acima de US$ 1 bilhão quando o primeiro deles estiver pronto — o que deverá acontecer, no mínimo, em abril de 2025. “Considerando esses atrasos antecipados no desenvolvimento dos trajes espaciais, um pouso lunar em 2024 como aquele que a NASA planeja atualmente não é viável”, descreveu o relatório.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A agência espacial já soma o total de US$ 420 milhões investidos em novos trajes desde 2007, e esse valor deverá incluir mais US$ 625,2 milhões até 2025. Muito disso se deve às mudanças que surgiram nos trajes espaciais, que acompanharam também as alterações de objetivos da NASA ao longo das diferentes administrações da agência. Além disso, os trajes usados pelos astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) estão desatualizados — e vale reforçar que eles não foram criados para serem usados na superfície lunar.

Os trajes feitos especialmente para o programa Artemis, chamados Exploration Extravehicular Mobility Unit (xEMU), foram revelados em 2019. O programa dos novos xEMU já foi planejado considerando possíveis atrasos de desenvolvimento, para, mesmo assim, corresponder ao plano de pouso na Lua em 2024, mas essa margem já não pode ser considerada devido a vários desafios. Segundo o relatório, nos últimos meses, houve atrasos relacionados a centros da NASA fechados pela pandemia de COVID-19, somados a problemas técnicos, de hardware e cortes orçamentários.

Kristine Davis, engenheira de trajes espaciais, vestindo um protótipo de xEMU durante uma demonstração (Imagem: Reprodução/NASA/Joel Kowsky)

Para completar, o programa dos novos trajes foi suspenso após a interrupção de testes para o processo de montagem, causada por especificações incorretas. Além dos problemas com os trajes espaciais, o inspetor geral da NASA, o Escritório de Contabilidade Governamental e o painel de segurança aeroespacial estão todos preocupados com os atrasos nos programas do módulo de pouso lunar e do foguete Space Launch System, partes cruciais do programa Artemis.

Para eles, estas questões tornam o pouso em 2024 algo quase impossível. Como resposta ao relatório, Kathy Lueders, diretora de exploração humana na NASA, afirma que a agência deverá reformular o cronograma de desenvolvimento dos trajes para realizar um teste na ISS até junho do ano que vem. “A demonstração e o teste [dos trajes espaciais] na ISS são uma prioridade”, disse ela. Se tudo correr conforme apresentado por Lueders, este teste aconteceria antes da primeira missão tripulada do programa, estimada para 2023.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.